Câmara aprova criação de cargos e varas trabalhistas

Além da criação de mais de 40 novas varas trabalhistas, deputados aprovaram aumento do quantitativo de servidores em alguns tribunais regionais como, por exemplo, no Rio de Janeiro

Redação
Publicado em 23/03/2012, às 14h29

A Câmara dos Deputados aprovou nas últimas duas semanas uma série de projetos de lei que criam novas varas trabalhistas e, também, novos cargos de juiz, analista e técnico para varas já existentes. Todos as propostas foram feitas e encaminhadas pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) e agora seguem para análise do Senado. 
Criação de varas O projeto de lei 1828/11 cria cinco varas do trabalho nos municípios cearenses de Aracati, Caucaia, Eusébio, Juazeiro do Norte e Sobral. A proposta também cria cinco  cargos de juiz do trabalho, 40 de analista judiciário e 20 de técnico judiciário. 
O Estado de Santa Catarina é contemplado pelo projeto de lei 1832/11 que cria outras quatro varas, além de quatro cargos de juiz, 32 de analista  e 16 de técnico. 
O TRT do Pará também foi contemplado, por meio do projeto de lei 1853/11, com a criação de outras 11 varas. A proposta prevê a criação de 11 cargos de juiz e 132 para analista e técnico. 
Outros Estados Já o projeto de lei 1830/11 aumenta de 36 para 49 juízes a composição do TRT da 3ª Região, com sede em Belo Horizonte (MG). O projeto cria, ainda, outras 21 varas trabalhistas com o acréscimo de 21 cargos de juiz e 544 postos para analista e técnico.
No Rio de Janeiro, o TRT da 1ª Região já elabora um edital para 2012. Haverá vagas para juiz, analista e técnico. O Tribunal, no entanto, também é favorecido pelo projeto de lei 1831/11 que cria outras 12 varas. O texto propõe, ainda, para o preenchimento dessas varas a criação de 12 cargos de juiz do trabalho, 5 de juiz substituto, 140 analistas e 69 técnicos.
O último projeto de lei aprovado em plenário (1834/11) cria 11 varas  para o TRT do Paraná. Além de outros 253 cargos para juiz, analistas e demais serventuários. 

Reinaldo Matheus Glioche/SP

*Com informações da Agência Câmara de Notícias 

Comentários

Mais Lidas