Dicas para o cargo de técnico administrativo

Professores especializados analisam o conteúdo programático do concurso e ajudam você a turbinar os seus estudos.

Redação
Publicado em 07/01/2011, às 14h26

Recentemente, foi publicado o edital de abertura do concurso promovido pela Cobra Tecnologia, empresa vinculada ao Banco do Brasil que desenvolve, produz e comercializa tecnologia nacional no segmento de informática. O processo seletivo irá preencher 3.687 oportunidades em vários Estados do país. Do total de vagas, 3.472 destinam-se à formação de cadastro reserva, mas as outras 215 são para início imediato.

Com base no conteúdo programático das avaliações, definido pela Empresa de Seleção Pública e Privada (ESPP), o JC&E conversou com professores gabaritados e traz, nesta edição, dicas de estudo para ao cargo de técnico administrativo. A carreira exige o nível médio ou técnico e o salário oferecido aos profissionais é de R$ 1.151. Portanto, se você está interessado em atuar na esfera pública e possui a escolaridade requerida, não perca tempo: atente-se aos comentários a seguir, direcione os seus estudos e obtenha sucesso nos testes.

Língua portuguesa - Segundo a professora de português Lilian Furtado, da Academia do Concurso, é essencial que os concorrentes se preparem com base em provas anteriores. As indicadas são as da própria Cobra, do início de 2010, Marinha do Brasil (2009), Prefeitura de Valinhos (2008), Engepron (2008) e Correios de São Paulo (2008).

Sobre o conteúdo, Furtado explica que “geralmente, caem mais questões de gramática do que de interpretação”. Na parte de função sintática é preciso ficar atento ao adjunto adnominal, complemento nominal, objeto direto, objeto indireto e sujeito. Saber a regência de verbos como “aspirar, assistir, chegar, custar, esquecer, lembrar, preferir e visar” é um fator importante. Já as funções e as figuras de linguagem mais cobradas são a metáfora, o pleonasmo, a hipérbole e a metonímia.

Ao redigir os textos, os candidatos devem tomar cuidado com as palavras que suscitam erros de concordância, entre elas estão o uso do “porquê, meia, meio, bastante e muito”.

A professora sugere que os concurseiros treinem o pronome relativo, a crase e o valor semântico das conjunções. Identificar os predicados verbais, nominais e os verbos nominais, além de classificar o sujeito como simples ou composto, também facilita o entendimento do que propõem os enunciados.

Quando se trata de vozes verbais, é necessário identificar a transformação da voz ativa, voz passiva e voz reflexiva. Para concluir, Furtado cita o tópico “futuro do subjuntivo x infinitivo pessoal” e diz que as conjugações dos verbos “por, ter, ver e vir” tendem a aparecer no conteúdo dos testes.

Matemática - O professor Flávio Alcântara, que também dá aulas na Academia do Concurso, menciona que o programa desta disciplina é muito extenso, mas “a ESPP costuma apresentar questões de aplicação direta e relativamente simples”. Na opinião dele, é importante que os candidatos dediquem-se ao conteúdo de números inteiros e radicais.

Outra característica da banca examinadora é apresentar questões diretas no cálculo da moda, mediana e média, que requerem a aplicação de fórmulas. Probabilidade, análise combinatória, matrizes, produtos notáveis e fatoração também se destacam entre os tópicos apresentados no edital.

As perguntas sobre plano cartesiano, funções de 1º e 2º graus e logaritmo sempre caem juntamente com uma representação gráfica. Na lista dos assuntos relevantes citados por Alcântara ainda constam semelhança de triângulos; razões trigonométricas; relações métricas no triângulo; comprimento da circunferência; áreas das principais figuras planas; volume do cubo e do paralelepípedo; e seno, co-seno e tangente dos arcos notáveis.

Conhecimentos específicos - Após analisarem o edital do processo seletivo, professores da Academia do Concurso deram a sua opinião sobre o programa de conhecimentos específicos. Confira!

De acordo com Flávio Alcântara, “juros simples e compostos e regra de três são sempre cobrados”. Ele aconselha estudar as taxas, principalmente nos juros compostos e montante, mas alerta que é possível cair juros simples e compostos em uma mesma questão.

Na área de direito tributário, o professor Felipe Dutra seleciona os tópicos que devem ser priorizados: “imunidades, princípios constitucionais tributários, conceito e classificação dos tributos e crédito tributário”.

Especialista em direito comercial, Rachel Brambilla destaca que para notar a diferença entre os institutos é imprescindível saber os princípios dos títulos de crédito e compará-los com os dos contratos.

O professor Roberto Chapiro, mestre em contabilidade, acredita que para garantir um bom resultado nas provas também é necessário “conhecer a estrutura do balanço patrimonial e da demonstração do resultado do exercício (lei 6.404/76), além de entender os fatos contábeis e seus reflexos nos demonstrativos”.

Marcelo Marques, especialista em administração, sugere que os candidatos estudem a função da administração de recursos humanos. Neste caso, os subsistemas que mais se destacam são os que envolvem “recrutamento, seleção, treinamento, descrição de cargos e avaliação de desempenho”.

Já a professora Monique Aguilar orienta que é fundamental conhecer as etapas de recrutamento e seleção, treinamento e desenvolvimento, modelos de avaliação de desempenho, folha de pagamento, contratos de trabalho e noções de legislação trabalhista.

Referente ao conteúdo de direito administrativo, o mestre Henrique Cantarino conclui que apesar de o tema ser bastante extenso, os assuntos mais recorrentes são dispensa e inexigibilidade de licitação (arts. 24 e 25 da lei 8.666/93); os princípios licitatórios (art. 3); as modalidades (art. 22); e os tipos de licitação (art. 45). “A parte de contratos é curta (arts. 54 a 80) e vale a pena dar uma boa estudada”, finaliza.

Carreira – O técnico administrativo executará atividades semi-estruturadas e rotinas administrativas com base na contextualização dos procedimentos administrativos e roteiros de trabalho. O contratado irá preparar e digitar minutas, correspondências, memorandos, tabelas mapas e outros documentos, inclusive guias e formulários.

Segundo Wellington Vasconcellos, que atua na secretaria executiva de comunicação da Cobra Tecnologia, para trabalhar nesta área basta ter o ensino médio ou técnico, mas o candidato que comprovar experiência garantirá alguns pontos durante a seleção (conforme estabelece o edital). Ao ser perguntado sobre uma dica que possa ajudar os concurseiros, ele ressalta a importância de dedicar-se à parte de conhecimentos específicos, afinal, 52% do exame é constituído por questões deste tipo (de peso dois). Vasconcellos ainda confirma que a empresa oferece um plano de cargos, de salários e de carreira aos profissionais e que os contratos serão regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Quanto aos benefícios, além dos previstos em lei, os funcionários terão direito a auxílio-alimentação e plano de saúde.

Flávio Fernandes/SP

Veja também:

Cobra Tecnologia: inscrições já estão abertas para 3.600 vagas

Videoaulas: reforce a preparação para a Cobra Tecnologia

Comentários

Mais Lidas