Tudo vale a pena

Confira algumas dicas de William Douglas para manter o objetivo, as metas e não desistir do seu sonho.

Redação
Publicado em 22/01/2014, às 12h23

William Douglas

O verso consagrado do brilhante poeta Fernando Pessoa não poderia ser mais adequado para comentar um dos principais erros cometidos por concurseiros quando confrontados pela insegurança e medo do insucesso nas provas: acreditar que é impossível e desistir.

A ideia da impossibilidade vem limitando estudantes e concurseiros desde que existem as provas, um erro que é tão comum quanto maléfico para a preparação deles.

Não é desconhecido que pelas leis da aerodinâmica o besouro não seria capaz de voar –seu corpo é muito grande, suas asas são muito pequenas, o formato do seu corpo não propicia o deslocamento do ar –, e mesmo assim ele voa. A anedota criada sobre essa “impossibilidade” aerodinâmica é a de que o besouro voa porque nunca disseram para ele que não poderia voar. A história pode ser engraçada ou absurda, mas reflete uma mensagem muito importante: as coisas só são impossíveis quando nos convencemos de que elas realmente são. Crer na possibilidade é o primeiro passo rumo à conquista de qualquer sonho ou objetivo.

Objetivamente,a crença na possibilidade é o que irá construir as condições (psicológicas,físicas e pragmáticas) ideais para que se alcance o objetivo, e isso não é um conhecimento obtido apenas pela leitura de materiais que tratam sobre o assunto, mas da observação atenta, ao longo dos anos, de diversos casos que chegam a mim.

Muitas pessoas que conheço deixaram de acreditar em seus objetivos e sonhos e acabaram criando empecilhos para conquistá-los. No mundo dos concursos, costumo usar o exemplo dos “amigos” que falam que concurso é maracutaia/jogo de cartas marcadas/peixada. Aquele que se deixa levar por esse falso argumento acaba reproduzindo esse discurso para justificar um insucesso que tenha e deixa de levar a sério sua preparação, sendo conivente com atividades que somente atrapalham, como continuar com essas amizades, passar horas em redes sociais ou ao telefone.

Há ocaso, ainda, daqueles que se enganam. Matriculam-se em cursos preparatórios,compram todos os livros, assinam revistas e periódicos e inscrevem-se em fóruns e redes sociais de concurseiros, pois acreditam que isso será o suficiente para atender às expectativas da família e amigos e para ser aprovado. Mas, no fundo,não acreditam que podem realmente passar e deixam de fazer o mais importante:estudar com afinco e resolver questões de concursos.

As pessoas olham o sonho, o objetivo, as metas com um respeito tão grande que os veem longe, muito longe, um longe quase impossível (ou mesmo impossível) de alcançar e usam isso como uma desculpa para não “pagar o preço” do sonho.

Não seja mais um a cometer esse erro. Não imagine o objetivo como algo impossível e inalcançável. Veja-o, toque-o, sinta-o, ouça-o e perceba-o em tudo o que você fizer. Não se limite pela ideia da impossibilidade, não dê ouvidos às pessoas que querem que você acredite que não é capaz ou àquela voz interior que diz que seu sonho é grande demais para você. Antes, motive-se pela ideia da possibilidade.

Se você tem um sonho e, principalmente, se você tem o sonho de transformar a sua realidade pelo caminho dos concursos (que é uma escolha excelente!) trabalhe para alcançá-lo. Tente, insista, persista, crie, improvise, esforce-se, pague o preço! Se for desistir, que seja uma decisão tomada após muito avaliar os prós e contras e por sua própria consciência. Não se permita influenciar pelas palavras, às vezes cruéis, de terceiros e nem por acreditar que não tem capacidade. Você é o único responsável por seu sucesso, portanto, dê o melhor de si, invista em si mesmo e agarre as chances que surgem com unhas e dentes. E lembre-se do velho poeta: “Tudo vale a pena, se a alma não é pequena.”

Dicas:

1 –Manter-se motivado: somos como carros, precisamos de combustível para seguir em frente e esse combustível é a motivação. Por isso, descubra o que te motiva e lembre-se sempre!

2 – Lernas entrelinhas: a interpretação de texto é fundamental para provas. Às vezes a chave da resposta está no enunciado, portanto, invista na interpretação de texto.

3 –Fazer revisão: revisar é assegurar que você não está deixando algum detalhe importante passar desapercebido, portanto, revise toda a sua prova antes de começar a marcação do cartão.

4 –Dizer “isso é tudo”: cuidado com os alertas de que você encerrou sua apresentação ou prova. Expressões como “isso é tudo” ou “era o que eu tinha para dizer” podem demonstrar insegurança quanto ao seu conteúdo.

5 – "A diferença entre o sonho e a realidade é a quantidade certa de tempo e trabalho" (mantra n° 1, William Douglas).

William Douglas é juiz federal, titular da 4ª Vara Federal de Niterói – Rio de Janeiro e professor exclusivo em técnicas de motivação e memorização da rede LFG.

Comentários

Mais Lidas