Tudo Sobre

Concurso Banco Central

Confira dicas de estudo para o concurso do Bacen

Siga as orientações e prepare-se para o cargo de técnico (nível médio). Pedido para nova seleção no banco está no MPOG



Redação
Publicado em 22/10/2012, às 15h49

O Banco Central (Bacen) enviou ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) o pedido de autorização para um novo concurso em duas carreiras. Segundo informações do órgão, haveria 183 postos vagos no cargo de técnico (nível médio - R$ 4.917) e 1.637 no de analista (nível superior - R$ 12.960), totalizando 1.820 ocupações.
Mesmo sem uma previsão de quando o edital será publicado, quanto antes os estudos forem iniciados, melhor. Principalmente com base no número de inscrições do último processo seletivo, que chegou a 244.400, sendo a maioria (189.654) para técnico.
Para se preparar bem e ter a concorrência como uma aliada para conquistar o cargo de técnico do Bacen, confira as dicas dos professores quanto às disciplinas de língua portuguesa, raciocínio lógico, contabilidade e legislação.
Língua portuguesa
Sandra Ceraldi Carrasco: consultora e especialista em língua portuguesa, autora de livros e periódicos na área. Há mais de 20 anos ministra cursos e palestras. Atualmente é coordenadora do curso preparatório IPA
A prova aplicada pela Cesgranrio apresenta questões enxutas, por isso o candidato deve estar atento para o estilo de perguntas em questões que envolvam regras de gramática e acentuação e priorizem a extração de questões de textos da literatura luso-brasileira. Por isso, vamos a uma breve revisão de alguns conceitos importantes.
Você se recorda da diferença que existe entre “mau” e “mal”? Então memorize! No lugar de MAU, substitua-o por BOM, que é um adjetivo. Para MAL, troque-o por BEM, que é uma expressão adverbial e veja como é fácil: ”O mau-humor do candidato será mal visto pela banca examinadora, pois está mal-humorado”. Substituindo por seus antônimos teremos: “O bom-humor do candidato será bem visto pela banca examinadora, pois está bem-humorado”. Observe como é fácil e eficaz a substituição dos vocábulos por seus antônimos. Siga sempre essa dica e não erre mais!
E o que é correto? Chegou em casa muito estressado ou Chegou a casa muito estressado? Se você não tem habilidade com as preposições, que na língua indicam movimento e estaticidade, a dúvida pode surgir e o erro será fatal. Na linguagem cotidiana é comum “Chegou em casa muito estressado”, mas cuidado, o verbo chegar exige a preposição “a”, pois indica movimento, deslocamento; ao passo que a preposição “em” indica estaticidade, portanto não posso dizer que chegou no banco, no escritório, pois quem chega, chega a, então o correto é: “Chegou a casa muito estressado”. Não confunda com as situações: “Ele mora na rua José Bonifácio”, “O escritório situa-se no centro de São Paulo” e “Ele reside no bairro da Liberdade”, pois esses verbos, em suas expressões adverbiais estáticas, exigem a preposição “em”.
As palavras: “tampouco” e “tão pouco”, às vezes por falta de conhecimento, são escritas e pronunciadas de forma incorreta. Assim, temos de padronizá-las para uma perfeita locução. “Tampouco”, quando utilizado em frases, deverá ser substituído pelo vocábulo “muito menos” ou pela conjunção “nem”, veja: “Não consegui resolver os problemas da reunião passada, tampouco tive tempo para marcar uma nova assembléia”, ou seja, muito menos tive tempo ou nem tive tempo... “Tão Pouco”, em sua utilização rotineira, deverá ser substituído por “muito pouco”, expressão intensificadora: “Temos tão pouco sossego nesta nova moradia!” Ou seja, muito pouco sossego.

