Planejamento é a palavra-chave do sucesso no concurso

Especialista mostra para obter o sucesso na jornada dos concursos públicos é preciso ter tempo, dedicação, disciplina, mas, acima de tudo, planejamento. Confira dicas e história de sucesso

Redação
Publicado em 24/03/2015, às 12h02

O seu grande sonho é passar em um concurso público por causa do bom salário e da estabilidade na carreira. Porém, você trabalha, tem família e filhos e fica na dúvida se é realmente possível conciliar o trabalho e a família com horas de estudos. Passa noites pensando se vale a pena largar o emprego para se dedicar exclusivamente aos livros e apostilas. Antes de mais nada, é preciso ter bem claro em sua mente que estudar para um concurso exige tempo, dedicação, disciplina e, acima de tudo, planejamento.

“Você já foi namorar e ficou com uma enorme culpa, pois deveria estar estudando? Você já ficou estudando com baixa produtividade porque o que queria mesmo era namorar?”, questiona o professor de técnicas de estudo do Curso Central de Concursos, Adalberto Pinto. Segundo ele, nosso cérebro nem sempre é capaz de organizar sozinho nossas atividades. “Embora o consciente tenha uma noção de divisão do tempo, o inconsciente nem sempre a tem. É comum estarmos fazendo algo e surgir em nossa mente cobranças a respeito de outras coisas a serem feitas. É nesse ponto que uma agenda de estudos irá auxiliar”.

A ideia é que o candidato não se deixe levar por devaneios enquanto estiver estudando e, também, possa namorar sem culpas e tensões.

Leia também:
Passei no concurso e não fui nomeado. E agora?
Posso prestar concurso público mesmo com o nome sujo?
Carreira pública ou privada? Saiba como escolher

Para o especialista, sem dúvida, uma das maiores vantagens de quem prepara um cronograma é a liberdade e a paz de espírito que decorre de se fazer aquilo que decidiu. “A partir do momento que você o elabora, se torna absolutamente livre. É você quem escolhe o que vai fazer, quando, como e onde. Vai parar de levar livros para a praia. Você não estuda nem curte a praia com a sua família”, relatou.

Com a agenda o concursando deixa de ficar à mercê de seus impulsos naturais e inconscientes. Sua vida ficará mais organizada e tranquila e seu estudo renderá muito mais. A dica do professor é que quando estiver preparando uma agenda de estudo para o concurso leve em conta que as matérias precisam ser estudadas estabelecendo-se uma periodicidade tal, que não se deixe muito tempo entre o que já foi estudado anteriormente.

Uma história de sucesso


Lia de Alencar Barreira e Salgado é autora do livro “Como Vencer a Maratona dos Concursos Públicos”, mãe de quatro filhos e formada em direito pela Universidade Federal Fluminense. Ela foi fiscal de posturas em Niterói (RJ) aos 19 anos. Em março de 2003 foi nomeada para fiscal de tributos de Niterói (RJ), pediu exoneração para assumir o cargo de fiscal de rendas do município do Rio de Janeiro, em julho do mesmo ano. Mas se você pensa que foi fácil conquistar tudo isso está muito enganado. Prepare-se para conhecer uma história, que também pode ser a sua.

Os motivos que levaram Lia a ingressar no mundo dos concursos públicos foram os mesmos que levam todo concursando a fazer esta escolha: bom salário e estabilidade. “Acrescido, no meu caso, à necessidade de ter horário flexível, já que tinha se divorciado e é mãe de quatro filhos”, disse.

Num primeiro momento, aos 18 anos, a adolescente queria independência financeira. “Na época, foi quase uma brincadeira. Não havia tanta urgência, nem muito compromisso. Como a concorrência não era muito qualificada como é hoje e eu acabara de fazer vestibular, não foi difícil”, explicou.

Posteriormente, trabalhou por 14 anos no Banco do Brasil, de onde saiu em 1996, no Plano de Demissão Voluntária. Então, abriu um ateliê de pintura em tecidos com mais dois sócios, produzindo trabalhos para moda e televisão. “Foi um sucesso de público e de crítica. Porém, foi uma época bastante difícil. Eu era (e ainda sou) chefe de uma família de cinco pessoas e a entrada de dinheiro era incerta e insuficiente. Também não havia tempo para cuidar dos filhos, porque estava sempre trabalhando, inclusive nos feriados”. Cansada da incerteza da iniciativa privada, voltou aos concursos públicos.

