Funrio vai organizar concurso para analista do INSS

A contratação da instituição foi anunciada no Diário Oficial da União desta segunda-feira (15). Uma alteração no número de vagas atrasou a publicação do edital, que deve acontecer até novembro

Leandro Cesaroni e Reinaldo Matheus Glioche
Publicado em 15/07/2013, às 11h12

Foi divulgada, nesta segunda-feira (15), qual será a organizadora do próximo concurso do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), cujo objetivo será o preenchimento de 300 vagas de analista do seguro social. A organização da seleção ficará por conta da Funrio (Fundação de Apoio à Pesquisa, Ensino e Assistência à Escola de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro).

Na última semana, o INSS anunciou a redução do número de vagas que seriam ocupadas por meio do concurso – elas caíram de 500 para 300. Por conta disto, o órgão informou ao JC&E que todo o processo para a abertura do concurso terá de ser reiniciado, pois os preços e custos da realização do mesmo mudam com a variação no número de vagas. O novo prazo para publicação do edital termina em novembro.

O MPOG justifica a mudança no número de vagas com o fato de ter autorizado a partir de junho o provimento de 250 candidatos aprovados e não convocados no concurso realizado em 2008. Apesar da validade da seleção estar oficialmente expirada (era de um ano prorrogável por igual período), essa autorização influiu no corte no número de vagas do próximo concurso. O MPOG coloca que, na prática, serão providos ao todo 550 cargos de analista no fim do processo de seleção. A assessoria de comunicação do INSS desconhecia a motivação do MPOG, mas reafirmou que independentemente dela todo o processo para a escolha da organizadora e definição das áreas abrangidas pelo concurso será reiniciado.

Protestos

A mudança, obviamente, não agradou quem se prepara para o concurso. Em fóruns online visitados pela reportagem do JC&E, o descontentamento era geral. A principal queixa dos candidatos é sobre as desinformações prestadas pelo ministro da previdência Garibaldi Alves Filho que fazia crer que o edital estava à espreita. Se há muitos desanimados com a redução do número de vagas, há outros que externam satisfação com o acréscimo de tempo para uma melhor preparação. Mas esses são minoria.

Perspectivas

Se havia ansiedade e indefinições a respeito de quais graduações seriam exigidas pelo próximo edital, tudo indica que esse quadro deve se agravar. É provável que algumas especialidades fiquem de fora da próxima seleção por terem sido contempladas nesse montante de nomeações autorizadas pelo MPOG. Como o INSS não revelou quais as graduações que comporiam o concurso, em termos práticos e públicos, o prejuízo ao candidato será mínimo nesse sentido. Contudo, como especialistas consultados pelo JC&E já haviam apontado em outras oportunidades, a prevalência na área de direito pode se intensificar nesse novo cenário.

O ministro da previdência, embora cobrado por seus seguidores no Twitter (rede social em que mais se manifestou sobre o concurso), não se pronunciou a respeito dos novos rumos tomados pela seleção.

Mais detalhes
A carreira de analista do seguro social conta com remuneração de R$ 5.911. Já consideradas as gratificações por atividade executiva e por desempenho, além do auxílio-alimentação. Os vencimentos, no entanto, podem chegar a R$ 8.000 brutos, considerando benefícios não listados no edital, que foram informados à reportagem do JC&E por um analista do seguro social em atividade.

Comentários

Mais Lidas