A copa no copo

No mundo corporativo, estamos o tempo inteiro sendo avaliados e, por vezes, não percebemos. Não troque sua carreira por um momento exagerado de descontração

Edison Andrades
Publicado em 13/06/2014, às 10h49

Depois de quatro anos de espera, enfim chegamos a mais uma copa do mundo. E nossa seleção, como sempre, está entre as favoritas. Só temos um problema: os jogos serão em horário de expediente! As empresas irão se organizar de várias formas para permitir que os colaboradores assistam aos jogos. Alguns retornarão ao trabalho após os noventa minutos de jogo. Nunca esqueça que, mesmo num momento de pausa, você continua em ambiente corporativo. Pensando nisso, escolhi alertá-lo sobre quatro pontos diretamente ligados ao seu marketing pessoal:

Comemorar e se emocionar faz parte do cardápio, mas com moderação. Obviamente, a atmosfera criada pela mídia, através das inúmeras câmeras exclusivas presentes nos estádios, o som, a locução e o clima de competição são, propositadamente, articulados para alcançar nossas emoções. Mas nada poderá tirar-nos a sensatez e a ciência de que nossa vida continuará quase a mesma após a partida.

Cuidado com a boca! Alguns torcedores transportam tudo que está em seu coração para sua boca, daí seguimos aquele preceito bíblico que diz: “A boca fala do que o coração está cheio”. Então, é nesse momento que conhecemos, verdadeiramente, nosso colaborador. “Palavrões”, agressões ao juiz e críticas sem nexo poderão “pegar mal” para sua imagem. Não esqueça que, ao pertencer a uma empresa, você também está numa partida cheia de adversários e concorrentes, que disputam a mesma taça.

Escolha com critério seu vestuário. Nenhum problema quanto a usar chapéus, camisetas e afins. Mas não exagere na sensualidade (para as mulheres) e informalidade (para os homens). Algumas colaboradoras preferem que o foco passe, da seleção brasileira, para seus decotes. Já alguns colaboradores, nesse dia, pensam estar à beira da piscina de um clube, expondo suas sandálias e bermudões coloridos.

Evite as bebidas alcoólicas. Algumas inexperientes empresas permitem, de forma ingênua, o uso de bebidas alcoólicas durante a partida. E alguns colaboradores, igualmente “ingênuos”, empolgam-se ao ingeri-las. Mesmo que, após a partida, todos sejam dispensados do trabalho, não exagere na dosagem. Se for possível, evite beber. Saiba que muitos profissionais de recursos humanos aguçam suas avaliações sobre os funcionários em momentos como esses.

No mundo corporativo, estamos o tempo inteiro sendo avaliados e, por vezes, não percebemos. Não troque sua carreira por um momento exagerado de descontração. Não troque sua imagem por um desejo desenfreado de soltar suas emoções perante um aparelho de TV. Não troque sua copa por um copo! Sua moderação poderá valer muito para sua vida profissional.

Ah! E nunca se esqueça de incluir Deus em todos os seus planos.

Prof. Edison Andrades é escritor, palestrante e sócio da Reciclare Treinamento. www.facebook.com/professor.edison.andrades

Comentários

Mais Lidas