Tudo Sobre

Concurso Banco Central

Dicas de estudo para a carreira de analista

Confira as orientações de professores gabaritados sobre os testes que a Fundação Cesgranrio aplicará em 2010.



Redação
Publicado em 11/12/2009, às 15h15

A primeira etapa de provas do concurso do Banco Central do Brasil (Bacen) deverá ocorrer em 31 de janeiro de 2010, mas para quem aguardava ansioso a divulgação dos editais, o plano de estudos já começou. O processo seletivo, considerado como um dos mais importantes pelos concurseiros, oferece 350 oportunidades ao cargo de analista (nível superior) e 150 ao posto de técnico (nível médio). Os salários oferecidos chegam a R$ 12,4 mil, mas o valor poderá sofrer reajuste. A Cesgranrio, organizadora da seleção, receberá as inscrições até o dia 16, quarta-feira, pela internet.  

Na edição anterior, o JC&E reuniu os comentários de professores sobre o conteúdo das provas para a carreira de técnico. Nesta semana, é a vez de os candidatos à função de analista conferirem as dicas referentes a cada disciplina.


Conhecimentos gerais


Língua portuguesa – Na opinião do professor Marcondes Júnior, mestre em português para concursos na rede de ensino LFG, a banca examinadora aplicará uma prova bem diversificada, com predominância nos exercícios de texto (60%) e de gramática (40%).


Para resolver as questões de texto, ele sugere que o candidato estude as relações entre os parágrafos, relações de causa e consequência, tipologia textual e o significado das palavras no contexto. Quanto aos testes de gramática, é necessário atentar-se a pontuação, concordância, crase, regência, análise do pronome relativo e uso dos conectivos.


Além de destacar que a redação discursiva requer um texto claro, objetivo e com linguagem simples, o professor orienta: “uma boa dica para o estudo da língua portuguesa é separar pelo menos três dias na semana para revisar os conteúdos e responder pelo menos uma prova da Cesgranrio”.


Direito constitucional – O consultor legislativo, advogado e professor da rede de ensino LFG, Leo Van Holthe, após fazer uma análise de provas já aplicadas pela organizadora, afirma que pelo menos 70 a 80% do conteúdo é pautado no texto constitucional, já os outros 20 a 30% baseiam-se nos ensinamentos dos livros doutrinários e nas decisões judiciais da Suprema Corte brasileira.


De acordo com Van Holthe, para obter sucesso no exame é preciso conhecer de maneira aprofundada a Constituição Federal de 1988. Com a análise das últimas avaliações, ele concluiu que os assuntos mais cobrados foram os seguintes: princípios fundamentais da Constituição (arts. 1º ao 4º da CF/88); direitos e garantias individuais e coletivos (art. 5º); direitos sociais (arts. 7º a 11º); e finanças públicas: normas gerais (arts. 163º e 164º) - além de conceitos sobre administração pública.


O professor aconselha que os candidatos à carreira de analista do Banco Central “estudem incansavelmente o texto constitucional, leiam um livro doutrinário que os auxiliem na compreensão do texto da Carta Republicana de 1988 e façam provas de concursos anteriores”. Outra dica importante é usufruir a ferramenta “Constituição em áudio”, disponível no site da Câmara dos Deputados.


Direito administrativo – A tese de que rever as últimas provas é o melhor caminho para focar os estudos também é defendida pelo professor Luís Gustavo Bezerra, da Academia do Concurso. “Isso é essencial, pois você não pode se dar ao luxo de errar uma questão que já caiu anteriormente ou que possua conteúdo idêntico”, adverte. Baseado neste argumento, ele acredita que os exames da Cesgranrio poderão questionar sobre a lei nº 8.112/90 (ênfase na parte de provimento e vacância e regime disciplinar), a lei nº 9.784/99 (processo administrativo federal), o código de ética (decreto nº 1.171/94), a responsabilidade civil do Estado e os atos administrativos.


Sistema financeiro nacional – Segundo Cláudio Filgueiras, analista do Bacen, o edital deste ano traz algumas inovações. Um tópico sobre a lei nº 4.595/64 (reforma do sistema bancário e criação do Bacen) e outro cujo tema é o Banco Central do Brasil destacam-se no conteúdo programático.

Os dois assuntos já foram cobrados em concursos anteriores, mas ele compreende que essa explicitação pode significar a exigência de tópicos específicos da lei – como as funções, atribuições legais e competências do Conselho Monetário Nacional (CMN) e do próprio Bacen.


