O perfil do bom concurseiro

Veja os aspectos essenciais para ter o perfil de um bom concurseiro, pois estes irão auxiliar a definir seu desempenho nos concursos.

Redação
Publicado em 26/03/2014, às 10h57

Francisco Fontenele

Dediquei-me à preparação para concursos públicos ao longo da minha carreira, o que me possibilitou contribuir de alguma maneira para que milhares de pessoas obtivessem aprovação em concursos com o apoio de cursos preparatórios dos quais participei e participo, seja na criação ou com direcionamento pedagógico.

O trabalho permanente com professores do segmento e, sem sombra de dúvidas, com os alunos, permitiu que eu os avaliasse, percebesse e apontasse qualidades que eles foram aperfeiçoando, e também deficiências que eles mesmos foram capazes de corrigir ao tomar consciência delas.

Examinando os concurseiros bem-sucedidos, que passaram em concursos públicos, são evidentes alguns elementos em comum: para vencer milhares de concorrentes e ter as melhores notas, eles se preocuparam, primordialmente, com o domínio do conteúdo programático das disciplinas exigidas; e tiveram foco e determinação para estudar com seriedade, sendo rigorosos no estabelecimento e cumprimento de rotinas. Mas como eles chegaram a essas virtudes em comum? Identificando e corrigindo os pontos fracos e buscando, incessantemente, o aprofundamento e a consolidação dos conhecimentos por meio de metodologias apropriadas.

Não dá para ser um concurseiro “paraquedista”, que vai tentar a sorte e quer faze rtodos os concursos sem se preocupar com a preparação adequada – aliás, esse tipo de candidato tem chance mínima de sucesso. Isso não significa que ele não busque o êxito em mais de uma carreira, mas é preciso ter um “foco central”, ou seja, uma atenção especial calcada no edital daquele cargo que deseja atingir.

Alguns aspectos são essenciais e o bom concurseiro não pode ignorá-los, já que definem seu perfil e seu desempenho:

Perfil – O bom concurseiro tem objetivos profissionais na vida. Já escolheu a profissão e procura os concursos mais adequados as suas capacidades e interesses. Já fez sua “autoavaliação”: mediante aferição dos seus conhecimentos por meio da resolução de simulados prévios; conhecendo as deficiências em cada disciplina e seus respectivos temas e/ou pontos dos conteúdos programáticos; e promovendo o reforço nos estudos para corrigir tais deficiências.

O bom concurseiro deve ser determinado. Ele tem consciência de que precisa investir na sua preparação e de que a concorrência é, a cada concurso, mais acirrada.Isso exige foco!

Uma característica adicional das pessoas bem-sucedidas nos concursos é o fato de conhecerem seus deveres – e também os seus direitos. Elas conhecem o inteiro teor do(s) edital(is) do(s) concurso(s) do seu efetivo interesse.

O bom concurseiro já está se preparando antes mesmo de o concurso ser divulgado, ou seja, não espera sair o edital para começar a estudar. 

Curso preparatório – Para muitos aprovados,o “mapa do tesouro” foi o curso preparatório feito para o concurso almejado, eque os colocou em contato com professores capazes de lhes transmitir ensinamentos com segurança, passando diretrizes (perfil das bancas, modo de interpretação, posição dos tribunais etc) sobre o que tende a ser exigido, bem como indicação de bibliografia. Por isso é importante verificar qual curso tem corpo docente comprovadamente especializado, sendo capaz de ensinar o conteúdo atualizado de acordo com os editais.

É preciso também avaliar a formatação, a carga horária do curso, a metodologia e se os recursos/ferramentas ofertados são eficazes para sedimentar seus conhecimentos. É fundamental, ainda, que o curso e seu corpo docente tenham,efetivamente, um histórico expressivo de aprovações recentes.

Para passar nos concursos é essencial investir na melhor bibliografia. Tem que pesquisar e não cair naarmadilha dese limitar ao conteúdo mais facilmente disponível, como simples apostilas e material desatualizado.

Banca examinadora – É importantíssimo saber o perfil da banca examinadora responsável pela elaboração e/ou aplicação das provas do seu concurso – conhecer as características da instituição,principalmente como ela formula e aplica as questões. Para tanto, é indispensável que o concurseiro pesquise e conheça as provas aplicadas anteriormente.

Saber quem constitui a banca examinadora também ajuda muito. É bom tentar se informar o máximo possível sobre quem elabora as questões, não deixando de identificar os temas que têm maior incidência em cada disciplina.

Simulados e provas de concursos anteriores – Praticar resolvendo simulados é uma das receitas de sucesso de boa parte dos concurseiros que conseguiram chegar lá. Eles procuram material de boa procedência, feito por profissionais especializados e com comentários atualizados a respeito de cada matéria específica do concurso. Além de sedimentar os conhecimentos, isso permite que o candidato saiba administrar melhor o tempo que poderá destinar à resolução das questões e à transcrição para a folha de respostas da prova.

Procura rprovas de concursos anteriores e resolvê-las é outra receita de sucesso. É importante não se ater somente à resolução das questões de múltipla escolha,mas também treinar questões dissertativas e redação. Portanto, escrever bastante é essencial para obter o melhor desempenho nessa fase do concurso, que é de caráter eliminatório e decisivo.

Rotina de estudos – Tudo isso só funciona para quem sabe criar uma rotina diária de estudos. O segredo é estabelecer horários e personalizar os períodos diários de estudo de acordo com o tempo disponível. Para isso, é preciso saber dosar os estudos com os compromissos pessoais. Nada se faz na vida sem sacrifício! O concurseiro deve ter consciência de que abrirá mão de convites para festas, namoros, jogos, viagens não programadas etc. Ele não pode comprometer o tempo diário dedicado aos estudos. Sempre com uma boa dose de equilíbrio!

Calendário de estudos – Cumprir o calendário de estudos é outra característica do concurseiro de sucesso. Cada hora de estudo perdida, devido a algum contratempo, deve ser rapidamente reposta.Deixar os estudos para o fim de semana, por exemplo, não é recomendado. É melhor dedicar-se todos os dias do que concentrar os estudos em um grande número de horas.

“Varar noites” não vai adiantar porque não rende o suficiente. Mesmo assim, o bom concurseiro tem consciência de que, vez ou outra, enfrentará o sacrifício de estudar cansado.

Local dos estudos – Outro detalhe que faz a diferença é a escolha de um lugar adequado para estudar. A iluminação deve ser adequada e o ambiente deve ser silencioso. Não adianta estudar sem concentração! Tudo isso serve para garantir o bom rendimento.

A desatenção em face de cada um dos aspectos que acabo de abordar faz perder pontos. Ficar atento a cada um deles e aplicar as estratégias sugeridas é o primeiro passo para ser bem-sucedido em concursos. Não se trata de uma fórmula,mas de um elenco de características que sinalizam o sucesso. Você é capaz! Com foco, determinação, comprometimento, sacrifícios e estratégias você conquistará o sucesso almejado. A realização pessoal e profissional depende de você!

Francisco Fontenele é especialista em concursos públicos; diretor pedagógico do Grupo LFG; fundador do curso e editora Jus PODIVM; fundador do Curso para Concursos (curso telepresencial preparatório para concursos das áreas fiscal e de nível médio); e fundador do site Simulados na Web.

APOSTILA PARA CONCURSOS - CLIQUE AQUI.

Comentários

Mais Lidas