Vamos “virgular” de forma correta?

A professora Sandra Carrasco destaca a importância da utilização das vírgulas na elaboração das frases

Redação
Publicado em 13/02/2013, às 11h50

Sandra Ceraldi Carrasco

Apesar de parecer simples o uso da vírgula, é um sinal que atrapalha muito aqueles que não sabem utilizá-la. Veja esses exemplos: "Se o homem soubesse o valor que tem a mulher, andaria de quatro a sua procura".  Agora a vírgula será modificada, veja como o sentido se altera automaticamente: "Se o homem soubesse o valor que tem, a mulher andaria de quatro a sua procura". Para melhor empregar esse sinal de pontuação e não passar por vexames, vamos recordar seu uso no período simples e composto.

É por meio da análise sintática que se reconhece a pontuação, os termos que compõem uma oração ou período devem respeitar as sequências lógicas, pois, se houver qualquer inversão, a vírgula marcará essa troca. Veja alguns casos:

Não se usa vírgula:

1 - Entre o sujeito e o verbo: Ex.: Os policiais (sujeito) reconheceram o infrator (predicado).

2 - Entre verbo e complementos verbais ou nome e complemento nominal: Ex.: Encontramos (VTD) o rapaz (OD). Ex.: Ela tinha necessidade (substantivo) de dinheiro (CN).

3 - Nas orações subordinadas substantivas, exceto as apositivas: Ex.: Convém (OP) que deixemos o local. (sujeito oracional).

4 - Nas orações adjetivas restritivas. Ex.: Ele é o homem (OP) que mata passarinhos (or. sub. adj. rest).

5 - Em orações coordenadas ligadas por “e” que tenham o mesmo sujeito: Ex.: Chegou e prendeu o infrator. (ele)

Usa-se a vírgula:

1 - Assinalar o vocativo (chamamento): Ex.: Alunos (vocativo), compareçam à secretaria.

2 - Assinalar o aposto (termo explicativo de um termo anterior): Ex.: Aquele aluno, muito estudioso (aposto), não passou no concurso.

3 - Precedendo orações coordenadas assindeticamente, isto é, sem uso de conjunções. Ex.: Estude, trabalhe, passe nos concursos e seja feliz!

4 - Entre as orações intercaladas: Ex.: A guerra, disse o general, é uma defesa prévia.

5 - Para marcar as orações subordinadas adjetivas explicativas: Ex.: A alma, que é imortal, integra-se ao cosmo.

6 - Entre expressões explicativas, continuativas, conclusivas, retificadoras ou enfáticas (isto é, a saber, por exemplo, etc.).  O governador, ou melhor, Excelentíssimo Senhor Governador, dará um aumento aos policiais.

7 - Entre as conjunções coordenativas, quando pospostas/intercaladas (porém, contudo, entretanto, todavia, logo, portanto, etc.): Ex.: Não estudou, mas passou.

8 - Nas datas e endereços: Ex.: São Paulo, 10 de janeiro de 2013. Rua São Paulo, nº 10.

9 - Para indicar zeugma (elipse/omissão de termos já citados): Ex.: Uns diziam que se suicidou; outros, que foi assassinado. (elipse do verbo “diziam”).

10 - Precedendo orações principais pospostas: Ex.: Quando a noite chegou, todos se entreolharam.

11 - Antes de “e”, quando as orações apresentarem sujeitos diferentes ou quando o “e” se repetir: Ex.: Fez-se o céu, e a terra, e o mar. João estudou matemática, e José saiu rapidamente.

12 – Nas construções pleonásticas: Ex.: A carta, já a escrevi.

Bons Estudos!

Professora Sandra Ceraldi Carrasco, consultora e especialista em língua portuguesa, autora de livros e periódicos na área. Há mais de 20 anos ministra cursos e palestras, com índice recorde de aprovação. Seu mais recente trabalho aborda de forma prática o Acordo Ortográfico. Atualmente é coordenadora do curso preparatório IPA. Contato: professora.sandracarrasco@uol.com.br.

Comentários

Mais Lidas