Executivo ensina como conquistar uma das vagas

Lairton Correa confirma a realização de concursos até 2013 e explica quais são as posturas necessárias aos candidatos que pretendem garantir a classificação.

Redação
Publicado em 25/02/2011, às 15h07

Neste domingo, 27 de fevereiro, 338.635 inscritos terão a oportunidade de responder a prova objetiva que definirá os 839 novos funcionários da Petrobras, a não ser para posições que terão também a aplicação de teste físico e exame discursivo.

A essa altura, na corrida pelo emprego público, os estudos finais estão a pleno vapor e toda ajuda, no sentido de tornar menos dolorosa a etapa de seleção, é bem-vinda. Ainda mais quando parte do gerente de efetivo de recursos humanos da companhia.

Acompanhe a entrevista que Lairton Correa concedeu ao JC&E e aprenda quais atitudes podem encurtar o caminho entre você e as chances.

Jornal dos Concursos & Empregos - Quais são os conhecimentos pedidos no exame objetivo?

Lairton Correa - A prova é composta por dois blocos. Na primeira parte são pedidos conhecimentos básicos, como português, matemática e idiomas. No segundo bloco são os conhecimentos específicos. E, por isso, cada cargo tem uma exigência, que pode ser facilmente entendida, porque no edital estão especificadas quais são as matérias e o que o aluno deve estudar.

JC&E - Para o cargo de auditor haverá também teste discursivo. O que é importante para o concursando fazer uma boa prova?

LC - O candidato precisa ter uma boa redação, um bom português, para que possa expressar, claramente, o pensamento que tem sobre o assunto solicitado. Ele deve colocar um bom preâmbulo do que quer defender ou expor, preparar um bom conteúdo e finalizar com uma análise clara do que respondeu.

JC&E - Os pretendentes à função de inspetor de segurança interna não farão teste discursivo, exclusivo aos auditores, mas precisarão passar por prova física. Como quem almeja essa carreira deve se preparar para ser um dos quatro escolhidos?

LC - A prova de condicionamento físico visa testar a capacidade física e orgânica do candidato. Se olharmos bem edital, veremos que o documento explicita os testes que serão aplicados como, por exemplo, corrida de 12 minutos, barra e flexão.

Eu aconselho que o concursando olhe o edital, releia essa parte e se prepare para a condição que terá de enfrentar.

JC&E – Em termos gerais, que dicas o senhor dá para os candidatos que vão tentar as 839 vagas oferecidas pela Petrobras?

LC – Como a concorrência é grande, a gente sempre sugere aos candidatos que estudem com calma e antecedência. E não adianta, no último dia, virar a noite estudando, porque quem fizer isso vai chegar para fazer a prova cansado, esgotado.

Também é importante fazer uma alimentação leve e ir para a prova com a roupa mais confortável possível, para não se sentir incomodado durante a realização do exame.

Outras recomendações são ler e reler o edital olhando, exatamente, que tipo de material deve ser levado para o teste e a que horas os portões da escola onde será feita a prova serão abertos e fechados. Conferir o endereço da localidade é essencial. Tudo isso é extremamente importante para que o candidato faça uma prova tranquila, diminuindo o máximo possível da ansiedade.

JC&E - Para trabalhar na Petrobras é exigida apenas a formação técnica. A empresa oferece algum treinamento aos contratados?

LC - A companhia complementa a formação para trabalhos específicos. Para isso, nós temos a Universidade Petrobras, que é voltada àqueles que vão ocupar cargos de nível superior. Para as funções de nível médio, o selecionado receberá o treinamento necessário na unidade em que for alocado.

JC&E - Dependendo do cargo, quanto tempo dura os treinamentos?

LC - Se for a carreira de engenharia, o funcionário pode ficar até 12 meses em formação como empregado, ou seja, ao invés de ir para o trabalho, vai para a Universidade Petrobras e fica estudando até completar o curso.

Para as ocupações de nível médio, a variação pode ser de 12 a 18 meses. Nesse período o empregado terá aulas teóricas e uma parte prática, que são os estágios nas unidades.

JC&E - Mesmo em formação, esse empregado recebe o salário e os benefícios que constam no edital para o cargo.

LC - Exatamente. Assim que é admitido, ele vai para a formação e recebe o salário como se estivesse trabalhando de fato. Também faz jus a todos os benefícios divulgados no edital.

JC&E - Em que posição e com qual salário o concursado entra na Petrobras, e até onde ele pode chegar, também em termos de remuneração?

LC - Todas as nossas carreiras têm os estágios de júnior, pleno e sênior. A pessoa entra como júnior e, dependendo do desempenho, vai agregando um nível salarial até que tenha condições de ser promovido de júnior para pleno e de pleno para sênior. Esses avanços de estágios se dão anualmente, conforme a avaliação do funcionário no Programa de Gerenciamento de Desempenho.

A remuneração tem uma variação de acordo com o nível e o cargo. Para um júnior com ensino médio o valor parte de R$ 1.600 e pode chegar a R$ 2.100. Se olharmos o nível superior, nos cargos de administração, começa com R$ 1.700 e vai a R$ 6.300.

Evidente que se for exercer as atividades em regime de embarcado, por exemplo, o funcionário vai ter uma adicional de embarque, e assim sucessivamente. São adicionais dados de acordo com o regime de trabalho e a localidade.

O plano de cargos é feito para que a pessoa passe a vida profissional na organização.

JC&E - Quais são os benefícios ofertados para os aprovados de nível médio e superior?

LC - Além das vantagens comuns a todas às grandes empresas, eu gostaria de ressaltar que nós temos uma assistência médica coletiva, educação escolar para o empregados e os filhos, farmácia para remédios de uso contínuo, concedidos por reembolso, previdência complementar e outros benefícios presentes nos acordos coletivos e nas normas da companhia.

JC&E - Com uma concorrência de pouco mais de 403 para 1, muitos terão de esperar novas seleções para ingressarem na Petrobras. Já há previsão para o lançamento de novos concursos?

LC - A Petrobras tem previsto, até 2013, seis mil vagas a serem preenchidas. Nossa expectativa é que sejam deflagrados dois processos seletivos por ano.

Para abrir um concurso público eu dependo da demanda do pedido de cada área da companhia então, provavelmente, haverá uma segunda seleção em 2011.

JC&E - Seis mil chances são suficientes para suprir a demanda de pessoal de uma empresa como a Petrobras?

LC – É interessante saber que as seleções estão ligadas às estratégias da companhia. Isso significa atender às demandas de possíveis expansões. Então, se está prevista uma nova unidade, uma nova plataforma, ou a reforma de refinaria há uma demanda por pessoas, e esses profissionais precisam estar preparados antecipadamente.

Nesse planejamento, até 2013, um pouco das vagas será para repor empregados que vão se aposentar ou sair da companhia, mas a grande maioria será para as expansões, o que inclui o pré-sal.

JC&E - Quais deverão ser os cargos oferecidos nessas próximas seleções?

LC - São praticamente os mesmos do concurso atual. Na Petrobras, a maioria das oportunidades são voltadas para a linha operacional, tanto para engenheiro quanto para técnico, de nível médio.

Os próximos processos seletivos devem abrir chances, novamente, para engenheiro (naval, civil, de manutenção), geólogo, geofísico, e para cargos de técnico de operações, de perfuração de poços, de segurança.

Pâmela Lee Hamer

Veja também:

Petrobras: divulgados os locais de provas para 839 vagas

Comentários

Mais Lidas