Todos os dias, todas as mães

Uma homenagem do CineClube JC para as mães

Redação
Publicado em 27/05/2011, às 15h44

Há algumas semanas foi comemorado o dia das mães. Mas há quem acredite que dia de mãe são todos os dias. Por essa lógica, é sempre válido honrar essa figura tão importante, complexa e multifacetada que constitui nosso primeiro contato com o mundo. Sob esse ponto de vista, o cinema é uma fervorosa ferramenta.

Ao longo dos anos muitas mães marcaram época e ajudaram a imortalizar muitos filmes que residem carinhosamente no nosso coração. Mas a ideia dessa edição do “Cineclube JC” é, na medida do possível, capturar e essência da maternidade: as aflições, os receios, os orgulhos, os prazeres, os dramas...

O filme que, talvez, melhor aborde todo esses elementos é “Lado a lado”. A produção, rodada no auge da popularidade de Julia Roberts, submete uma mãe (papel da grande atriz Susan Sarandon) à pior das provações: preparar seus filhos para perdê-la. Tudo começa quando há a separação. O marido (Ed Harris) passa a morar com uma nova mulher (papel de Julia Roberts). Como manda o figurino, a adaptação ao novo cenário familiar é turbulenta. A personagem de Susan Sarandon não faz a menor questão de instruir seus filhos a serem parcimoniosos com a nova mulher do pai. Tudo muda de figura quando ela é diagnosticada com um tumor no cérebro. Ela precisa de serenidade e muito amor para manter-se sã e ajudar aqueles a sua volta a manterem-se sãos também. “Lado a lado”, dirigido com o equilíbrio certo entre sentimentalismo e sobriedade por Chris Columbus, marca pela humanidade do registro e pela homenagem em que se materializa à figura materna, àquela que mais reluz nesse filme família.

O conceito de madrasta foi adotado pela léxica familiar com o sentido de “mulher casada com o pai de uma pessoa sem ser sua mãe”. Esse conceito, no entanto, não anula um outro ainda mais primitivo: de mãe ou mulher má. Insensível. É nesses termos que é possível classificar Mary, a mãe da personagem título de “Preciosa – uma história de esperança”. Uma mulher desapaixonada, profundamente ressentida e que só lá pelo final do filme ficaremos sabendo o por quê de odiar tanto sua filha. Preciosa é uma menina gorda, quase analfabeta, abusada sexualmente pelo pai (tem dois filhos bastardos dele) e molestada física e emocionalmente pela mãe, uma figura tão castradora quanto digna de pena. Preciosa, que mais do que qualquer outra coisa sofre de falta de amor materno, encontra na figura de uma professora de uma escola alternativa um porto seguro emocional.

Em um contraponto a Mary está a mãe vivida pela atriz Kim Hye-ja em “Mother -  a busca pela verdade”. Uma fita sul coreana que, honrando as tradições do cinema oriental, se assenta sobre a simplicidade da ideia que pretende defender. No caso, a impermeabilidade do amor materno. No filme, Kim Hye-ja faz uma viúva que acumula responsabilidades com seu filho de 28 anos, mais ingênuo do que a faixa-etária sugeriria. Após um assassinato nos arredores, seu filho é detido como suspeito e, em uma combinação de pressa policial e péssima assistência jurídica, condenado. A mãe, incrédula da culpa do filho, resolve descobrir a identidade do assassino por conta própria. Se ela consegue ou não, caberá ao espectador descobrir assistindo ao filme. Mas a verdade aí pouca importa para a mensagem que o diretor Bong Joon-ho deseja passar. O que importa é esse amor imaculado que move essa mãe coragem. É uma mãe, que no conjunto de aflições que vivencia, captura esse misto de instinto e doação que faz com que toda homenagem que se preste, já surja ultrapassada.

Serviço:

Lado a lado

Nome original: Stepmom

País: Estados Unidos

Ano de produção: 1998

Direção: Chris Columbus

Disponível em DVD

Preciosa – uma história de esperança

Nome original: Precious: based on the novel push by Sapphire

País: Estados Unidos

Ano de produção: 2009

Direção: Lee Daniels

Disponível em DVD

Mother – a busca pela verdade

Nome original: Madeo

País: Coréia do Sul

Ano de produção: 2009

Direção: Bong Joon-ho

Disponível em DVD

Reinaldo Matheus Glioche/SP

Comentários

Mais Lidas