O segredo da aprovação em concursos públicos

Existem pessoas que prestam concursos públicos sem ter realizado qualquer tipo de preparação. Parece que apostam como em um bilhete da Mega-Sena e acreditam que serão aprovadas

Jaime Kwei
Publicado em 26/06/2015, às 14h18

Tenho visto centenas de histórias de pessoas que pensaram em prestar concurso, muitas vezes motivadas por um momento de instabilidade econômica, baixos salários e pouco reconhecimento profissional. E nesse momento é que percebo que começa a seleção natural. 
Existem pessoas que prestam concursos públicos sem ter realizado qualquer tipo de preparação. Parece que apostam como em um bilhete da Mega-Sena e acreditam que serão aprovadas sem nenhum esforço, por pura sorte. Posso afirmar que este é um grande contingente de mais de 70% dos candidatos, sendo que não conheço nenhum caso de candidato que passou sem se preparar. Quem realmente concorre à vaga e tem chances de ser aprovado é uma minoria que se prepara. E aí começa o processo daqueles que são aprovados: começar e continuar. 
O começo é o primeiro passo. A escolha do concurso, assim como uma escolha vocacional, deve ser bem analisada e pensada de acordo com a área que temos mais aptidão. É muito comum aprovados escolherem cargos que não se enquadram no seu perfil e, com isso, ter uma frustação. Você que pensa em prestar um concurso, procure informações sobre o cargo, benefícios e o dia a dia do trabalho na repartição. Onde conseguir estas informações? Um servidor que ocupa o cargo que você almeja pode te passar, ou procure um curso preparatório em sua cidade, pois eles geralmente possuem essa informação. 
O próximo passo é começar a preparação. A opção pode ser estudar por conta própria (sendo essencial ter perfil autodidata, neste caso) ou via curso preparatório (estudo direcionado com material atualizado – apostilas e livros). 
O começo é um passo, mas a continuação é mais importante e difícil. É muito comum o concurseiro começar e ficar cansado, ter dificuldades em assimilar o conteúdo e começar a desistir. Digo aos nossos alunos que nunca vi nenhum aprovado se queixar do tempo investido na sua preparação. O caminho é árduo, trata-se de um projeto de vida que muitas vezes deve ser compartilhado com os pais, esposa, marido e filhos, pois somente quando temos um objetivo comum é que conseguimos a aprovação. 
Já vi muitos casos de pais que continuaram “patrocinando” os filhos depois da faculdade para que eles lograssem êxito nos concursos, marido sustentar a casa sozinho para a esposa estudar e alunos trabalharem dia de semana e estudarem nos finais de semana. Mas, no final, com a aprovação, todo o esforço foi válido, pois todos sabiam que precisavam começar e continuar para alcançar os seus objetivos.
Jaime Kwei, diretor da Central de Concursos.

Comentários

Mais Lidas