Raciocínio lógico
Luiz Cláudio Cabral e Mauro César Nunes: professores e autores do livro Raciocínio Lógico - Quantitativo (Campus/Elsevier)
Tendo como base o último edital para o Bacen, podemos observar que seu conteúdo programático prioriza o raciocínio analítico e descritivo, tendo o raciocínio matemático representado pelas sequências lógicas ou por situações que empregam cálculos matemáticos simples. Para melhor explicar, eles dividem em três partes, a saber:
Onde se lê: ...entender a estrutura lógica de relações arbitrárias entre pessoas, lugares, objetos ou eventos fictícios; deduzir novas informações das relações fornecidas e avaliar as condições usadas para estabelecer a estrutura daquelas relações.
Entenda como: Em prova, costuma-se ser cobrado, na forma de correlacionamentos lógicos, problemas que são encontrados com grande facilidade em revistas do tipo "coquetel", entre outras. Aqui, devemos distinguir os fatos que estão correlacionados em afirmações distintas, ou seja, de duas afirmações podemos deduzir (ou inferir do texto) uma terceira afirmação, que é um resultado lógico obtido das informações anteriores.
Onde se lê: Estímulos visuais...
Entenda como: A percepção visual em uma sequência lógica, seja ela: verbal, numérica, geométrica, entre outras, visa estimular o grau de concentração do candidato, qualidade essa de suma importância para o desempenho de suas atividades administrativas. Nos diversos certames anteriores é fácil perceber uma tendência de questões sobre esses assuntos, o que torna mais viável o direcionamento do seu estudo, bem como a familiarização com esses tipos de questões.
Onde se lê: Raciocínio matemático
Entenda por: O raciocínio matemático, dependendo da banca examinadora, pode ser cobrado de formas distintas, desde conceitos matemáticos usuais do ensino fundamental e médio até questões que não exploram fórmulas, mas apenas cálculos envolvendo situações que são aplicadas em nosso cotidiano. Destacamos, entre outros conteúdos, o cálculo com porcentagens, regras de três simples e compostas, razões e proporções e operações com conjuntos.

