Começar a carreira na área pública é uma boa?

Entre as vantagens, está a chance de começar ainda sem experiência na área.

Redação
Publicado em 21/10/2008, às 15h46

Aos 18 anos, tirar a carteira de trabalho é um desejo de muita gente. Planejar a carreira desde cedo é algo positivo, porém poucos consideram construí-la no setor público. As vantagens para o jovem vão muito além da estabilidade e cestas básicas como, por exemplo, obter um salário e responsabilidades iguais às de um profissional com experiência no mercado.

Um grande diferencial positivo do setor público é dar ao jovem e ao recém-formado a mesma oportunidade que aos profissionais já estabelecidos no mercado. “Encontramos muitos profissionais extremamente competentes e, que devido seu tempo dedicado aos estudos, não obtiveram muita bagagem profissional, mas têm seu valor e produzem com muita eficácia”, observou Edson Andrades, especialista em aconselhamento de carreira e desenvolvimento pessoal.

Exemplo disso é o técnico de equipamentos André Silva de Freitas, 28: “Poder ingressar no mercado de trabalho sem precisar ter o nível de experiência exigido por algumas empresas privadas foi decisivo na minha opção pelo concurso”.  Elcio Fiori Henriques, agente fiscal de rendas, 25, concorda: “Há a vantagem imediata de um nível de salário e de atribuição de responsabilidades altos, equivalentes aos de um profissional já estabelecido no mercado. A partir daí abre-se para o jovem a possibilidade de construção de uma carreira sólida, através do trabalho e do aperfeiçoamento ao longo dos anos".

Andrades observa que o recém-formado encontra a vantagem de já estar no ritmo dos estudos, tendo maior facilidade em lidar com variáveis como o ambiente de prova, a pressão do tempo e a fase de estudos.

Estabilidade é um benefício também para o jovem, porém deve ser usada com moderação. “Ela permite planejar seus objetivos de vida sem temer o desemprego, mas é importante não confundir estabilidade com acomodação, precisamos estar sempre atentos às novas oportunidades, pensando sempre na carreira e não somente no emprego”, avaliou André.

No serviço público até a jornada fixa, diante das jornadas cada vez menos previsíveis da iniciativa privada, pode ser vista como um benefício. “Há disponibilidade de tempo para freqüentar cursos fora do horário de trabalho”, notou Élcio..

Muito além dos bônus e cestas básicas. Andrades vê a possibilidade de o jovem profissional entrar em contato com “os bastidores de uma nação” e buscar soluções para os problemas reais de nosso país.

Confira aqui entrevista com Edson Andrades.

Passou de primeira

Elcio Fiori Henriques, 25, se formou em Direito na USP e em Administração de Empresas na EAESP-FGV. Durante a faculdade, trabalhou em grandes escritórios de advocacia e empresas de auditoria, onde adquiriu experiência nas áreas jurídica e contábil, financeira – conhecimentos necessários para a atuação na área tributária. Há dois anos, decidiu prestar concurso de Agente de Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo, um dos cargos mais cobiçados do mercado.

Pagou R$ 500 na compra de livros e apostilas especializadas. “Foi um dos melhores investimentos que já fiz”, reconhece ele. Estudava sozinho cerca de duas horas por dia. A concorrência assustou, eram quase 30 mil candidatos para 350 vagas, mas no final ele conseguiu: foi o 22º colocado.

Ao ingressar, se surpreendeu com a realidade do setor público. “Descobri que a carreira pública oferece grandes atrativos profissionais, a rivalizar com as melhores carreiras na iniciativa privada. O modelo clássico de funcionalismo público, baseado na antiguidade, não pode ser mais encontrado em todas as carreiras”, relata.

Ele conta como fazer

André Silva de Freitas, 28, técnico de equipamentos, passou no terceiro concurso público de que participou. Superar a barreira dos vários anos de experiência exigidos por empresas privadas foi o que o motivou a prestar concursos.

O segredo para unir satisfação pessoal e financeira, segundo ele, é escolher atentamente qual concurso prestar. “Deve haver um direcionamento em função do cargo pretendido e a área de formação do candidato”, disse. Outra dica que ele oferece é que o candidato leia atentamente o edital, organize bem os horários de estudo e possua um bom material didático. “Pude perceber que o sonho de passar em um concurso público pode ser realizado por qualquer pessoa, desde que ela trace seus objetivos, estude muito e nunca desista de seus sonhos”, declara.


Aline Viana

Comentários

Mais Lidas