Para cultivar uvas é preciso paciência e perseverança

Autor fala sobre os benefícios de investir em algo e manter a paciência, para que venham melhores frutos

Redação
Publicado em 15/01/2013, às 15h16

Quando decidi morar no interior de São Paulo, depois de mais de 30 anos vivendo na capital, um dos meus objetivos era ter uma casa com quintal onde eu pudesse cultivar algumas plantas. Adquiri um imóvel onde o terreno não era muito grande, mas com um pequeno jardim na frente e outro espaço de terra no fundo. Minha diversão é passar várias horas em finais de semana plantando, principalmente árvores frutíferas para atrair os pássaros.

No jardim da frente já tive um pé de goiaba (que a mulher insistiu para que o arrancasse porque as raízes estavam danificando o piso) e mantenho um pé de pitanga e outro de cereja. Nos fundos, inicialmente fiz uma horta, mas tive dificuldades em mantê-la porque o mato crescia muito rápido e, como eu não tinha tempo de cuidar, acabei me desfazendo. No lugar, fiz outro jardim com gramado e plantas de diversas espécies e plantei algumas mudas de morango, que produziram rapidamente.

A região onde moro é conhecida pela plantação de uvas e produção de vinho. Visitando algumas videiras, surgiu a vontade de cultivar uvas em um pequeno espaço que sobrou no meu quintal. Em julho de 2011, eu ganhei umas mudas. São alguns caules secos que mais parecem gravetos. Na minha mente, era apenas plantar e esperar para colher os frutos. Ledo engano. Nunca imaginei que era tão difícil cultivar uma videira.

Para início de conversa, as mudas que eu ganhei eram apenas a base do que um dia haveria de ser uma videira. Seis meses depois do plantio, as folhas daqueles caules secos brotaram e se espalharam pela armação de arame que preparei. Contei para o colega que me cedeu as mudas e ele disse que essas folhas secariam em breve e, quando isso acontecessem, estava na hora de enxertar o tipo de uva que eu escolhesse. Depois disso, se o enxerto desse certo, eu poderia colher alguns cachos de uva depois de um ano.

Quando as folhas secaram, fui orientado a cortar o caule há apenas dez centímetros da raiz e enxertei o tipo de uva doada por esse meu colega. Esse enxerto aconteceu em agosto de 2012, mais de um ano depois do primeiro plantio. As folhas começaram a nascer novamente (desta vez na parte enxertada) e depois de três meses comecei a perceber o nascimento de uns três cachinhos mirrados. Ou seja, do plantio das mudas até que o primeiro cacho aparecesse, esperei quase um ano e meio.

Eufórico, contei o resultado ao colega e ele me avisou que essa primeira “safra” dificilmente passaria destes três ou quatro cachos. Ele informou que a produção verdadeira só acontecerá no final de 2013, quando vou poder colher alguns quilos para fazer parte da ceia de Natal. Então, pelos meus cálculos, só poderei me considerar um verdadeiro “produtor de uva” mais de dois anos após colocar a primeira muda na terra.

Essa experiência me ensinou pelo menos duas lições. A primeira é nunca reclamar do preço da caixa de uva porque senti na pele a dificuldade que é cultivar essa fruta. A segunda é que tem certas empreitadas em nossa vida que só conseguimos alcançar se tivermos paciência e perseverança. Quando contei para alguns amigos o tempo que tenho consumido para conseguir ter uma videira em casa, a maioria disse que não teria tanta paciência, que o mais fácil era já ter comprado a mudas já enxertadas.

Meu caro amigo candidato. Participar de concurso público é como plantar uvas. O resultado poder demorar alguns anos, mas, com certeza, será gratificante. Por isso, se você já está a algum tempo tentando ser funcionário público, não desista. Continue tentando que a época de dar frutos pode estar muito próxima. Para os que ainda não começaram, aprenda a ter paciência e perseverança porque os resultados podem não vir de imediato.

Prezados leitores, 2013 está às portas. Já que o mundo não acabou, vamos aproveitar para conquistar um lugar ao sol. Vamos investir em concursos públicos. Pode ser demorado, mas os frutos certamente serão colhidos. Esse é o meu desejo para vocês nesse ano que se inicia. Um feliz Ano Novo e que 2013 seja um ano muito produtivo.

Paulo de Freitas é jornalista e funcionário público. Tem mais de 14 anos de experiência na área de concursos públicos. E-mail: paulokassaco@ig.com.br.

Comentários

Mais Lidas