Nível fundamental

Marinha abre 1.860 vagas para fuzileiros navais

Ofertas são para o Rio de Janeiro (RJ), Brasília (DF), Rio Grande (RS), Belém (PA), Ladário (MS), Manaus (AM), Natal (RN) e Salvador (BA)

Renan Abbade
Publicado em 14/01/2014, às 11h07

Serão abertas, a partir das 8h do dia 3 de fevereiro, as inscrições para o curso de formação de soldados fuzileiros navais da Marinha. Ao todo, são 1.860 oportunidades distribuídas entre Rio de Janeiro – RJ (1.079), Brasília – DF (186), Rio Grande – RS (74), Belém – PA (112), Ladário – MS (74), Manaus – AM (205), Natal – RN (56) e Salvador – BA (74).

Para concorrer, o candidato deverá ser brasileiro, do sexo masculino; ser voluntário; ter, no mínimo, 18 anos e, no máximo, 21 anos de idade, referenciados em 1º de janeiro de 2015; não ser isento do serviço militar; estar em dia com as obrigações militares e eleitorais; ter concluído, com aproveitamento, o ensino fundamental; não ter sido desligado do Serviço Ativo, a bem da disciplina, por qualquer Força Armada ou Auxiliar, bem como, não ter sido desligado de curso de formação militar por excesso de falta ou má conduta; ter altura mínima de 1,54m e máxima de 2m; não ter sido considerado incapaz para o serviço militar em qualquer Força Armada ou Auxiliar; se militar ou reservista, ter graduação inferior a cabo; não possuir deficiência física ou qualquer outra contraindicação; estar em condições de saúde para realizar a inspeção de saúde e o teste de suficiência física; ter boa conduta social e não possuir antecedentes criminais; ter idoneidade moral e bons antecedentes; e possuir registro no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF).

As inscrições serão realizadas até o dia 27 de fevereiro pelo site www.mar.mil.br/cgcfn e o valor da taxa é de R$ 12.

Estão previstas seis etapas: exame de escolaridade, verificação de dados biográficos, verificação de documentos, inspeção de saúde, teste de suficiência física e exame psicológico.

Com duração de três horas, o exame de escolaridade acontece às 10h do dia 29 de abril e será constituído de uma prova escrita, com questões de língua portuguesa e matemática, abrangendo assuntos até o nível do nono ano do ensino fundamental. O candidato irá realizar a avaliação na cidade por ele indicada quando do preenchimento do formulário de inscrição.

Os candidatos aprovados no concurso e classificados dentro do número de vagas serão matriculados no C-FSD-FN e o realizarão na condição de Recruta Fuzileiro Naval (RC-FN). Durante o curso, o RC-FN perceberá o valor, aproximado, de R$ 590 por mês, como ajuda de custo para suas despesas pessoais. Mediante a aprovação no C-FSD-FN, o RC-FN será nomeado Soldado Fuzileiro Naval (SD-FN), quando passará a perceber a remuneração inicial da ordem de R$ 1.435. O C-FSD-FN terá a duração de, aproximadamente, 17 semanas e será conduzido no Centro de Instrução Almirante Milcíades Portela Alves (CIAMPA), localizado no Rio de Janeiro (RJ) e, simultaneamente, no Centro de Instrução e Adestramento de Brasília (CIAB), localizado em Brasília (DF), de acordo com currículo aprovado pela Diretoria de Ensino da Marinha e normas específicas em vigor no Corpo de Fuzileiros Navais (CFN), em regime de internato e dedicação exclusiva até a formatura.


APOSTILA ESPECÍFICA MARINHA - CLIQUE AQUI

Sobre Marinha - Marinha do Brasil

Marinha do Brasil pertence as Forças Armadas do Brasil e é responsável por conduzir operações navais. É a maior da América do Sul e da América Latina e a segunda maior da América, depois da Marinha dos Estados Unidos.

A Marinha esteve envolvida na guerra de independência do Brasil. Por volta de 1880, a Armada Imperial Brasileira era a mais poderosa da América do Sul. Após a rebelião naval de 1893, houve um hiato em seu desenvolvimento, até 1905, quando o Brasil adquiriu dois dos dreadnoughts mais poderosos e avançados da época, o que provocou uma corrida armamentista naval com as nações vizinhas, sobretudo a Argentina e Chile. A Marinha do Brasil participou na Primeira Guerra Mundial e na Segunda Guerra Mundial, participando de patrulhas anti-submarinos no Atlântico.

Comentários

Mais Lidas