Alguns sinais de pontuação nos concursos

Não basta apenas estudar os sinais mais usados na língua, pois existem outros que também são relevantes em seu concurso e pouco usados no dia a dia

Redação
Publicado em 09/01/2013, às 16h02

Sandra Ceraldi

A pontuação é tema obrigatório nos concursos públicos. Não basta apenas estudar os sinais mais usados na língua, pois existem outros que também são relevantes em seu concurso e pouco usados no dia a dia. Atenção à abordagem do tópico e sucesso em seu concurso!

Aspas ( “ ” ) servem para isolar palavras ou expressões que fogem à norma culta, como gírias, estrangeirismos, palavrões, neologismos, arcaísmos e expressões populares.
Exemplos: Maria ganhou um apaixonado “ósculo” do seu admirador. A festa estava “chocante”. Conversando com meu superior, dei a ele um “feedback” do serviço a mim requerido.
Indicam também uma citação textual. Exemplo: “Ia viajar! Viajei. Trinta e quatro vezes, às pressas, bufando, com todo o sangue na face, desfiz e refiz a mala”. (O prazer de viajar – Eça de Queirós).
Caso dentro de um trecho já destacado por aspas se fizer necessária a utilização de novas aspas, estas serão simples ( ' ' ). Exemplo: “A verdadeira vida é aquela ‘cotidiano’ que temos”.

Parênteses ( ( ) ) são usados na separação de qualquer indicação de ordem explicativa.  Exemplo: Predicado verbo-nominal é aquele que tem dois núcleos: o verbo (núcleo verbal) e o predicativo (núcleo nominal).  
Também é usada na separação de um comentário ou reflexão. Exemplo: Os escândalos estão se proliferando (a imagem política do Brasil está manchada) por todo o país.
Ocorre também para separar indicações bibliográficas.  Exemplo: “Os jardins têm vida e Morte” (Cecília Meireles).

Colchetes ( [ ] ) têm a mesma finalidade que os parênteses; todavia, seu uso se restringe aos escritos de cunho didático, filológico e científico.
Pode ser empregado em definições do dicionário para fazer referência à etimologia da palavra. Exemplo: amor- (ô). [Do lat. amore.] 1. Sentimento que predispõe alguém a desejar o bem de outrem, ou de alguma coisa: amor ao próximo; amor ao patrimônio artístico de sua terra. (Novo Dicionário Aurélio).
Também servem para indicar omissões de partes na transcrição de um texto. Exemplo: "É homem de sessenta anos feitos [...] corpo antes cheio que magro, ameno e risonho" (Machado de Assis).

Vírgula ( , ) marca uma pausa de curta duração. Será empregada no período simples (uma só oração) e no período composto (mais de uma oração). A análise lógica requer seu uso quando de inversões na frase, uma vez que devemos respeitar as seguintes sequências:
1)    sujeito + verbo + objetos + advérbios (período simples);
2)    sujeito + verbo de ligação + predicativo do sujeito (período simples).

Atenção: caso haja inversão dos termos na frase ou orações, a vírgula será obrigatória. Veja:
1-    Adjuntos adverbiais deslocados: termos de valor adverbial que denotam alguma circunstância do fato expresso pelo verbo ou intensifica o sentido deste, ou de um adjetivo, ou de um advérbio. As principais circunstâncias são as de tempo, lugar, causa, modo, meio, afirmação, negação, dúvida, intensidade, finalidade, condição, assunto, preço etc. Estarão deslocados quando estiverem no início ou no meio do período. Em alguns casos, a vírgula não será obrigatória, pois, às vezes, ela tira a linearidade, eliminando, assim, a clareza da frase.  Exemplo: A maioria dos candidatos, durante os concursos, estuda. À noite, estudamos demais.
2-    Objetos pleonásticos: quando um verbo possuir dois complementos que se referem a um elemento só. Exemplo: Os meus conhecidos, já os cumprimentei. Aos companheiros, ofereci-lhes ajuda.

Alguns termos da oração merecem destaque:
1.    Aposto explicativo: expressão explicativa em frases.
Londrina, a terceira cidade do Sul do Brasil, é maravilhosa.
2.    Vocativo: chamamentos.
Paulo, marque o gol rapidamente!
3.    Predicativo do sujeito deslocado, quando o verbo não for de ligação:
 Os jovens, assustados, retiraram-se do recinto.
4.     Separar elementos coordenados: enumerações de termos que exercem a mesma função sintática.
 As crianças, os pais, os professores e os diretores irão ao auditório da escola.
5.     Elipse do verbo: omissão de um verbo já escrito anteriormente.
Ela prefere passeios românticos; o namorado, de aventura. (o namorado prefere passeios de aventura).
6.     Separar, nas datas, o lugar:
São Paulo, 1º de janeiro de 2013.
7.     Isolar conjunção coordenativa intercalada:
Os candidatos, porém, não respeitaram a lei.
O candidato está bem preparado; tem, portanto, condições de ser aprovado.
8.     Expressões explicativas: isto é, a saber, melhor dizendo, quer dizer: Irei para Águas de Santa Brárbara, melhor dizendo, Bárbara.
9.    Para separar frases iniciadas pelas expressões e sim, e não, mas sim:
Não haja com imprudência, e sim com moderação.

Travessão (—) serve para dar início à fala de um personagem, além de indicar mudança do interlocutor nos diálogos e verbos de elocução.
Exemplo: O filho perguntou:
  — Pai, quando começarão as aulas?
Exemplo: — Doutor, o que tenho é grave?
  — Não se preocupe, é uma simples infecção. É só tomar um antibiótico e estará bom.
Exemplo: — Essa mulher não tem piedade — disse Ernesto.

Professora Sandra Ceraldi Carrasco, consultora e especialista em língua portuguesa, autora de livros e periódicos na área. Há mais de 20 anos ministra cursos e palestras, com índice recorde de aprovação. Seu mais recente trabalho aborda de forma prática o Acordo Ortográfico. Atualmente é coordenadora do curso preparatório IPA. Contato: professora.sandracarrasco@uol.com.br.

Comentários

Mais Lidas