Atingir o objetivo é recompensa dos que não desistem

"Se você acha que já gastou todas as suas energias na preparação para determinado concurso, então é o momento de você se esforçar um pouco mais"

Redação
Publicado em 26/09/2013, às 14h09

Paulo de Freitas

A nadadora Diana Nyad conseguiu um feito grandioso no início de setembro. Ela nadou mais de 160 quilômetros entre Cuba e Estados Unidos. A travessia foi em mar aberto, sem a utilização de jaula de proteção contra ataques de tubarões e águas-vivas. Alguns podem pensar que a façanha não foi grande coisa porque nadadores preparados podem realizar a mesma travessia. Ocorre que Diana tem 64 anos de idade e essa foi a sua quinta tentativa. A primeira aconteceu em 1978, quando ela tinha 29 anos.

Diana chegou à praia completamente exausta, depois de nadar mais de 50 horas. Ela passou mal com vômitos e tontura por causa do grande esforço físico e pela água salgada ingerida. Também sofreu com as queimaduras das águas-vivas, apesar de ter usado uma substância protetora contra os ataques. Mesmo com muita dificuldade para falar, ela fez questão de deixar um recado após o seu feito. A todos os presentes e aos que a assistiam pela televisão, Diana declarou o seguinte: nunca desista de seus objetivos, não importa quanto tempo demore a alcançá-los e nem a idade que você tem.

Ouvindo as palavras de Diana, pensei nos candidatos a concursos públicos. De vez em quando recebo alguns e-mails de leitores dizendo que estão desestimulados em continuar na batalha para conseguir um cargo público via concurso, pois já tentaram diversas vezes e não obtiveram sucesso, embora tenham chegado perto da aprovação em algumas ocasiões. Outros reclamam que demoraram muito para tomar a decisão de participar de concursos e não têm mais idade para entrar na briga contra a concorrência acirrada.

Meu caro leitor, o exemplo dessa senhora é uma verdadeira lição de vida. Ela demorou 35 anos para realizar a façanha que se dispôs a fazer. Foram quatro tentativas frustradas por diversos motivos. Ela poderia desistir colocando a culpa na idade, nos perigos proporcionados pelos tubarões e águas-vivas ou até no mar agitado, mas preferiu se concentrar no desafio que ela colocou para si mesma e não mediu esforços para atingi-lo.

Outra declaração interessante que ouvi na mesma semana foi a do ex-jogador de basquete Oscar Schmidt. Ele está lutando contra um câncer no cérebro, mas não está deixando que a doença o abale. O discurso de Oscar é muito parecido com a da nadadora: não desistir nunca. Ele disse que estava seguindo religiosamente todas as recomendações médicas, como se fosse um treino para um jogo decisivo.

Segundo Oscar, quem quer ser vitorioso em qualquer esporte deve treinar muito. Quando o corpo não suportar mais a carga de treinamento, então o esportista deve treinar um pouco mais. “É esse pouco que vai fazer a diferença no momento da competição”, afirmou o ex-jogador.

Da mesma forma, querido candidato, se você acha que já gastou todas as suas energias na preparação para determinado concurso e não tem mais ânimo para continuar nos estudos, então é o momento de você se esforçar um pouco mais. É esse um pouco mais que pode colocá-lo na lista final dos aprovados. Depende apenas de você!


Paulo de Freitas é jornalista e funcionário público. Tem mais de 15 anos de experiência na área de concursos públicos. E-mail: paulokassaco@ig.com.br.

Comentários

Mais Lidas