75% das contratações se devem ao Networking

Montar, manter atualizada e fazer o bom uso da rede de contatos pessoais podem significar um grande passo na h

Redação
Publicado em 03/10/2007, às 10h27

* Jackson Soares


Montar, manter atualizada e fazer o bom uso da rede de contatos pessoais podem significar um grande passo na hora de disputar uma vaga no mercado de trabalho. Atualmente, setenta e cinco por cento das contratações e recolocações ocorrem por intermédio do chamado networking, cinco por cento através de uma agência de recolocação e vinte por cento através de anúncios nos mais diversos meios de comunicação e currículos enviados para o setor de Recursos Humanos. Porém, uma rede de contatos construída ao longo da vida - para ser eficaz - precisa ser gerenciada de forma profissional e não emocional, fato este que acontece com apenas cinco por cento de quem se preocupa com esta ferramenta.

A maioria dos profissionais que estão fora do mercado ou em busca de um novo desafio profissional em sua carreira costuma imaginar, de forma equivocada que o caminho para atingir o objetivo passa pelo setor de Recursos Humanos. Mas os fatos e a experiência mostram uma realidade diferente. São os diretores e gerentes que têm força de escolha e poder de decisão nesta hora, quando vêem à frente a figura de um colega de seu círculo de relacionamento, com experiência e qualidade para assumir a vaga aberta.

Estes mesmos gerentes e diretores também podem ter peso na hora de ajudar colegas de outras empresas, indicando nomes e, não raro, de pessoas que passaram pelo círculo profissional de seu trabalho, mas que por algum motivo tiveram que ser desligados por esta mesma pessoa. É a chamada catarse de sentimento. Eles acreditam que a melhor maneira de não se sentirem culpados pela demissão é indicarem seu nome para a vaga disponível em outra companhia.

Você, profissional, provavelmente já deve estar imaginando quanto tempo pode ter perdido ao deixar de cultivar e manter atualizada sua rede de relacionamento, imaginando os amigos de infância, dos bancos escolares, da universidade, dos encontros nos quais foi apresentado a uma pessoa nova, através de amigo em comum.

Mas muito cuidado nesta retomada de contatos. Não é raro lembrarmos de um amigo ou contato com quem não falamos há anos. Mas aí entra um grande dilema. Devo ligar e retomar o contato? Como a pessoa vai reagir depois de tantos anos de distanciamento? Será que ele pode imaginar ser um momento de oportunismo, ainda mais dependendo de sua posição no trabalho? Na maioria dos casos, esta simples lembrança, de um telefonema que seja, com certeza vai deixar o contato do outro lado feliz por ter sido lembrado e considerar o ato como altamente positivo. Mas vá com calma, não faça isso apenas pelo interesse, pois a boa intenção pode se virar contra você.

É importante ter em mente estas nuances, pois servem como um parâmetro para medirmos o quanto agimos de forma amadorística e sem profissionalismo na formação de nossa rede de contatos. Mostra-nos que agir de forma profissional é importante e necessário. É a chamada diferença entre agir emocionalmente e agir profissionalmente, como se estivéssemos em nosso ambiente de trabalho. Vale lembrar que formamos nosso networking de três maneiras: através dos relacionamentos pessoais e profissionais; indicações de outras pessoas, também chamada de segunda geração, de amigos em comum; e a que nasce sem que ninguém tenha contribuído para alavancar o contato, onde você mesmo, de alguma maneira, criou o relacionamento em um encontro ou no trabalho.

Criar este relacionamento e mantê-lo é apenas um dos passos importantes para ampliarmos e mantermos nossos contatos. Outro passo rumo a um modelo profissional de gerenciamento é registrar cada um dos contatos, através de uma planilha onde você apontará informações pessoais de cada pessoa, posição na empresa, impressão que teve dela neste primeiro encontro, assim como de seus gostos. Este conjunto de informações será útil na hora de manter o relacionamento. Uma simples ligação na data de seu aniversário será importante para que a pessoa saiba que você se lembrou da data e que pensa nela.

Mas se você acha que gerenciar sua rede de contatos de maneira profissional é uma tarefa simples e que vai iniciar agora, ao acabar de ler este artigo, saiba que pode estar enganado. Trata-se de um processo lento, que exige muita disciplina. Mas não precisa desanimar por isso. Vale lembrar que apenas uma em cada 100 pessoas tem esta visão profissional de networking. Mas ela poderá fazer grande diferença quando você estiver pensando em um novo emprego. Não custa nada lembrar que suas chances aumentarão setenta e cinco por cento se você agir de maneira profissional e não emocional. Portanto, mãos à obra já.

* Jackson Soares é Diretor do grupo Joinder & Job, de Campinas e atua nas áreas de Gerenciamento de Carreiras e Coaching.

Comentários

Mais Lidas