Para a preparação, Lia fez um pouco de tudo: curso preparatório, estudos sozinha e em grupo. “Penso que, sem isso, não teria sido capaz de chegar aonde cheguei. No início, eu não sabia mesmo como fazer. Assistia às aulas, copiava a matéria e só. Tinha de trabalhar, cuidar dos filhos e, ainda, morava longe. Estudava muito pouco. Isso durou um ano. Depois, fui aprendendo a organizar melhor o tempo, mas ainda era bastante difícil. Fui reprovada em dois concursos. Aí passei a priorizar o estudo. Mesmo assim, no concurso seguinte, para fiscal de tributos de Niterói (ISS), fiquei fora das vagas. Eram 30 vagas e eu fiquei em 44º lugar. Fiquei tão decepcionada que desisti! Achei que nunca conseguiria concorrer com pessoas que não tinham as mesmas dificuldades que eu. Chorei muito e guardei todo o material de estudo. Dois meses depois, percebi que não havia alternativa e que deveria tentar novamente. Voltei e, no concurso seguinte, ISS-Rio, passei em 5º lugar! Para completar, fui nomeada para Niterói também. Cheguei a assumir, enquanto aguardava a nomeação para o Rio”.

Nomeada em março de 2003 para fiscal de tributos de Niterói (RJ), pediu exoneração para assumir o cargo de Fiscal de Rendas do município do Rio de Janeiro, em julho do mesmo ano.

E como será que ela conseguiu conciliar o estudo com a família/filhos e trabalho? “Essa foi a parte mais difícil. Foi mesmo por tentativa e erro. Só com o tempo é que descobri que precisava fazer um planejamento em que cada tarefa teria seu horário definido. Claro que isso era apenas um roteiro, que sofria variações, mas já ajudava muito”.

Para ser aprovada no concurso para fiscal do ISS algumas mudanças foram necessárias. “Saí da casa onde morava, fui morar com os meninos num apartamento pequeno e fechamos o ateliê. Saía de manhã cedo, deixava as crianças na escola e ia para uma biblioteca. Passava o dia todo lá, de onde saía para as aulas da noite. Passei a estudar com amigos (um ou dois, no máximo), o que também melhorava a motivação e o rendimento. Mas, não recomendo a ninguém pedir demissão para estudar. É que, no meu caso, o trabalho não estava contribuindo muito e a redução de despesas compensou”, revelou.

Depois de aprovada, Lia resolveu contar sua história, como meio de incentivar outros candidatos, na árdua tarefa de preparar-se para concurso público. Nasceu, assim, a obra “Como Vencer a Maratona dos Concursos Públicos”, Editora Ferreira. “Eu achava que passavam em concurso público somente pessoas especiais, ‘meio’ gênios e com a vida bastante organizada. Até por isso demorei a tomar a decisão de tentar. No início, o livro foi um desabafo, escrito durante a minha preparação para o concurso do ISS-Rio. Quando me vi ‘fiscal de rendas da Prefeitura do Rio de Janeiro’, com todas as dificuldades que precisei enfrentar, percebi que aquela ideia era uma bobagem. Se até eu tinha conseguido... Aí fiquei com vontade de contar para as pessoas que existe, sim, uma excelente alternativa! É possível! Então ‘alinhavei’ melhor as ideias para poder publicá-lo”.

Dica para prestar concurso


“Para quem está começando, digo que é uma maratona. Precisa ter continuidade e equilíbrio. E resistência. Iniciar como a preparação de um atleta: aos poucos e intensificando com o passar do tempo. Para quem, como eu, foi reprovado alguma vez e está pensando em desistir, digo: siga adiante! Se a gente desiste, fica com o registro de ter investido e não ter sido capaz. Quando a gente segue, mesmo com muito sacrifício, vai vencer e levar o prêmio. É só pensar: se a gente faz uma faculdade durante quatro ou cinco anos e sai de lá desempregado, é claro que vale a pena investir, mesmo que demore um pouco, num emprego para o resto da vida, com bom salário e estabilidade. Depois, os momentos difíceis ficarão para trás e a conquista iluminará todos os dias da sua vida! Não será momento de vitória, mas toda a vida que está pela frente!”, concluiu Lia Salgado.

Comentários

Mais Lidas