X

Concurso

  • indique
  • imprimir
    Regulariza concurso para docentes

    Educação: indicada relatora do projeto de lei

    Projeto tem por objetivo padronizar a forma como são realizados concursos para docentes em instituições públicas, a fim de evitar apadrinhamentos e favoritismo

    AC, AL, AP, AM, BA, CE, DF, ES, GO, MA, MT, MS, MG, PA, PB, PR, PE, PI, RJ, RN, RS, RO, RR, SC, SP, SE, TO

    Governo

    Alertas Concursos Governo

    Foi indicada, no último dia 29 de novembro, a relatora, na Comissão de Educação e Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados, do projeto de lei 1563/15, que tem por objetivo padronizar a forma como são realizados os concursos públicos para a carreira de professor universitário em instituições públicas. A escolhida é a deputada Josi Nunes (PMDB/TO). Com o encerramento do prazo para apresentação de emendas, na última terça, 13 de dezembro, a parlamentar já pode dar um parecer sobre a proposta que, caso aprovada pela comissão, poderá seguir para ser votada no plenário da casa.

    De acordo com a justificativa do projeto, o objetivo é garantir que a realização de concursos para docentes seja feita de forma impessoal e neutra, o que muitas vezes acaba não acontecendo, da forma como atualmente os certames são conduzidos.

    Com isto, de acordo com o deputado Veneziano Vital do Rêgo (PMDB/PB ), autor do PL, a proposta tem como finalidade garantir que as provas passem a ser elaboradas e avaliadas por banca examinadora que desconheça a identidade dos participantes na parte teórica. “Além disso, tais concursos deveriam contar, obrigatoriamente, com prova prática, de caráter exclusivamente eliminatório, na qual se verificaria a capacidade didática do candidato. A prova consistiria em uma aula, ministrada perante a banca examinadora, a qual seria integrada por um representante do Ministério da Educação e por professores que atuem, em outras universidades, na mesma área de conhecimento. Com isso, buscamos evitar o apadrinhamento e a corrupção dos concursos, dentre outras medidas que possam operar para além da questão meritocrática”, diz a justificativa do PL.

    Para isto, quatro pontos devem ser incluídos na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB – 9.394/96), de acordo com o texto original.

    O primeiro determina que as inscrições serão feitas, exclusivamente, perante o órgão competente da administração central da instituição.

    O segundo ponto determina que todas as provas serão elaboradas e avaliadas pela banca examinadora, composta por um representante do Ministério da Educação e professores da mesma área de conhecimento, porém, de instituições públicas diferentes daquela que esteja promovendo o concurso.

    O terceiro diz que, nas provas teóricas, a banca examinadora somente terá acesso ao número de identificação de cada candidato, de modo a manter sua identidade sob sigilo.

    Por fim, a última determina que os concursos contarão, obrigatoriamente, com prova prática, de caráter exclusivamente eliminatório, que consistirá na apresentação de uma aula, perante a banca examinadora, para fins de comprovação de aptidão didática.

    Nas provas teóricas, a banca somente terá acesso ao número de identificação do candidatos, para manter sua identidade em sigilo.

    Substitutivo

    O texto conta com substitutivo do deputado Daniel Vilela (PMDB/GO), já aprovado,  que retira a obrigação de haver um representante do Ministério da Educação em cada banca, uma vez que a Secretaria de Ensino Superior do Ministério da Educação (Sesu) afirmou que a medida é praticamente impossível, pois não haveria servidores suficientes para compor todas as bancas.

    Além disso, incluiu no projeto alguns dispositivos já regulados por decreto. Entre eles estão a possibilidade de o concurso ter prova de títulos e a realização de avaliação psicológica. A proposta também determina quais informações devem constar no edital de abertura de inscrições.

    De acordo com o deputado, a insuficiência de balizas legais permite que as universidades adotem critérios de seleção comportando elevado grau de discricionariedade, com peso excessivo à prova prática ou correção tendenciosa de testes escritos.  

     

      Ficha técnica do Concurso Governo

      Concurso: Governo
      N de vagas: 0
      Cargo: Professor
      Escolaridade: Superior
      Estados com Vagas: AC AL AP AM BA CE DF ES GO MA MT MS MG PA PB PR PE PI RJ RN RS RO RR SC SP SE TO
      Área de Atuação: Educação
      Faixa de Salário: De R$ - até R$ -
      Taxa de Inscrição:
      Organizadora: O próprio órgão
      Cidade:

      Vídeo do Concurso Governo

      Especialista comenta fraudes em concursos


      Concursos Relacionados

      Veja todas as notícias