O tabu da redação

Com a publicação do edital é que muita gente começa a escrever redação. Esse é um erro grave! Quanto mais prática de escrita, melhor será o desempenho do candidato

Janaina Arruda
Publicado em 13/09/2016, às 12h58

Existe um conteúdo para as provas de concurso que gera muita divergência no momento do estudo. Você saberia dizer que conteúdo cobrado em edital é esse? Se você pensou “Redação”, acertou. Eis um tópico cobrado em muitos editais que tira o sono de muita gente. 
Para quem está acostumado com a rotina de estudos, provavelmente existirá um tempo dedicado à escrita dos textos. Uma vez na semana, duas vezes, dependerá do perfil de cada um. Entretanto, uma coisa é certa: a redação é parte imprescindível a ser considerada no momento de organizar os estudos. 
Muitos concurseiros acreditam que a redação só entrará no planejamento de estudos quando o edital do concurso esperado sair, pois só assim haverá a certeza de que o texto dissertativo fará parte da prova. Assim, com a publicação do edital é que muita gente começa a escrever redação. 
Esse é um erro grave! A redação consiste em prática. Quanto mais prática de escrita, melhor será o desempenho do candidato. Começar a praticar a escrita já com data de prova marcada é assinar a própria condenação antes mesmo da prova. O texto dissertativo precisa de tempo para ser organizado mentalmente pelo candidato; à medida que a produção vai se tornando mais frequente, as dúvidas com relação à estruturação ou à apresentação vão se dissipando. Não existe outro caminho, é preciso sentar-se diante da folha em branco e organizar os pensamentos no papel. Não é tarefa tão fácil e necessita de tempo. 
Vejamos três editais abertos recentemente: TRE-SP, TRE-PE e Anvisa. As três provas contemplam a escrita de texto dissertativo. E o mais interessante disso, segundo os editais, a redação versará sobre temas da atualidade. Percebemos, assim, que não importa para qual carreira você esteja estudando, a redação será uma constante em provas de concursos. 

Eu sei que você deve estar se perguntando sobre a dificuldade ou facilidade desse tipo de texto. Posso antecipar que temas que envolvem atualidades podem ser uma armadilha. Por um lado, esse tipo de tema permite ao candidato dar aquela “enrolada”, caso não tenha muito conhecimento sobre o assunto; por outro lado, será preciso selecionar bons argumentos para apresentar uma linha coerente e convincente de raciocínio e conquistar pontos elevados. 
Muitas vezes, os chamados temas fechados podem ser mais fáceis, para quem tem bagagem de estudo. Nos temas fechados, é preciso escrever em formato dissertativo os aspectos solicitados pela banca, sejam eles em forma de tópicos implícitos, explícitos, estudo de caso ou questão teórica; ou seja, não será possível “enrolar”, quem sabe, sabe. 
Ainda assim, seja texto aberto ou fechado, uma certeza se faz presente: o formato dissertativo. Não adianta acreditar que a redação do tempo da escola vai ajudar em alguma coisa. As provas de concurso exigem uma outra forma de escrita. Será preciso praticar pensando na área que se busca, refazendo temas de concursos anteriores, mesclando possibilidades entre textos abertos e fechados. 
Vale destacar que a redação para o concurso não exige do candidato uma escrita machadiana; o simples, o objetivo e o conciso são ferramentas indispensáveis para um bom texto. Nada de “enfeitar” a redação com palavras rebuscadas ou construções em ordem indireta. Facilite o trabalho da banca! 
Uma pergunta que sempre surge é: como posso praticar redação se não tenho quem corrija os meus textos? Isso não é desculpa para não escrever! A internet pode ser usada e deve ser usada para o estudo também. Existem muitos textos divulgados de candidatos que tiraram notas excelentes nos mais diversos concursos. Ler essas produções e compreender a forma como elas foram construídas pode ajudar no momento de escrever a própria dissertação. Trocar textos com colegas de estudo também é outra possibilidade, pois será outra visão sobre a escrita de nossos textos. 
Se você ainda não começou a sua maratona de escrita, não deixe para a publicação do edital. Comece hoje mesmo a praticar, pegue a última prova daquele concurso para o qual você estuda e produza o seu texto. Caso você já esteja envolvido nessa rotina de escrita, sinta-se em vantagem, pois existem muitos candidatos que nem sabem o que significa texto dissertativo. E lembre-se de que o primeiro critério de desempate dos concursos é a redação. Será ela uma alavanca a impulsionar sua colocação ou uma pedra difícil de carregar que atravanca o seu caminho. A escolha é sua, a redação é sua; a vaga pode ser sua.
Janaina Arruda é professora de língua portuguesa no AlfaCon Concursos Públicos

Comentários

Mais Lidas