Tudo Sobre

Concurso Cinema

Entre alegorias e filmes políticos

As crises políticas que pautam o noticiário nacional inspiraram a coluna de cinema do JC&E a discorrer sobre filmes que abordam o tema de maneira sofisticada



Redação
Publicado em 29/07/2011, às 16h00


O governo Dilma Rousseff atravessa atualmente sua terceira crise política. A primeira se deu no início do ano por conta da necessidade do governo de aprovar um salário mínimo inferior ao proposto pela oposição. A crise se delineou no momento que o PMDB, um dos partidos que compõem a base aliada do governo, decidiu negociar cargos em troca de apoio no congresso à proposta do governo. 
A segunda crise deflagrada no coração da administração petista foi o vultoso enriquecimento do ex-ministro da Casa Civil Antonio Palocci, por intermédio de sua empresa de consultoria, no intervalo de tempo entre o fim de sua participação no governo Lula e sua ascensão como homem forte da gestão Dilma.
A atual crise foi germinada no Ministério dos Transportes, sob responsabilidade de outro partido da base aliada, o PR. Denúncias de corrupção e desvio de dinheiro público pautam o dia a dia da imprensa e múltiplas demissões dentro do ministério estão ocorrendo. 
Enquanto isso, nos Estados Unidos, o governo Obama (do partido Democrata) tem tido dificuldades para aprovar a elevação do teto da dívida americana. O impasse, puramente político – uma vez que a Câmera dos Representantes (equivalente a Câmera dos Deputados no Brasil) é de maioria republicana, pode resultar em outra crise econômica de proporções mundiais.   
Mais do que abastecer o noticiário político, esses conflitos geram insegurança no cidadão/eleitor. O cinema mantém uma relação provinciana com a política. Ora é instrumento de oposição, ora de apoio irrestrito. É mais sensível quando revisa fatos e acontecimentos históricos, longe do calor do momento.  
Foi o que aconteceu com “Nixon”; um filme duro e áspero sobre uma figura igualmente contraditória, o ex-presidente americano Richard Nixon que governou o país entre os anos de 1969 e 1974. Nixon foi pego no maior escândalo de corrupção da história americana que ficou conhecido como Watergate. O caso serve até hoje como referência para episódios de corrupção, inclusive no Brasil. 
O filme de Oliver Stone acompanha os momentos-chave da vida política de Nixon e não o redime. O ex-presidente é apresentado como um político oportunista e maquiavélico. O mesmo Nixon aparece em “Frost/Nixon”, a fita recria uma entrevista concedida a um jornalista celebridade em que o ex-presidente planejava materializar seu retorno à vida pública, mas que acabou por enterrá-lo em definitivo. 
O cinema brasileiro, que já foi mais político nos idos dos anos 70, soube fazer graça da política praticada no país. “O bem amado”, baseado na obra do dramaturgo Dias Gomes, foi peça de teatro e minissérie televisa antes de chegar aos cinemas pelas mãos do pernambucano Guel Arraes. Na versão para o cinema a esquerda e a direita surgem menos beligerantes e mais dispostas a acordos para convivência pacífica e frutífera financeiramente. É impossível não enxergar o filme, que é de 2010, como um decalque de escândalos como o “mensalão” que assolaram a vida pública do país.
Mas quando o sabor da ironia é utilizado pelo cinema para enquadrar políticos em suas vidas de desvio, o resultado é particularmente satisfatório. O cineasta francês Roman Polanski, que tem problemas com a justiça americana por conta de um caso em que molestou sexualmente uma menor na década de 70, rodou um filme deliciosamente irônico sobre a política externa de Estados Unidos e Inglaterra em meio à conflagração da guerra do Iraque. Ele substitui os políticos reais por cópias ficcionais descaradas e desenrola uma trama de espionagem a partir da confecção do livro de memórias do ex-premier britânico (papel que o ex- James Bond Pierce Brosnan vive com gosto).
“O escritor fantasma”, além de destilar ironia e cinismo, é um inteligentíssimo filme de espionagem. Daqueles que não se faz desde os tempos de Hitchcock, mas que só a classe política é capaz de inspirar.

Serviço:NixonPaís: Estados UnidosAno de produção: 1995Direção: Oliver StoneDisponível em DVD
Frost/NixonPaís: Estados UnidosAno de produção: 2008Direção: Ron HowardDisponível em DVD
O bem amadoPaís: BrasilAno de produção: 2010Direção: Guel ArraesDisponível em DVD
O escritor fantasmaNome original: The ghost writerPaíses: Inglaterra/FrançaDireção: Roman PolanskiDisponível em DVD

Por Reinaldo Matheus Glioche

+ Resumo do Concurso Cinema

Cinema
Vagas: Não definido
Taxa de inscrição: Não definido
Cargos: Não definido
Áreas de Atuação: Não definido
Escolaridade: Não definido
Faixa de salário:
Organizadora: O próprio órgão

+ Agenda do Concurso

28/07/2012 Divulgação do Resultado Adicionar no Google Agenda

Comentários

Mais Lidas