As fases de um concurso

Um concurso pode ter várias fases dependendo do que o selecionador julgar necessário avaliar no candidato. A seguir, as principais modalidades de provas.

Redação
Publicado em 26/09/2011, às 15h28

De Lucca
Um concurso pode ter várias fases dependendo do que o selecionador julgar necessário avaliar no candidato. Normalmente, cada fase é caracterizada por um tipo de prova. Alguns têm somente provas objetivas. Outros também têm provas discursivas, exames físicos e até provas orais. A seguir, as principais modalidades de provas.
Provas Objetivas: são as mais comuns e, na maioria dos casos, a única fase do concurso. Costumam ser de duas maneiras: múltipla escolha ou certo ou errado.
Múltipla escolha: cada questão tem quatro ou cinco alternativas e somente uma correta. O aluno é praticamente obrigado a chutar, pois o edital obriga a não deixar questão sem resposta, porém, não se desconta ponto de questões que o candidato errar.
Certo ou errado: a prova é composta por vários itens que podem estar certos ou errados, independente um do outro. Assim, se um enunciado corresponder a cinco itens é possível ter um item certo e quatro errados, dois itens certos e três errados, todos certos, todos errados e assim por diante. O candidato também pode deixar itens sem respostas e, neste caso, não ganha nem perde pontos, ou seja, o candidato não é obrigado a chutar. Outra diferença é que neste tipo de prova o candidato costuma perder pontos por itens que erra, pois cada item errado é descontado de um item certo. Por exemplo: se o candidato acertar 50 itens e errar 20 ele terá feito 50 – 20 = 30 pontos. Portanto, tem que tomar muito cuidado ao chutar um item. 
Prova discursiva/escrita: geralmente, vem em forma de redação com tema dado na própria prova, ligado a fatos recentes ou com a área de atividade relacionada à carreira que o candidato está prestando. O tipo de texto que deverá ser utilizado pelo candidato, bem como os critérios de correção, vêm descritos no edital ou na própria prova. A prova deve ser manuscrita, em letra legível e geralmente preenchida com caneta esferográfica de tinta preta.  Geralmente, são corrigidas somente as redações dos candidatos com melhor classificação.
Avaliação psicológica: tem caráter eliminatório e não classificatório. Consiste na aplicação e avaliação de técnicas psicológicas, visando analisar a adequação do candidato ao perfil do cargo, identificando a capacidade de concentração,  atenção,  raciocínio, controle emocional, capacidade de memória  e características de  personalidade prejudiciais e restritivas ao cargo.  É realizada com entrevistas ou aplicação de testes de múltipla escolha. O candidato considerado não-recomendado na avaliação psicológica é eliminado do concurso. 
Capacidade física: também é de caráter eliminatório e visa avaliar a capacidade do candidato para suportar as exigências físicas para desempenhar as tarefas típicas da categoria funcional, como por exemplo, nas carreiras da área policial.
Exames médicos: também têm caráter eliminatório. O candidato será examinado e não poderá ter doenças graves, contagiosas ou incuráveis. Dependendo da carreira, poderão ser exigidos exames médicos específicos.
Provas práticas: alguns concursos prevêem a aplicação de provas práticas como de direção ao volante ou digitação. A aplicação destas provas, bem como suas exigências e pontuação, estão estabelecidas no edital.
Curso de formação profissional: trata-se de um treinamento ministrado por professores e instrutores das empresas organizadoras ou do órgão a que o candidato está prestando concurso. Neste período, o candidato recebe um auxílio financeiro equivalente a metade da remuneração a que terá direito depois de nomeado. Normalmente, é convocado um número de candidatos igual ao número de vagas. Nestes cursos são ministradas provas nas quais o candidato deverá tirar uma nota mínima ou será eliminado do concurso. Na prática, o candidato que se dedicar no curso de formação dificilmente será reprovado. 
Provas orais: uma banca de dois a quatro professores perguntam sobre as matérias e conteúdos programáticos previamente definidos (geralmente os mesmos das provas objetivas). Os examinadores podem tanto realizar perguntas como pedir ao candidato para falar sobre um determinado assunto. São comuns em concursos jurídicos de diversos Estados e em concursos da Polícia Civil.
Bons estudos e sucesso na carreira pública.
Carlos Alberto De Lucca é professor e desde 1979 prepara candidatos para concursos públicos.  cdelucca@uol.com.br .

Comentários

Mais Lidas