Um fim de semana em Brasília

Veja a experiência que a concurseira Aline Saggio teve ao embarcar para Brasília e realizar a prova do Ministério do Turismo

Redação
Publicado em 16/07/2013, às 15h49

Em abril fui até Brasília para prestar um concurso público do Ministério do Turismo para o cargo técnico de nível superior. O concurso foi sugerido pelo meu professor do curso de pós-graduação em Mídia, Informação e Cultura. Com um valor baixo de inscrição, menos de R$ 10, resolvi garantir minha participação.

Consegui reservar uma diária em uma pousada nos moldes de um albergue, de uma família que aluga quartos para turistas e também moradores. Geralmente pessoas que passam em concursos públicos permanecem lá até terem estabilidade suficiente para conseguir residência fixa. Era a hospedagem mais próxima do local da prova que eu encontrei, cerca de 1,5 km de distância, assim eu poderia ir caminhando e não precisaria contar com transporte público para chegar a tempo no local.

Os organizadores do concurso não informaram o local da prova, até poucos dias antes dela, por isso demorei a comprar minha passagem aérea e acabei pagando um valor bem alto pelo transporte diante do valor inicial de quando havia realizado a inscrição, cerca de dois meses antes.

Na chegada a Brasília tive um pouco de dificuldade de me locomover utilizando o transporte público, por se tratar de um final de semana. Algumas pessoas (autóctones) me informaram que ônibus circular demoraria muito e que com o cair da tarde ficaria mais perigoso andar sozinha sem conhecer a cidade direito, então solicitei um táxi até a Asa Sul, onde ficaria hospedada. O taxista me deixou na porta do albergue e durante o trajeto indicou-me referências de localização, pontos turísticos e os acessos da cidade, muito cordialmente.

Ao final da tarde não havia nenhum comércio aberto nos arredores do local no qual estava hospedada para que eu pudesse comprar comida e alguns objetos de higiene que necessitava. Solicitei informação de um morador que me indicou um supermercado localizado a alguns quarteirões dali. As ruas de Brasília são bem diferentes de outras grandes metrópoles, pois como foi construída com bases militares, a geografia é sinalizada por códigos, letras e números. Os cidadãos brasilienses são pouco receptivos, mas informam muito bem a localização, já que estão bem acostumados com a dinâmica local, que no final de semana, pelo que percebi, é bem morosa.

No geral não tive muitos problemas, mas um pouco de dificuldade de locomoção e informação. Uma cidade diferente, um lugar com novidades é sempre estranho, principalmente quando se está sozinha. Mas não há outra forma de ambientar-se e localizar-se num ambiente diferente que não seja perguntando.

Aline Saggio, especial para o JC&E      

Participe do Diário do Concurseiro – O JC&E também quer saber a sua história! Divida conosco suas experiências no mundo dos concursos, conte sobre um dia de prova, a primeira vez que prestou concurso, o dia em que viu seu nome na lista de aprovados, um dia de aula diferente no cursinho, um caso curioso ou engraçado que tenha acontecido com você. Envie seu texto para redacao@jcconcursos.com.br.

Comentários

Mais Lidas