O que não mata, fortalece

Quem nunca foi provado até o limite? Quem nunca enfrentou um desafio que jamais pensou que suportaria? Uma das certezas oriundas da nossa humanidade é o sofrimento

Daniel Sena
Publicado em 09/10/2015, às 12h03

Quem nunca foi provado até o limite? Quem nunca enfrentou um desafio que jamais pensou que suportaria? Uma das certezas oriundas da nossa humanidade é o sofrimento. Todos os seres humanos, sem exceção, já sofreram ou ainda sofrerão algumas vezes na vida.
O sofrimento não tem classe social, não escolhe cor, não se importa se é bonito ou feio. A única coisa que importa é se você é um ser humano. Se você é, você foi sorteado com a “maravilhosa oportunidade de sofrer de vez em quando”.
Obviamente que não desejamos o sofrimento, pelo menos em circunstâncias de sanidade mental. Na prática, temos a tendência natural de fugir do sofrimento. Nos protegemos de todas as formas daquilo que nos entristece, das coisas que nos desanimam. Buscamos em tudo a felicidade. Essa é nossa busca constante. Tudo que queremos é ser feliz! Mas, às vezes, na tentativa de sermos felizes, sofreremos um pouco, ou muito.
Em nossa busca por felicidade, driblamos as circunstâncias que podem nos fazer sofrer. Um exemplo muito comum é nos relacionamentos. Quando um não dá certo, temos a tendência de nos proteger mais nos próximos. Geralmente criamos armaduras quase impenetráveis para não sofrermos novamente. Em parte, isso é uma questão de sobrevivência; por outro lado, esse excesso de proteção pode te impedir de encontrar um grande amor que te faça mais feliz do que os outros que passaram.
Trazendo para uma situação mais voltada à jornada de concurseiro, é comum ouvirmos os concurseiros mais novos ficarem com medo de enfrentar a prova. Eles têm medo de sofrer com uma reprovação. Então, para se proteger do sofrimento, acabam se boicotando e deixando de fazer provas, uma das ações mais importantes na preparação. Fazer prova é a melhor forma de treinar para outras provas. Você se conhece, desenvolve a melhor estratégia e se fortalece a cada experiência.
Pior mesmo são os concurseiros mais antigos, que depois de levarem uma surra na prova, ficam com medo de fazer as próximas com vergonha do resultado negativo.
Deixe eu falar uma coisa muito séria para você que está tentando se proteger de sofrer: essa luta você não vai vencer. O sofrimento vai acontecer uma hora ou outra, então não se boicote. Não deixe de experimentar com medo de sofrer. 
Para quem já me conhece há mais tempo sabe que eu reprovei 70 vezes para conseguir alcançar minhas aprovações em concurso. Também já sofri algumas vezes por amor. E o mais incrível de tudo: eu estou vivo! Isso mesmo, o pior sofrimento que já passei não foi capaz de me matar. Doeu, mas não me matou. Se não me matou, o que aconteceu depois que a dor passou? Fiquei mais forte, pois é para isso que serve cada experiência dolorosa que vivemos na vida. 
Recordo-me daqueles filmes de luta quando os caras treinavam até calejar o corpo. Lembram do meu xará Daniel San, do Karatê Kid? Ele sofria no treinamento até ficar forte o suficiente para vencer. E é assim em todas as áreas da nossa vida. Suamos no treinamento para não sangrarmos na batalha. Cada derrota, cada tristeza, cada frustração que você viver na vida será uma experiência que trará aprendizado e o fará mais forte. E não adianta se esconder. É assim para todo mundo. Então, ao invés de se lamentar pelas dores sofridas, busque aprender com elas. Ao invés de passar a vida remoendo uma derrota, veja como fazer melhor da próxima vez. No lugar de ficar sofrendo com qualquer besteira, transforme-se em uma pessoa mais forte, capaz de suportar desafios maiores que os suportados até agora. 
Costumo dizer que só conhecemos a nossa verdadeira força quando somos testados até o quanto considerávamos nosso limite. Perceba isso em sua própria vida. Olhe para trás e veja quantas vezes você achou que nunca iria suportar e perceba só onde você está. 
Quando você perceber que pode ir além do que imaginava, descobrirá a força gigantesca que existe dentro de você, o que prova a veracidade do título: o que não mata, fortalece. 
Daniel Sena, professor de direito constitucional no AlfaCon e especialista em concursos públicos. Facebook: /ProfDanielSena. Twitter: @ProfDanielSena. YouTube: ProfDanielSena.

Comentários

Mais Lidas