MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

Sofre de TDAH? Novo remédio promete não causar dependência nos usuários

Conheça a atomoxetina, o primeiro medicamento não estimulante aprovado para o tratamento do TDAH no Brasil. Saiba como ele atua no cérebro e as vantagens em relação aos medicamentos convencionais

Sofre de TDAH? Novo remédio promete não causar dependência nos usuários
Freepik
Victor Meira

Victor Meira

victor@jcconcursos.com.br

Publicado em 11/09/2023, às 13h14

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade, mais conhecido como TDAH, é uma condição que afeta pessoas de diferentes idades, trazendo desafios relacionados à desatenção, hiperatividade e impulsividade. Até então, os medicamentos utilizados para tratar o TDAH tinham o potencial de gerar dependência, o que levava a preocupações adicionais.

No entanto, uma nova esperança surge com a chegada da atomoxetina ao mercado brasileiro. Apesar de existir há duas décadas, somente em julho deste ano a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou esse fármaco para o tratamento do TDAH. O grande diferencial da atomoxetina está em sua ação específica no córtex pré-frontal do cérebro, uma área essencial para regular emoções, pensamentos e movimentos, frequentemente descompensada em indivíduos com TDAH.

Atomoxetina: o novo medicamento contra o TDAH

A atomoxetina é um medicamento não estimulante, indicado para o tratamento do TDAH em crianças a partir dos 6 anos, adolescentes e adultos. Ele faz parte de um programa de tratamento integrado, que pode incluir abordagens psicológicas, educacionais e sociais. Sua ação se concentra na inibição seletiva da recaptação de norepinefrina, o que auxilia na melhoria da concentração, atenção e controle de impulsos em pacientes com TDAH.

Uma das grandes vantagens da atomoxetina é o fato de não ser considerada um medicamento controlado, o que reduz os riscos de abuso. Isso representa um avanço significativo em relação aos medicamentos convencionais utilizados no tratamento do TDAH.

Comparando com outras opções: Venvanse e Ritalina

  • Venvanse (lisdexanfetamina): Assim como a atomoxetina, o Venvanse é empregado no tratamento do TDAH. No entanto, ele pertence à classe de medicamentos estimulantes, agindo ao converter-se em dextroanfetamina no organismo. Embora eficaz, o Venvanse pode ter maior potencial de abuso e dependência.

  • Ritalina (metilfenidato): Outra alternativa comum para o tratamento do TDAH é a Ritalina, também um estimulante. O metilfenidato age aumentando os níveis de dopamina no cérebro, melhorando a atenção e o controle de impulsos. No entanto, assim como outros estimulantes, a Ritalina apresenta potencial de abuso e pode gerar efeitos colaterais.

+++Acompanhe as principais informações sobre Sociedade e Brasil no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google NewsSociedadeBrasil

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.