Cartão de inscrição, suor e lágrimas

William Douglas fala da importância do preparo emocional na hora da prova.

Redação
Publicado em 10/10/2013, às 11h07

William Douglas

 Você já passou pela experiência de, no meio daquela prova para a qual você estudou nos últimos meses, daquele concurso com o qual a sua família está contando para resolver algumas pendências financeiras ou, ainda, daquela prova que você tem de passar para entrar onde sempre quis, não saber nada? Consciente de que estudou, de que se preparou para aquela prova com afinco, sem descanso, por meses a fio, na hora simplesmente deu branco? Alguma vez você simplesmente se esqueceu de como se resolvia aquela equação, ou qual era mesmo a jurisprudência ideal para aplicar ao caso concreto proposto pela banca?

Se você se identificou com algumas dessas situações, o pedacinho que falta ao seu sucesso pode ser mais simples e acessível do que você imagina. Talvez te falte, apenas, um pouco mais de preparo emocional.

A sensação de branco, ou de fracasso, ou de que o sonho é impossível, muitas vezes é debilitante e faz com que muitos concurseiros desistam de seus projetos. Elas são resultante de uma grande falha no seu processo de preparação e essa falha reside, justamente, na falta de preparo emocional.

Mas, afinal, o que é preparo emocional? Somatório de diversas atitudes e procedimentos para conter a ansiedade, o medo e tantas outros sentimentos que minam nossa capacidade de estudo, o preparo emocional, nada mais é, do que o conjunto de técnicas às quais os concurseiros podem lançar mão para ter tranquilidade, motivação, melhorar sua capacidade de memória, enfim, tudo o que o concurseiro necessita para ser aprovado nos certames com os quais venha a sede parar.

Quando comecei a falar sobre técnicas de estudo e sobre como passar em provas e concursos, título do meu livro mais vendido sobre o tema, o estudo do preparo emocional era considerado uma “pseudo-ciência”, recebendo, como de um modo geral toda essa área recebia, um misto de desprezo com ironia, como se fosse assunto sem importância ou resultado. O tempo mostrou quem tinha razão.

Quase 15 anos depois, o que vejo hoje é que a matéria, e suas subáreas, é cada vez mais prestigiada. E o é pela sua eficácia e quase indispensabilidade para agrande maioria dos candidatos. Nesse novo cenário, o preparo emocional figura entre os temas mais importantes na preparação para concursos e deve ser mesmo,porque consiste em parte significativa do resultado que será alcançado. O preparo emocional é, ao mesmo tempo, parte do problema e parte da solução uma vez que pode derrubar o candidato que não o possui – que estuda sem descanso,que não exercita a mentalização de se ver exercendo o cargo que pretende, que não pratica exercícios físicos que condicionam corpo e mente – e, ao mesmo tempo, pode ajudar na aprovação daquele candidato que, muito preparado emocionalmente,tranquilo e certo de suas escolhas, não teve tempo de estudar toda a matéria do concurso.

Já apresentei algumas técnicas em colunas anteriores e falo bastante sobre o assunto em meus livros, mas hoje focarei na motivação que é uma das mais importantes formas de investir no preparo emocional.

Nada mais do que a disposição para agir, ou “motivo para ação” é o que faz todos nós levantarmos da cama pela manhã, o que faz com que concentremos na leitura e não na música, na TV, no facebook e no telefone, para dar alguns exemplos, também é aquilo que nos torna mais feliz.

No geral, todo projeto de longo prazo terá momentos de grande ânimo, momentos normais e momentos de desânimo, e vontade de desistir. Sabendo disso de ante mão, procure se preparar para os dias de baixa: eles virão e você vai precisar aprender a lidar com eles.

A motivação deve ser trabalhada diariamente. Todos os dias você pode e deve lembrar dos motivos que o estão fazendo trabalhar, estudar, ter planos,persistir.

A motivação deve ser redobrada nos momentos de crise, de desânimo e cansaço e,também, naqueles momentos de felicidade, conquista e realização. Nos primeiros, ela vai segurá-lo. Nos demais ela irá servir como combustível para permanecer na luta. Algumas vezes, você vai querer “surtar”, ter uma crise e parar um tempo. Tudo bem, tenha a crise, faça o que quiser, mas recomece sua vida mais forte ainda no dia seguinte.

Você pode criar técnicas para se animar. Quando eu começava a querer desanimar, por exemplo, olhava o contracheque que eu queria para mim e voltava aos meus objetivos. Conheço gente que tem a foto de um carro, de uma casa, a foto de onde quer passar as férias de seus sonhos, a foto de alguém que está distante. Toda a motivação, está dentro de você.

Seu cérebro, essa magnífica e eficiente máquina, funciona para atender às suas necessidades e saber como ele funciona e quais são os mecanismos principais para treiná-lo e condicioná-lo a um bom resultado podem não apenas auxiliar em suas conquistas profissionais, mas também pessoais e na realização de seus sonhos. O primeiro passo, de querer mudar e melhorar, você já deu, agora é trabalhar para manter não apenas a motivação, mas todo o preparo emocional.Descubra a técnica com a qual você mais se identifica e prepare-se emocionalmente para essa magnífica empreitada de tomar as rédeas da sua vida e de conquistar seus sonhos. 

William Douglas é juiz federal, titular da 4ª Vara Federal de Niterói – Rio de Janeiro e professor exclusivo em técnicas de motivação e memorização da rede LFG.

Comentários

Mais Lidas