Contabilidade
Otávio Souza: professor da Federal Concursos e auditor fiscal tributário municipal de São Paulo (ISS-SP), atualmente no cargo de diretor de auditoria interna
Quanto à disciplina, o candidato que pretende ingressar como técnico do Banco Central, conforme último edital (2009), não precisa saber contabilidade bancária, mas é necessário estudar a contabilidade básica e alguns tópicos da contabilidade avançada.
Um bom caminho é começar pela parte teórica, iniciando pelo método das partidas dobradas. O conteúdo é importante pelo fato de que, na escrituração da contabilidade, toda vez que houver um lançamento a débito em uma conta, haverá o lançamento a crédito em outra conta. O método foi criado por Luca Pacioli: “não há devedor sem que haja o credor, e não há credor sem que haja devedor, sendo que a cada débito corresponde um crédito de igual valor”.
Outro assunto de grande relevância para o concursando é o conhecimento do regime de competência, porque a contabilidade registra seus fatos contábeis baseado nesse regime, conforme o artigo 177, da Lei 6.404/76.
O conhecimento das contas patrimoniais e de resultado, e também da estrutura do balanço e da demonstração do resultado do exercício são fundamentais, pois facilitam visualizar a aplicação do mecanismo de débito e crédito e a classificação das contas como patrimonial ou de resultado.
No concurso de 2009, a organizadora foi a Cesgranrio. Ainda não há certeza sobre a banca para o novo concurso, mas baseando-se no edital anterior, eu aconselho o candidato a fazer muitas questões da banca, principalmente para verificar os assuntos mais pedidos e como são cobrados. Quanto mais questões melhor, mas não é a quantidade que vai dizer o resultado, é o tipo de exercício. É bom que o candidato saiba disso. Então, é importante mesclar exercícios básicos com os mais complexos.No Banco Central, que edita normas para os demais bancos, a contabilidade não é somente tema de prova. O concursando aprovado para o cargo de técnico vai vê-la no dia a dia. 
Importante: É fundamental a leitura dos artigos 175 ao 205, da Lei 6.404 (atualizada com as Leis 11.638, de 2007, e com a 11.941, de 2009), pois a contabilidade no setor privado está quase toda contemplada nesses artigos.
Ricardo Oliveira, professor de contabilidade bancária da LFG e consultor da Caixa Econômica Federal
A contabilidade, no concurso anterior, foi a que teve mais vagas (100), e 200 aprovados foram chamados. O conteúdo é complexo. De acordo com as últimas provas, foram privilegiadas as questões numéricas. A novidade para agora é que a contabilidade internacional, pedida na última seleção com ressalvas, porque o conteúdo ainda passava por divergências doutrinárias, agora está todo harmonizado com a criação do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que envolve o Conselho Federal de Contabilidade (CFC), o Bacen e a Receita Federal.
Assim, aumenta a dificuldade para o candidato, que precisará ter bastante atenção, também, a pronunciamentos do CPC. Metade dos pronunciamentos vai abarcar toda a matéria. 
A contabilidade não é uma ciência exata, é uma ciência social. Por isso, quem não tem nenhuma base precisará de pelo menos quatro meses, com dedicação de blocos de duas horas diárias, para concentrar todo o conteúdo. 
Para quem já possui um certo domínio da matéria, há livros de questões por banca, o que facilita a preparação. Cursos online e presenciais são boas opções nos dois casos.
Devido às recentes mudanças voltadas à harmonização internacional da contabilidade, não estude a partir de livros que tenham edição superior a três anos. Só para se ter uma ideia, nos últimos dois anos a subconta que chama intangíveis (patentes, marcas, royalties) mudou três vezes de posição. 
Legislação
Norberto Florindo Júnior: professor da Central de Concursos, advogado e ex-oficial da Polícia Militar do Estado de São Paulo
Com relação ao Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826, de 22 de dezembro de 2003), o estudo da lei tem de ser dividido em duas partes. Na parte introdutória, geral, é importante se ater às formas de aquisição das armas de fogo, ao porte do armamento e aos requisitos para se comprar e trocar armas. 
Já a segunda parte trata dos crimes, do porte ilegal de arma de fogo. De forma geral, costumam pedir: requisitos para a aquisição de arma de fogo (parte legal de psicólogos), curso de tiro com órgão cadastrado na Polícia Federal e a ausência de antecedentes criminais. Neste tópico é preciso observar guarda e manutenção da arma de fogo, além das condutas relacionadas ao uso proibido e restrito. Por exemplo, os crimes relacionados à conduta dos donos das empresas de segurança, que são obrigados a comunicar o órgão policial em até 24 horas no caso de furto, extravio ou roubo de arma de fogo.
Quanto à Lei 7.102, de 10 junho de 1983, que versa sobre segurança de estabelecimentos bancários, é preciso direcionar a preparação no que tange a comportamentos do vigilante; normas de procedimento e abordagem; fiscalização; concurso da polícia para averiguação de conduta suspeita; cautela no emprego da arma de fogo para se evitar mal maior; escolta de autoridades, e a forma de agir, com calma e sem constrangimentos.
Ricardo Oliveira: professor de contabilidade bancária da LFG e consultor da Caixa Econômica Federal
As questões são conceituais e as leis, pequenas. Vale a pena ler diversas vezes para as ter praticamente de cor. Uma boa tática é ler, reler, grifar os pontos principais, fazer resumo e trabalhar com mapas mentais. Uma outra dica é gravar o conteúdo da lei com uma voz nítida e ouvir com atenção no trânsito, no transporte público e em outros tempos livres. 
15 dias de estudo são suficientes. A dedicação deve ser de, pelo menos, quatro horas por dia, divididas em blocos de duas horas, alternados por leis ou disciplinas.  
As questões da Cesgranrio e da ESAF são de múltipla escolha e conceituais, por isso são mais fáceis. Sempre há um comando em cima e se pede a alternativa falsa ou a verdadeira.
O mesmo não ocorre para o Cespe/UnB, que costuma trocar palavras com o mesmo som e significados diferentes, confundindo o candidato. Requer atenção redobrada. Pelo levantamento de provas anteriores que tenho feito, em 80% das questões, as substituições costumam ocorrer no final do texto. O agravante é que cada resposta errada anula uma certa, e cada alternativa independe da outra.
A mensagem que eu deixo é que quando se trata de legislação, por mais que o candidato tenha uma boa memória, não basta decorar, é preciso compreender o conteúdo para não cair em pegadinhas e conquistar a aprovação.
Palestra - A Central de Concursos realizará palestra sobre a próxima seleção do Banco Central. Conforme enfatizou o diretor de recursos humanos do cursinho, José Luis Romero Baubeta, “é importante concentrar forças e estudar com dedicação e antecedência”, portanto, não perca essa chance. O evento será gratuito e os participantes poderão tirar dúvidas referentes ao processo seletivo, inclusive sobre carreira, vantagens e benefícios. Os interessados devem fazer reserva por meio do site www.centraldeconcursos.com.br, por telefone (abaixo) ou pessoalmente, em qualquer unidade da Central de Concursos. Para conferir os endereços, clique nos hiperlinks: Centro: (11) 3017-8800;Santo Amaro: (11) 5189-8800;Santo André: (11) 4437-8800;Guarulhos: (11) 2447-8800Osasco: (11) 2284-8800;Artur Alvim: (11) 2045-8800; Taboão da Serra: (11) 4788-6600. O atendimento ocorre de segunda a sexta-feira, das 8h às 21h. Informações sobre datas, horários e nomes dos palestrantes também podem ser obtidas nas unidades do cursinho (os endereços estão no site).
Pâmela Lee Hamer e Renan Abadde

+ Resumo do Concurso Banco Central

Bacen - Banco Central
Vagas: Não definido
Taxa de inscrição: Não definido
Cargos: Não definido
Áreas de Atuação: Bancária
Escolaridade: Ensino Médio, Ensino Superior
Faixa de salário:
Organizadora: O próprio órgão
Estados com Vagas: AC, AL, AM, AP, BA, CE, DF, ES, GO, MA, MG, MS, MT, PA, PB, PE, PI, PR, RJ, RN, RO, RR, RS, SC, SE, SP, TO

+ Agenda do Concurso

22/10/2013 Divulgação do Resultado Adicionar no Google Agenda

Comentários

Mais Lidas