A sugestão de Filgueiras para o plano de estudos dos concurseiros é analisar os exames mais recentes da Cesgranrio sobre sistema financeiro nacional. Os últimos concursos por ela elaborados foram: analista de finanças da Casa da Moeda (2005), técnico superior de finanças e orçamento da Empresa de Pesquisa Energética (2006), economista júnior da Transpetro (2006) e contador do BNDES (2005, 2007 e 2009). Conforme constatou o analista, os assuntos abordados nessas provas versavam sobre a área de atuação das instituições financeiras e a segmentação do subsistema normativo em órgãos reguladores e entidades supervisoras. Filgueiras ainda ressalta que vale a pena observar a prova de analista da Finep, deste ano, elaborada pelo Cesp, pois foram inseridos tópicos ainda não abordados sobre a disciplina – e que podem ser úteis às avaliações do Bacen.


Economia – Por se tratar de uma disciplina presente nos últimos concursos do Banco Central, o economista e professor da rede de ensino LFG, Carlos Ramos, cita que é possível relacionar os temas mais cobrados pela organizadora. No assunto macroeconomia, ele recomenda dar atenção especial às contas nacionais e ao cálculo do PIB ou de algum de seus componentes. Balanço de pagamentos e sistema monetário com ênfase no multiplicador bancário são outros tópicos importantes. Também é possível que caiam perguntas teóricas sobre política fiscal, monetária, sua relação com o regime de câmbio e as metas de inflação.


Na área de microeconomia, Ramos aconselha estudar os pontos que afetam as curvas de oferta e demanda e as alterações no equilíbrio de mercado. De acordo com ele, o candidato deve entender as diferenças entre concorrência perfeita, monopólio e oligopólio.


Referente à economia brasileira, é aconselhável estudar o comportamento da inflação e do PIB no período que vai dos anos 70 aos dias atuais. “Não se assuste com as diversas fórmulas que você vai encontrar, procure entender bem o que elas representam. Quanto aos gráficos, eles podem parecer meio complicados no início, mas seu enorme poder de síntese lhe ajudará a enfrentar muitas questões, como por exemplo, aquelas sobre política fiscal e monetária”, garante o economista.


Raciocínio lógico-quantitativo – Nesta área, o estilo Cesgranrio é bem característico, avalia o professor Benjamin Cesar, da Academia do Concurso, que indica uma análise de provas anteriores da organizadora (BR-Distribuidora, IBGE, Petrobras e Prominp). “Rever probleminhas de matemática com raciocínio elementar e estudar a lógica das proposições” são exercícios que o professor considera indispensáveis. Para não se confundir ao elaborar as respostas, ele enumera alguns tópicos que merecem atenção especial: sequências numéricas e com letras; negação de proposições simples ou compostas; análise de tabelas e consequentes deduções; e interpretação de enunciados.


Já o professor Joselias da Silva, mestre na rede de ensino LFG, diz que para resolver as questões o candidato deve ter familiaridade com o tema estrutura lógica, como tabela verdade, tautologias, contradições e contingências. Segundo ele, “a prova deverá contar, também, com argumentos válidos e argumentos não-válidos”. Além disso, os testes poderão exigir um raciocínio verbal, matemático ou simples deduções de relações arbitrárias.


Língua inglesa – Para definir a característica das questões também é preciso recorrer às provas anteriores da Cesgranrio, como a do BNDES, analisa Roberto Witte, professor nos cursinhos Canal dos Concursos, Central de Concursos, Damásio de Jesus e Federal Concursos. Na opinião dele, os testes costumam ser longos e cansativos, além de requererem bons conhecimentos de gramática, noções de vocabulário e rapidez de leitura. Como as questões exigem que o candidato leia vários trechos do texto para verificar qual alternativa está correta, o professor recomenda que os concurseiros leiam os enunciados antes de ler o texto. ““A maioria das questões começa da seguinte forma: “O trecho ‘Economies around the world...’ (linhas 23-26) expressa...”, ou seja, você sabe em que trecho do texto está a resposta para tal pergunta. Se você ler os enunciados antes, você não perde tempo lendo o texto por completo para depois descobrir que para responder determinada pergunta bastava ler algumas linhas””, orienta.


Na parte de gramática, Witte destaca que os advérbios, as conjunções, os pronomes e as preposições costumam ser muito explorados. “Para situar o leitor, são palavras do tipo ‘even’, ‘thus’, ‘nevertheless’, ‘however’ e assim por diante, por isso, é bom conhecer muito bem o significado dessas palavras”, conclui.


Flávio Fernandes/SP


Veja também:

Banco Central: inscrições abertas para 500 vagas até R$ 12,4 mil

Especial Banco Central 2009: carreira atrai pelos salários e valorização


BancoCentral: concurseiro fala como conquistou vaga de técnico

+ Resumo do Concurso Banco Central

Bacen - Banco Central
Vagas: Não definido
Taxa de inscrição: Não definido
Cargos: Não definido
Áreas de Atuação: Não definido
Escolaridade: Não definido
Faixa de salário:
Organizadora: O próprio órgão

+ Agenda do Concurso

11/12/2010 Divulgação do Resultado Adicionar no Google Agenda

Comentários

Mais Lidas