Professores dão orientações para as provas de maio

Especialistas destacam estratégias para otimizar o estudo para o teste que será realizado no dia 22 de maio

Redação
Publicado em 01/04/2011, às 15h03

Com a abertura, na última semana, da fase de inscrições do concurso para analista de promotoria promovido pelo Ministério Público de São Paulo (MP/SP), se torna providencial para os candidatos apurar dicas nas disciplinas exigidas no edital de abertura. Foi com esse intuito que a reportagem do JC&E procurou professores com amplo repertório e profundo conhecimento dos ânimos de bancas organizadoras de seleções como essa, que oferece 58 oportunidades em diversas áreas (mais sobre isso na matéria da página três).

O cargo de analista de promotoria apresenta duas subdivisões que admitem profissionais graduados em diferentes especialidades e os exames cobrarão essas especificidades. Contudo, é equivalente para todos os candidatos o teor de conhecimentos gerais disposto no edital. Esse conteúdo é constituído pelas disciplinas de língua portuguesa, matemática, direito constitucional, atualidades e raciocínio lógico.

A prova objetiva, que terá 70 questões de múltipla escolha, está marcada para o dia 22 de maio.  

Língua portuguesa

Crucial para qualquer banca, as questões de português são as que menos variam, lembra o professor Carlos V. Calil do curso preparatório Robortella. “Há questões que sempre aparecem nessas provas. Por isso, a melhor maneira de se estudar, além de fazer um bom curso teórico, é resolver as questões de concursos anteriores. Pois assim ficará fácil saber como a banca examinadora cobrará esses assuntos e no dia não haverá surpresas; você saberá colocar o “x” no lugar correto”.

O docente argumenta que as bancas, em seleções dessa natureza, dão prioridade a textos dissertativos e que se relacionem com a função que está sendo disputada. “A preferência é por textos dissertativos, que versem sobre temas da atualidade e pertinentes ao concurso”, explica. Calil salienta que existem elementos que predominam nesse tipo de texto e que o candidato deve procurar identificá-los o mais rápido possível. “O uso da linguagem denotativa e conotativa, as palavras chaves e atenção à morfologia e sintaxe”, enumera o professor.

Outros aspectos que merecem atenção do candidato nessa fase de preparação são classe de palavras (“estude bem o emprego de pronomes, os tempos e os modos verbais e seu reconhecimento e, principalmente, o emprego das conjunções”), concordância verbal e nominal (“este é um assunto que cai sempre”), regência verbal e nominal (“a maior cobrança desse assunto é com a verbal, por isso muita atenção com a exigência do emprego”), colocação pronominal (“seguir e flexionar todas a regras de próclise, ênclise e mesóclise”) e crase (“Há um envolvimento com a regência verbal. Muito cuidado com as regras, principalmente com os  pronomes demonstrativos e substantivos femininos”).

O professor não se furta de lembrar o candidato da importância de fixar a nova ordem ortográfica. “Com muita atenção às mudanças promovidas pela reforma de alguns anos atrás”.  

Direito constitucional

O professor Roberto Bacchiega recomenda que os candidatos foquem os chamados remédios constitucionais: “habeas corpus”, “habeas data”, mandado de segurança e mandado de injunção. Também integrante do corpo de docentes do curso preparatório Robortella, Bacchiega frisa a importância de se aprofundar nesses tópicos e julga importante duas observações: “o mandado de segurança pode ser individual ou coletivo e norma constitucional de eficácia limitada (mandado de injunção) é aquela que prevê direitos e liberdades constitucionais ou, ainda, prerrogativas concernentes à soberania, cidadania e nacionalidade, mas, para que tais direitos possam ser exercidos de maneira ampla, é imprescindível a elaboração de – por exemplo – uma lei regulamentadora”. Para o professor, são dois pontos que merecem atenção dos candidatos.

Atualidades

“A política externa brasileira é um assunto que está muito em alta, até mesmo em virtude da visita do Obama”, argumenta Orlando Stiebler, titular da disciplina no cursinho Damásio de Jesus. Segundo Orlando, outros temas “quentes” são as crises no mundo árabe, com especial atenção para as deflagradas no Egito, Tunísia e Líbia. “A economia mundial e a guerra cambial são temas que estão sempre em evidência”, sacramenta o professor.

Orlando pontua que o risco nuclear no Japão e assuntos em pauta no congresso nacional, como a reforma política e a usina de Itaipu, são obrigatórios na preparação para a prova do dia 22 de maio.

Matemática

Com um conteúdo programático bastante amplo que abrange desde operações com número reais até juros simples e compostos, o professor Eugênio Montoto recomenda cautela. Ele lembra que são apenas 10 questões e que dificilmente todo o conteúdo será cobrado. Ele chama a atenção para a segurança que o edital oferece na disciplina: “A prova de matemática tem um programa sem surpresas e apresentado de forma clara”. Montoto dá a receita para otimizar o tempo de estudo e também de avaliação: “Os desafios da prova serão as questões que envolvem sistemas de medida, problemas envolvendo equações de primeiro e segundo grau e progressão aritmética”, especula.

Raciocínio lógico

Por outro lado, segundo Montoto, o programa para a prova de raciocínio não é tão claro assim.  “Pela nossa experiência e analisando as últimas provas desta banca examinadora (Instituto Cidades) podemos traduzir o programa da seguinte forma: teoria de conjuntos, álgebra das proposições, equivalência lógica e estruturas lógicas”. O edital de abertura, porém, não esclarece o que será cobrado nessa disciplina. A descrição é genérica e inconclusiva. O professor, sem medo de errar, recomenda: “Cabe ao aluno fazer uma  bateria de questões das últimas provas dessa banca examinadora”.



Reinaldo Matheus Glioche

Comentários

Mais Lidas