Ordenar mente e emoções para resultados mais eficazes

No sentido verdadeiro, as aprovações ocorrem em vista de uma necessidade coletiva da distribuição das competências profissionais. A vaidade pessoal seria a última atribuição a ser contemplada, pelo simples quesito de fazê-lo sentir melhor. Não funcio

Redação
Publicado em 20/10/2011, às 15h13

Luiza Ricotta
Há excelentes candidatos com um nível de excelência técnica elevada e que não conseguiram a tão almejada colocação por uma questão de tempo e em vista de fatores subjetivos dos quais estão submetidos e que entram em ação, colocando-os em contato com o imensurável, o não tangível.
As aprovações passam por diversas repercussões de ordem pessoal, imagética (da autoimagem, da que pensa causar no ambiente, do modo como é visto), funcional (competência e das habilidades) e da perspectiva da missão que cada um possui, desenvolve ou atribui. Cada candidato precisa pensar a respeito da sua utilidade e contribuição real mediante a necessidade de um serviço (trabalho) que precisa ser cumprido. A aprovação não existe tão somente para resolver a sua vida. Ela tem em si uma finalidade coletiva séria e menos associada ao ego, como a vaidade pessoal. No sentido verdadeiro, as aprovações ocorrem em vista de uma necessidade coletiva da distribuição das competências profissionais. A vaidade pessoal seria a última atribuição a ser contemplada, pelo simples quesito de fazê-lo sentir melhor. Não funciona assim.
Observe como os candidatos em geral (concursos e exames) lidam mal com as reprovações, associam-na diretamente com a sua pessoa. Não são acostumados a ter um choque contrário ao que tanto se prepararam. Ele acredita piamente que ao se dedicar deva receber a recompensa, natural podemos pensar! Mas o fato é que a análise se torna bastante linear e reduzida: - me empenhei, portanto mereço o resultado. Como posso não passar? Não ser aprovado? que coisa mais indigna! Que situação mais injusta! Exclamam os candidatos decepcionados e desapontados. Desapeguem!
O processo ocorre independente de você. Aumente suas possibilidades, valorizando o processo como um todo, pois ao evoluir e amadurecer como pessoa, você adquire a posição pelo seu mérito sem atrelar a sua conquista ao reforço do ego. Seu sucesso dá reforço à ação que tem por cumprir, que tem como parte de sua contribuição. Considerem que a escolha por esta forma de ascensão e colocação profissional diz respeito a uma necessidade, a ocupar uma posição que dê conta de ser cumprida de forma natural e sem grandes aspectos eloquentes.
A mitificação da aprovação associando-a com um caráter que lhe ofereça atributos gloriosos em sua auto referência, não passam mesmo de imaturidade, da vaidade que se eleva diante de ter sido provocada. Acostume-se a ser bom no que faz! Mantenha a qualidade e pronto!O que seria essencial manter? Falamos da importância da humildade, da qualidade de saber fazer de forma plena, vivendo o seu aprimoramento com toda a complexidade que nele requisita, sentimo-nos especiais, diferentes, honrosos até. Perfeitamente aceitável! Candidatos com boa consideração de si próprios são proativos, seguros, otimistas.Não há espaço para valorizações extremas de sentimentos do tipo, porque não consigo ser o que tanto desejo. Desapeguem!
Determinem-se em conquistar sua posição sem que para isso precisem valorizar a conquista como ganho pessoal exclusivamente. Haverá muito trabalho a ser feito quando estiver na função galgada e será preciso que você esteja preparado de fato. E é por isso que a conjunção dos fatores tangíveis e intangíveis, objetivos e subjetivos, passam a representar a unidade perfeita para que a aprovação ocorra no momento certo e não necessariamente no momento que você escolheu.
Luiza Ricotta é psicóloga. Trabalha com o desenvolvimento pessoal e profissional de candidatos. Formação em Coach - Instituto Holos BR. Mestre – Mackenzie, SP. Pós-graduada em Terapia Familiar PUC/SP.  Profª universitária, de cursos preparatórios e de pós-graduação e também da área Vip JC; autora de livros entre eles “Preparação Emocional em Concursos: equilíbrio e excelência”. SP: Rideel Ed., 2011 entre outros. Email: luizaricotta@hotmail.com. Twitter: @luizaricotta

Comentários

Mais Lidas