MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

Estados vão receber R$ 600 milhões da Saúde para reduzir filas por cirurgias, exames e consultas

A previsão é que todo o recurso esteja disponível para estados e municípios em junho. Medida do Ministério da Saúde compõe a primeira parte do Plano Nacional de Redução das Filas

Medida da Saúde compõe a primeira parte do Plano Nacional de Redução das Filas
Medida da Saúde compõe a primeira parte do Plano Nacional de Redução das Filas - Agência Brasil
Pedro Miranda

Pedro Miranda

redacao@jcconcursos.com.br

Publicado em 26/01/2023, às 19h21

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

Estados e municípios receberão um repasse de R$ 600 milhões do Ministério da Saúde. A medida foi anunciada pela pasta nesta quinta-feira (26). O objetivo do recurso é reduzir as filas por cirurgias eletivas, exames e consultas.

A previsão é de R$ 200 milhões para cirurgias programadas, enquanto estados e municípios elaboram planos para reduzir o tempo de espera por cirurgias. A Saúde deverá remeter os R$ 400 milhões restantes quando o plano estiver concluído. A previsão é que todo o recurso esteja disponível em junho.

A transferência foi aprovada após reunião tripartite de gestores do SUS nesta quinta-feira entre a Secretaria de Saúde e os ministros da saúde estaduais e municipais.

+++ Lojas Americanas tem dívida milionária com marcas de chocolate; veja lista

Medida da Saúde compõe a primeira parte do Plano Nacional de Redução das Filas

A medida faz parte do Plano Nacional de Redução das Filas, que foi listado como uma das prioridades do governo Lula nos primeiros 100 dias de mandato. O objetivo é que o Ministério da Saúde anuncie repasses para a redução de exames de diagnóstico no próximo semestre.

O secretário de Atenção Especializada do Ministério da Saúde, Helvécio Miranda, estimou que a fila de espera para cirurgias eletivas pode chegar a 2 milhões de pessoas.

“Diria que é possível que a fila ultrapasse mais de um ou dois milhões de pessoas. Não são cirurgias de urgência, mas não podem ser programadas para daqui a dois, três, cinco anos”, afirmou Miranda.

+++ Acompanhe as principais informações sobre Sociedade e Brasil no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google NewsSociedadeBrasil

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.