O que ninguém te falou

Artigo do professor Edison Andrades.

Edison Andrades
Publicado em 27/12/2013, às 10h48

Em nossa infância, brincamos de ser. A vida é uma brincadeira, daí brincamos que somos super-heróis, voamos, vencemos os inimigos e, ao anoitecer, recebemos de presente um dia cheio de vitórias seguido de uma noite reparadora de sono.

Em nossa adolescência, sonhamos em ser. Aquilo que era apenas uma brincadeira começa a tomar forma mais acentuada. Somos cobrados por entes sobre o futuro. Vislumbramos uma profissão, uma carreira. Ao nosso redor: parentes que não deram certo. Mas esses se encontram longe de nossas referências. Tudo parece possível. Que bom! Temos ainda muito tempo pela frente.

Hoje você está aqui. A hora é agora. Você será fruto de suas decisões. Ninguém fará por você o que lhe compete. Alguns recorrem a Deus, mas Ele mesmo diz: “Levanta e anda”. E agora?

O fato é que muitos seres humanos crescem com algumas regalias fornecidas por seus progenitores. Desconhecem “os nãos” da vida. Acreditam que o mundo gira em torno de seus umbigos. E pior: creem que o mercado de trabalho também se encontra debaixo de seus pés. Não é bem assim!

Nascemos, geralmente, providos de proteção por parte de nossos pais (biológicos ou não). Somos dependentes e carentes de apoio em tudo que fazemos. E, como um combustível para nosso desenvolvimento, necessitamos da presença e validação daqueles que serão, para nós, a referência em nossa caminhada. Quem nunca ouviu: “Olha pai, o que eu consigo fazer!”, “Mãe! Viu o que eu fiz?”. As referências mudaram, mas a dependência não. Desejamos que o “colinho” perdure, ainda que seja no mercado de trabalho.

Mas, na vida profissional, as coisas são diferentes. As consequências são mais rápidas, tanto boas como ruins. E ocasionam perdas, por vezes, irrecuperáveis. Portanto cuide melhor de seu momento profissional. Não desperdice oportunidades por imaginar que, na segunda vez, fará melhor. Provavelmente, não haverá uma segunda vez.

Saiba que, em seu lar, você poderá cometer falhas que, embora graves, poderão ser corrigidas. No mercado, você é, simplesmente, demitido. Com amigos, você atrasa em compromissos importantes ou não cumpre uma palavra; no mercado você é descontado e acumula péssimas imagens que lhe acompanharão por muito tempo. Na escola, quando não estuda e compromete seus resultados, no máximo repetirá o ano. No mercado, se trouxer prejuízo ao seu cliente, deverá indenizá-lo.

Na faculdade, você sai e entra durante a aula quando deseja; do mercado, sairá uma só vez. Dependendo de como sair, não retornará nem mesmo para os quadros da empresa concorrente. Em sua vida pessoal, você toma decisões individuais. Em sua vida profissional, as decisões são coletivas e nem sempre partirão de você. Em suas relações afetivas, você trai e é perdoado (nem sempre); no mercado, você trai e é processado (quase sempre).

Agora que alguém te falou tudo isso, faça o seguinte: conte para alguém.

Prof. Edison Andrades é sócio da Reciclare Treinamento. Facebook.com/professor.edison.andrades

Comentários

Mais Lidas