PC/DF desmonta quadrilha que fraudava concursos

Grupo também ‘vendia’ aprovações em vestibulares por valores entre R$ 80 mil e R$ 160 mil. Justiça autorizou cinco mandados de prisão preventiva, três de prisão temporária e oito conduções coercitivas

Da Redação*
Publicado em 31/10/2017, às 15h07

Uma quadrilha especializada em fraudarconcursos públicose vestibulares no Distrito Federal foi presa na manhã de ontem (30) na segunda etapa da Operação Panoptes, deflagrada pela Divisão Especial de Repressão ao Crime Organizado (Deco) da Polícia Civil.

A Justiça autorizou cinco mandados de prisão preventiva, três de prisão temporária e oito conduções coercitivas, além de buscas em 16 endereços localizados em Goiânia e em cinco regiões do DF.

As investigações mostraram que o grupo é responsável por tentar fraudar processos seletivos não apenas do Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos - Cebraspe (como indicava a primeira fase da operação, iniciada em agosto), mas também de outras bancas. A PC suspeita, ainda, que a quadrilha pretendia fraudar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano.

Entre os presos na segunda-feira estão Ricardo da Silva Nascimento, ex-funcionário do Cebraspe, e Weverson Vinícius da Silva, que atuava como aliciador. Hélio Ortiz, apontado como chefe da quadrilha, está detido desde a primeira fase da operação.

Segundo a Polícia Civil, o grupo cobrava entre R$ 80 mil e R$ 160 mil para aprovar candidatos inscritos em vestibulares. Para concorrentes de concursos, o preço cobrado era de 20 vezes o valor do salário a ser recebido no cargo público.

“Muitos davam um sinal entre R$ 10 mil e R$ 20 mil e, depois de assumirem o cargo, faziam empréstimos consignados para pagar o restante”, disse o delegado da Deco, Maurilio Coelho Lima.

Seleções do Cebraspe


Um dos presos na manhã de ontem, Nascimento foi demitido do Cebraspe, onde trabalhava desde 2014, por suspeitas de envolvimento com a quadrilha. Ele era investigado desde 2016, ano em que teria movimentado, em contas bancárias, cerca de R$ 1 milhão provenientes de fraudes.

“Ele recebia o gabarito e, antes de digitalizá-los, preenchia as questões com a resposta correta”, explicou o delegado-chefe adjunto da Deco, Adriano Valente.

“É muito importante frisar que o Cebraspe não participa dessa organização criminosa, e que vem colaborando desde o início, trazendo todas informações necessárias para que pudéssemos pedir a prisão preventiva do Ricardo, que era responsável por digitalizar os gabaritos das provas", completou Valente.

Lista de suspeitos


De acordo com Valente, a Polícia Civil tem nomes de mais de 100 suspeitos de participação no esquema de fraudes em processos seletivos. “A PC/DF vai chegar em todos que fraudaram e que entraram pela porta dos fundos em concurso públicos”, afirmou o delegado-chefe. 

Durante a segunda etapa da operação, também foi preso, em Goiás, André Luiz dos Santos Pereira, que teria comprado vaga para um dos concursos em investigação e, na sequência, colaborado com a quadrilha, atuando como aliciador.

*Com informações da Agência Brasil

Comentários

Mais Lidas