PRF anunciará organizadora nos próximos dias

Escolha depende apenas de decisão jurídica do Ministério da Justiça. Oferta será de 216 vagas em todos os Estados para agente administrativo, cargo que exige nível médio e paga R$ 3.689 mensais

Fernando Cezar Alves
Publicado em 06/03/2014, às 10h59

O processo para a escolha da organizadora do concurso que será promovido pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) para o preenchimento de 216 vagas para o cargo de agente administrativo depende apenas de definição da consultoria jurídica do Ministério da Justiça. Segundo informações obtidas junto membros da comissão do concurso, assim que houver um parecer da consultoria, a comissão deverá se reunir para confirmar a banca examinadora, para que o edital possa ser publicado ainda em março, como previsto.

O concurso vem sendo aguardado desde 30 de dezembro, quando autorizado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). Para concorrer é necessário possuir ensino médio completo, com remuneração inicial de R$ 3.689,77, já considerando o auxílio-alimentação de R$ 373. A jornada de trabalho dos servidores é de 40 horas semanais.

CONFIRA A EDIÇÃO DIGITAL DO JC&E - CLIQUE AQUI

A expectativa é de que o edital seja publicado ainda em março para que a aplicação das provas ocorra em maio. Porém, a comissão conta com uma margem de atraso considerada aceitável, com liberação do edital até o início de abril e aplicação das provas em junho.

O objetivo é homologar os resultados finais do concurso até o final de junho, para que os aprovados possam ser empossados ainda em 2014. Acontece que, por se tratar de ano eleitoral, somente poderão ser nomeados no segundo semestre aprovados em concursos públicos homologados até três meses antes do primeiro turno das eleições, limite determinado como 5 de julho.

Vagas – O concurso deverá contar com vagas para todos os estados. Segundo a comissão, o objetivo é fazer a distribuição de forma mais igualitária possível. Porém, a divisão ainda depende de estudos, no sentido de obedecer determinação do Ministério Público de substituir terceirizados. Com isto, a prioridade será para as localidades que contam com esse tipo  de contratação. As demais poderão ser distribuídas por todos os estados, com aplicação das provas em todas capitais.

O último concurso para o cargo ocorreu em 2012, sob organização do Cespe/UnB, com vagas apenas no Distrito Federal. A prova contou com 120 questões, sendo 50 de conhecimentos básicos e 70 de conhecimentos específicos. Os candidatos também foram submetidos a uma segunda etapa, composta de investigação social.  

APOSTILAS ESPECÍFICAS - CLIQUE AQUI

Comentários

Mais Lidas