O concurso do BNDES

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deve realizar concurso público no primeiro semestre do ano que vem. Com grande importância no desenvolvimento nacional, a instituição prioriza investimentos em setores que podem gerar div

Redação
Publicado em 26/09/2014, às 11h29

Fernando Bentes

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deve realizar concurso público no primeiro semestre do ano que vem. Com grande importância no desenvolvimento nacional, a instituição prioriza investimentos em setores que podem gerar diversos efeitos multiplicadores, como a criação de empregos, a diversificação das atividades econômicas, o aumento da produtividade e o incremento tecnológico.

O exercício de um cargo no BNDES traz um grande status ao seu ocupante na medida em que ele manipula decisões de alta complexidade e importância na economia. A experiência de toda uma vida lidando com empresas faz com que boa parte de seus funcionários tenham uma sobrevida após a aposentadoria, seja trabalhando em uma grande corporação ou fundando uma companhia ou consultoria.

Tendo em vista a recompensa salarial, o status, a possibilidade de progressão na carreira, inclusive, com ocupação de cargos de gerência e direção, é bem provável que muitos interessados apareçam. Logo, a preparação dos candidatos já deve começar.

Os cargos de profissionais básicos atingem diversas formações, do direito à engenharia. Todos os que possuem curso superior devem recorrer ao último edital para conferir quais serão as prováveis oportunidades que surgirão em 2015.

A prova objetiva trará questões de língua portuguesa, língua estrangeira e conhecimentos específicos. Esta última disciplina deverá concentrar a maior parte da pontuação. O exame enfocará muito os conhecimentos específicos de cada formação, o que se relaciona com o caráter de alta especialização técnica exigida dos funcionários do BNDES.

Recomendo que os candidatos recorram a cursos e livros bastante clássicos e atualizados, sem medo de investir na preparação. Já o estudo de línguas dependerá do nível de preparo de cada um. Se estiver muito afastado destas disciplinas, talvez seja interessante retomar os estudos. Se já tiver um conhecimento mais avançado, não precisa se dedicar com tanto afinco, pois isto não resultará em um ganho efetivo de pontos na prova. Para quem não sabe nada, estudar línguas pode contar muitos pontos. Para quem já sabe, vai agregar um ou dois pontos, portanto, é melhor se dedicar aos conhecimentos específicos, que ainda servirão para a segunda fase, de prova discursiva.

Para os cargos de nível médio, as disciplinas que compuseram o último edital deverão ser repetidas: língua estrangeira, conhecimentos gerais, conhecimentos específicos sobre o BNDES, língua portuguesa e matemática. Estas duas últimas matérias deverão valer bem mais que as outras, portanto, os candidatos devem dedicar atenção especial a elas. Na segunda fase, discursiva, a língua portuguesa ainda retornará como uma prova de redação.

Seja para o cargo de nível médio ou superior, os candidatos precisam manter uma rotina intensa de estudos, pois o concurso não será nada fácil. De todo modo, os benefícios da aprovação recompensam os sacrifícios. Quanto antes os candidatos começarem a se preparar, melhor!

Fernando Bentes é diretor acadêmico do site Questões de Concursos e professor de direito constitucional da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Comentários

Mais Lidas