Quando o apoio é garantia de sucesso

Vanessa Ramirez Corrêa Anastácio conta como foi sua experiência para ser aprovada no concurso de auditor técnico de tributos municipais de Belo Horizonte

Redação
Publicado em 03/08/2012, às 15h53

Apoio. Este foi um dos fatores que contribuíram para a aprovação de Vanessa Ramirez Corrêa Anastácio, 28 anos, no concurso para auditor técnico de tributos municipais de Belo Horizonte (MG).

Formada em ciências contábeis pela Universidade Católica Dom Bosco, de Campo Grande (MS), no ano de 2005, Vanessa deixou um trabalho na iniciativa privada, com salário razoável, mas, segundo ela, com jornadas de 11 a 12 horas por dia, além de alguns finais de semana. “Queria um emprego com horários mais definidos, pois estava pensando em  engravidar e gostaria de ter tempo para cuidar do bebê”. Foi nessa hora que o apoio do marido foi fundamental. “Eu e meu marido conversamos, fizemos contas, planejamos e decidimos que eu iria largar o emprego e apenas estudar”.

Quando perguntada se esse concurso era sua meta principal, Vanessa é clara: “BH nunca foi meu objetivo. Como não conheço ninguém na cidade, nunca sonhei em morar lá. Sempre pensei em ficar entre Mato Grosso do Sul e Paraná. Mas tenho recebido tantos comentários positivos da cidade que estou ansiosa para me mudar para lá”. Segundo edital do concurso, a remuneração do cargo pode chegar a R$ 12,8 mil.

Desde o início, tentou concursos na área fiscal. “Esse foi o terceiro concurso que fiz. Em março, fiz o ISS-SP. Consegui apenas o mínimo na maioria das matérias, fiz mais de 80% apenas em Direito Tributário e Legislação Específica, ficando longe na classificação final. Em abril, fiz o ISS-São José dos Campos. Acertei 73% da prova e fiquei por duas questões para ter a prova discursiva corrigida. No mesmo mês, fiz o ISS-BH. Acompanhando a minha evolução nas últimas duas provas, o objetivo era ter a discursiva corrigida e, para minha felicidade, consegui muito mais do que isso!”.

Vanessa pediu demissão do emprego no final de 2010 e, em janeiro de 2011, começou a estudar para concursos. “No começo estava bem perdida, comprei materiais de péssima qualidade, não sabia nem por onde começar. Como estou morando em uma cidade no interior do Mato Grosso do Sul com oito mil habitantes, não há cursinhos presenciais. Comecei a pesquisar na internet, em fóruns sobre concursos, conversei com amigos e parentes concurseiros e concursados e fui descobrindo em quais materiais investir. Baseei-me no edital do último concurso para fiscal de rendas aqui do Mato Grosso do Sul e distribui as matérias.”

A nova auditora diz que um artigo que leu do professor Alexandre Meirelles falando do estudo em ciclos ajudou bastante. “Dividi meu ciclo em 20 horas e distribui as matérias a cada uma hora, uma hora e meia. Depois disso, meus estudos realmente começaram a render. Estudava de quatro a cinco horas por dia durante a semana e duas horas por dia nos finais de semana. Fazia muitos exercícios das principais bancas. Comecei a adotar o estudo como passatempo e lazer. Quando saíram os editais, resolvi me inscrever para ver meu desempenho. Em janeiro, mudei minha rotina, comecei a estudar em torno de dez horas por dia, e nos finais de semana umas cinco horas. Nada de feriado, Carnaval, mas isso não me entristecia pois tinha apoio do marido e estava focada no meu objetivo, estava feliz da vida estudando”.

Quanto às dificuldades, ela afirma: “Confesso que foram poucas. Tenho um marido maravilhoso que me incentivou, financiou e nunca fez cobranças. Então nunca tive que me preocupar com as contas no final do mês, nem tive aquela pressão para passar logo. Meu objetivo era passar em um concurso da área fiscal no prazo de dois anos. Sou muito desorganizada, e como a organização é fundamental, tive muitas dificuldades nisso”.

Para quem busca a mesma alegria que Vanessa obteve neste ano, ela deixa algumas dicas. “Torne o estudo algo prazeroso. Eu aprendi a gostar de estudar, isso me ajudou muito. Me sinto feliz quando percebo a evolução do meu aprendizado e isso dá motivação. Lógico que tem dias que a vontade de estudar some. Nestes dias a determinação tem que falar mais alto. Para não ficar sem estudar, eu separava as matérias que mais gosto e me dedicava a elas, depois compensava essas horas no ciclo e tentava ajustar ou fazia apenas exercícios. Essa dica eu sempre li e digo que realmente é válida, façam muitos exercícios de todas as matérias”.

Renan Abbade/SP

Comentários

Mais Lidas