Geração MSN versus Geração X

As coisas mudaram e nossos “guerreiros” precisaram se mexer, arregaçar as mangas e buscar evolução contínua no que tange a conhecimento e informação

Edison Andrades
Publicado em 15/04/2014, às 10h46

De um lado, o homem maduro que se depara com um mercado extremamente competitivo, sente-se deslocado e, praticamente, um “peixe fora d’água”, esse é o retrato da Geração X. De outro, um garoto com todas as oportunidades, enxergando um mercado extremamente adaptado a sua geração, mas que, contudo, acredita ter toda a vida pela frente e prefere usar seu precioso tempo em jogos fúteis, salas de bate-papo improdutivas e videogames no interior de uma lan house, temos aqui um típico representante da Geração MSN (chamada também “Geração Y”). Numa terceira ponta, temos um mercado carente de mão de obra qualificada. A era do apagão da qualificação humana! Que “pepino”, hein? Nem tanto, ainda há salvação!

Observo um novo momento em nosso mercado, resultado do esforço da geração anterior em lutar por seu espaço. Tenho alunos pertencentes ao grupo dos que viveram numa época em que bastava trabalhar direito e ser assíduo para ganhar sua estabilidade, a qual, consequentemente, era acompanhada por um gordo upgrade salarial. Tanto que nossa Geração X esteve iludida por décadas, imaginando que não precisaria de reciclagem, principalmente acadêmica, já que sua estabilidade parecia bem alicerçada.

Pois é, amigos! As coisas mudaram e nossos “guerreiros” precisaram se mexer, arregaçar as mangas e buscar evolução contínua no que tange a conhecimento e informação. Vejo, nesse nicho, um comportamento de busca por oportunidade, um abraçar com “unhas e dentes” essa nova fase, aliás, geralmente esses que integram a Geração X são os meus melhores alunos. Gente que quer!

Em contrapartida, observo um contexto um pouco triste, de garotos e garotas meio perdidos perante suas escolhas, encontrando um mercado exigente demais que vem como uma castração para seus caprichos.

Vejo uma nova era industrial, sim! Uma era que se assemelha ao tempo em que o homem apertava um parafuso sobre uma esteira, mas não fazia ideia do que estava fabricando. Naquele momento, uma minoria buscava se aprimorar, sabiam que poucos sobreviveriam. Hoje, temos um panorama semelhante, pois nosso jovem “emburrece” no que se refere a nossa língua portuguesa, quando busca se comunicar com outros semelhantes por meios on-line. Deparamo-nos com lan houses lotadas por jovens, alimentando-se de passatempos vazios e extremamente viciadores, ou seja, são os mesmos apertadores de parafusos, só que hoje os parafusos são digitais.

Agora chegou a hora! A Geração X disputa mercado com a Geração MSN. De um lado, uma garotada com muito vigor, inteligência e uma habilidade sobrenatural com os equipamentos tecnológicos, mas ainda com um baixo senso de responsabilidade e comprometimento, além da pouca experiência. De outro, nossos maduros e experientes profissionais, que dão um “banho” quando se trata de compromisso, até porque conhecem o ônus que geraram em outros tempos. Estão se munindo de conhecimento e formação acadêmica, sabendo que ainda há lugar para eles junto ao sucesso profissional. Reciclagem em alta, aprimoramento para novas tendências, enfim, novos mercados despontam e nossos "jovens senhores” estão “ligados”, porém ainda engatinhando no mundo tecnológico e digital.

Não sei exatamente onde você se encontra, mas afirmo que, onde estiver, procure reciclar-se em todas as áreas relevantes ao seu segmento e até fora dele, só assim será possível evitar que seu concorrente tome tranquilamente seu lugar.

Antes de Deus abrir o mar para a travessia do povo de Israel, eles precisaram marchar.

Abrir o mar, ou seja, mostrar-lhe as oportunidades, é com Deus, mas marchar, isto é, ir à luta, é com você!

Ah! E nunca se esqueça de incluir Deus em todos os seus planos.

Prof. Edison Andrades é escritor, palestrante e sócio da Reciclare Treinamento. www.facebook.com/professor.edison.andrades

Comentários

Mais Lidas