Planejamento autorizará 725 vagas para analista

Previsão é de que autorização saia nesta semana. Cargos serão providos em órgãos da Administração Federal e remuneração inicial é de R$ 3.966,53

Redação
Publicado em 09/04/2012, às 12h04

O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) assinará portaria liberando concurso para 725 vagas de analista social de políticas sociais. A garantia é da própria pasta que emitiu nota oficial na última semana. 
Não foram confirmados os órgãos que serão contemplados, mas a nota esclarece que a autorização atenderá as necessidades de órgãos da Administração Pública Federal que desenvolvam programas e projetos de cunho social. 
Ainda de acordo com o MPOG, os servidores que vierem a ser aprovados serão os primeiros a integrar a carreira de desenvolvimento de políticas sociais, criada em novembro de 2009 e regulamentada em maio de 2010. Assim como ocorreu com a carreira de infraestrutura, ela foi concebida com a característica de ser “transversal”. Isso quer dizer que os servidores podem atuar em diversos ministérios. A carreira de infraestrutura, por exemplo, já conta com 649 analistas trabalhando em projetos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). 
Mais detalhes O posto de analista técnico de políticas sociais exige nível superior completo em áreas que serão especificadas em edital. O prazo para a publicação deste será de 180 dias após a publicação da portaria no Diário Oficial da União. O MPOG, porém, prevê que a abertura das vagas se dê em menor tempo. 
A remuneração inicial é de R$ 3.966,53, mas pode chegar a R$ 5.466,53 ainda no primeiro ano de serviço em virtude de bonificações e gratificações por desempenho. Pela tabela atual do MPOG, a remuneração no topo da carreira é de R$ 10.210,87.
A lotação dos servidores será definida pela pasta. Antes da nomeação, porém, haverá curso de formação. 
O candidato será selecionado para exercer as atividades previstas na lei. Entre essas atividades estão prestar assistência técnica nas áreas de saúde, previdência, emprego e renda, segurança pública, desenvolvimento urbano, segurança alimentar, assistência social, educação, cultura, cidadania, direitos humanos e proteção à infância, à juventude, ao portador de necessidades especiais, ao idoso e ao indígena.

Reinaldo Matheus Glioche/SP

Comentários

Mais Lidas