O verbo parar e suas possíveis ambiguidades

Diogo Arrais comenta as mudanças feitas pela Reforma Ortográfica e os impactos no real emprego de algumas palavras

George Corrêa
Publicado em 31/07/2013, às 09h31

Diogo Arrais

De acordo com a recente Reforma Ortográfica, os pares pôr (verbo) e por (preposição); pôde (verbo no pretérito perfeito do indicativo) e pode (verbo no presente do indicativo) são os únicos que continuam enquadrados na regra da Acentuação Diferencial.

O verbo PARAR, por exemplo, na 3ª pessoa do singular, no presente do indicativo, deu adeus ao agudo: PARA.

Sim! Por questões relativas à regra de acentuação gráfica, a palavra ajustou-se a tantos outros paroxítonos finalizados em – A: CARA, CASA, MALA, LAVA, PARA.

Até aí, tudo bem! O problema, em alguns casos, está nas indubitáveis ambiguidades geradas pelo “novo” PARA. Em semana de mais manifestações no Brasil, viram-se as seguintes mensagens:

“SINDICATO PARA O TRABALHADOR”

Teoricamente, destinado ao trabalhador; ironicamente, é instituição que trava a população.

“O PARTIDO PARA O POVO”

Virgem! Depende da visão, né?  A Política pode estacionar o povo.

“OBRA PARA O TRÂNSITO”

A obra deveria ser para o bem-estar das pessoas; com tantas falcatruas, no Brasil, muitas obras param o trânsito.

Vejamos, agora, o que um banco famoso cravou como lema:

“UM BANCO PARA VOCÊ”

Com tantas filas, taxas, atendentes eletrônicos, um banco é capaz de paralisar meu dia a dia, minha vida.

Enfim, sem o uso do acento agudo diferencial, a ambiguidade – ao menos irônica -  pode surgir. A preposição “a”, pela relação semântica semelhante, serviria, pois, como elemento de retirada da confusão – caso o sentido pretendido seja de destinação.

Em tempos de Reforma Ortográfica em nosso condomínio, muitos sugerem chamar o Síndico: “Alô! Alô! Academia! A Reforma não pode ser praticada apenas no Brasil!”

Que os casos confusos sejam revistos! Por um Brasil sem a confusão gráfica ou semântica!

Um abraço e até a próxima!

Diogo Arrais é professor de Língua Portuguesa do Damásio Educacional. Twitter: @diogoarrais

Comentários

Mais Lidas