MenuJC Concursos
Busca
Notícias | | Aulas Grátis | Provas anteriores | Simulados | Empregos | Brasil

Conteúdos no Facebook, Instagram e WhatsApp serão monitorados durante eleições

A medida faz parte de ações que visam combater as fake news no Facebook, Instagram e Whatsapp. O modelo foi testado durante as eleições de 2018 e 2020

Pedro Miranda* | redacao@jcconcursos.com.br
Publicado em 12/05/2022, às 18h07 - Atualizado às 18h09

A medida faz parte de ações que visam combater as fake news no Facebook, Instagram e Whatsapp
A medida faz parte de ações que visam combater as fake news no Facebook, Instagram e Whatsapp - Agência Brasil
WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmail

A Meta, empresa que controla o Facebook, Instagram e Whatsapp anunciou novidades nesta quinta-feira (12) para o período eleitoral no Brasil. De acordo com a organização, um centro deverá ser criado para monitorar o conteúdo publicado pelos usuários sobre as Eleições de 2022.

A medida faz parte de uma série de ações que visam combater as fake news nas redes sociais. As ferramentas foram desenvolvidas em parceria firmada com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em fevereiro.

"A integridade das eleições é uma prioridade do Meta. Queremos garantir uma resposta rápida da empresa a qualquer momento emergencial que possa vir a acontecer", afirmou a gerente de Programas de Resposta Estratégica da Meta América Latina, Debs Delbart.

De acordo com a Meta, o "centro de monitoramento" será administrado por funcionários da empresa localizados no Brasil e nos Estados Unidos. O modelo foi testado no Brasil durante as eleições de 2018 e 2020. O centro agirá diante de denúncias de possíveis violações às regras das plataformas.

+++Combate à desinformação: TSE e Spotify fecham acordo para as eleições de 2022

Centro deve focar em ‘comportamentos inautênticos’ no Facebook, Instagram e Whatsapp

Meta relata que o foco do centro de monitoramento será reprimir a “coordenação inautêntica” de páginas e perfis que escondem as verdadeiras identidades dos criadores e tentam deliberadamente manipular o debate público.

A gerente de políticas públicas do Meta Brasil, Monica Guise, disse que outro exemplo da atuação do grupo seria a remoção “rápida” de conteúdos que resultaram em “supressão de votos”.

Segundo Mônica, por exemplo, será monitorada a ação de usuários que publicam panfletos de candidatos com números diferentes dos reais ou até mesmo com a data da eleição alterada. Meta relata que 140.000 dessas postagens foram removidas apenas no primeiro turno das Eleições de 2020.

Algumas ações adotadas no Instagram e Facebook devem ser aprimoradas até outubro deste ano:

  • canal de denúncias de publicações, que poderão ser excluídas após análise da Meta;
  • treinamentos para autoridades eleitorais -- regional e nacionalmente – e outros parceiros;
  • rótulo em publicações que falam sobre as eleições, direcionando as pessoas ao site oficial da Justiça Eleitoral;
  • lembretes sobre datas importantes do calendário eleitoral

Estagiário sob supervisão do jornalista Jean Albuquerque

+++ Acompanhe as principais informações sobre Sociedade e Brasil no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google News e acompanhe nossos destaquesSociedadeBrasil

Comentários

Voltar ao topo

+Mais Lidas

JC Concursos, o seu Jornal dos Concursos de sempre. Imparcial, independente, completo.