Aprovação em concurso só depende do candidato

Candidato aprovado em um dos mais importantes concursos públicos do País dá dicas de estudo

Redação
Publicado em 04/01/2007, às 09h28

Estar na lista dos candidatos aprovados em um concurso público, esse é o objetivo de muitos concurseiros que concorrem às inúmeras vagas oferecidas pelos diversos órgãos públicos do País. Essa satisfação foi sentida por Élcio Fiori Henriques, 23 anos, que participou, pela primeira vez, de um concurso público e foi aprovado para ocupar uma das 350 vagas oferecidas ao cargo de Agente Fiscal de Rendas – nível I, da SEFAZ / SP. Concorrendo com cerca de 30 mil candidatos, de diferentes níveis de conhecimento, provenientes de diversas regiões do País e, muitos deles, com experiência em concursos anteriores, Élcio foi aprovado em um honroso 22º lugar. Confira, nesta edição, as dicas do candidato e sua trajetória rumo ao sucesso. ORGANIZAÇÃO E FÔLEGO O intervalo de tempo entre o período de inscrição e a data de realização da prova era de pouco mais de um mês e, por isso, a organização dos estudos foi fundamental. Conciliar as horas de trabalho na empresa, com as aulas na faculdade, além das outras obrigações pessoais e profissionais das quais não podia abdicar-se não foi uma tarefa fácil. “Eu tentei, ao máximo, cortar as minhas atividades, mas não dá para abrir mão de tudo”, ressalta. Élcio conta que analisar item por item do conteúdo de cada uma das matérias presentes no edital é essencial, pois só assim pode-se saber o que será cobrado e qual o peso de cada uma das disciplinas. A partir daí, o candidato deve selecionar as matérias para as quais irá preparar-se, excluindo algumas e não se dedicando tanto a outras. “Algumas matérias você consegue eliminar logo de cara, seja porque não terá muita relevância na prova; por exigir um conhecimento muito aprofundado que você não possui, ou, até mesmo, por já ter alguma afinidade com o conteúdo”, explica. A partir daí, inicia-se, então, uma corrida de curta distância. “É uma competição de você contra você mesmo, e o importante é ter fôlego para chegar até o fim e apostar todas as suas fichas na aprovação”, conclui. LIVROS Mesmo sendo formado, desde 2004, em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas e cursando o último ano de Direito na Faculdade Largo São Francisco, Élcio conta que os conhecimentos obtidos na vida acadêmica são muito diferentes do que é cobrado em um concurso público. “A sua formação não conta muito, pois o que você aprende na graduação e no trabalho não são suficientes para fazer um concurso público”, afirma. Em função disso, Élcio dirigiu-se à LEC livraria, especializada em livros e apostilas para concursos públicos, e, por meio de indicações adequadas, adquiriu diversos títulos específicos nas áreas das disciplinas que seriam cobradas. “É importante que ter recursos disponíveis para a aquisição de livros, pois é ali que está o ouro”, conta o candidato aprovado que gastou, em média, R$ 500,00 com o material didático. Com 15 livros específicos, Élcio tinha o que precisava para assimilar o máximo de conteúdo possível. “Se você consegue um bom material, você tem o suficiente para prestar a prova e suas chances de ser aprovado são bem maiores”, comenta. Durante a semana, Élcio estudou, sozinho, em casa, entre três e quatro horas por dia e, aos fins de semana e feriados, eram cerca de 13 horas ininterruptas de estudo e aprendizado. “Eu não tinha expectativa se ia passar ou não. Mas mesmo que não passe, vale a pena o sacrifício, porque você já tem conhecimento para os próximos que irá tentar”, conclui. (O.B)

Comentários

Mais Lidas