PRF aplica provas no dia 11 para 109 mil candidatos

O cargo em disputa é o de policial rodoviário federal, que exige nível superior e carteira de habilitação para remuneração inicial de R$ 6,4 mil

Pâmela Lee Hamer
Publicado em 06/08/2013, às 10h46

No próximo domingo (11), a Polícia Rodoviária Federal aplica as provas objetivas e discursivas do concurso que irá contratar 1.000 policiais rodoviários. 
Os testes serão aplicados das 8h às 12h30 nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal. Haverá questões de língua portuguesa, matemática, direito constitucional, ética no serviço público, informática e das matérias específicas de direito, nas esferas administrativa, penal e processual penal; legislação especial; direitos humanos e cidadania; legislação relativa ao DPRF, e física aplicada à perícia de acidentes rodoviários.
Para conferir o edital de convocação, os participantes podem verificar os anexos. Caso prefira a consulta individual, clique AQUI.
Classificados serão chamados, posteriormente, para exame de capacidade física, avaliação de saúde, avaliação psicológica, investigação social e avaliação de títulos.
A última etapa é o curso de formação, que será desenvolvido em cerca de três meses. Neste período, os alunos terão aulas de abordagem e tiro, direitos humanos, ética, defesa policial e fiscalização de trânsito, entre outras matérias.
No total, 109.769 candidatos estão na disputa, em uma relação de pouco mais de 109 concursandos por vaga oferecida - a estatística pode ser conferida nos anexos.
Perfil e remuneração - Para disputar o posto de policial rodoviário federal é necessário ter diploma de graduação em qualquer área e possuir carteira de habilitação ou permissão para conduzir veículos automotores a partir da categoria B.
O salário inicial para a carreira é de R$ 6.479,81. Nesse valor estão inclusos o subsídio de R$ 6.106,81 e o vale-refeição de R$ 373.
A dedicação semanal exigida é de 40 horas.
Lotação - De acordo com a PRF, os novos policiais rodoviários federais serão lotados, preferencialmente, nas regiões de fronteira, após remanejamento dos policiais mais antigos. A instituição espera contar com esse reforço para a Copa do Mundo, em julho do ano que vem. 
A permanência mínima no primeiro local de trabalho é de três anos. A remoção estará condicionada a concurso de remoção, permuta ou ao interesse da administração. 

Comentários

Mais Lidas