Quem vem com tudo não dança

O auditor-fiscal da Receita Federal, Eden Ribeiro, conta suas experiências no mundo dos concursos e dá dicas para quem quer obter sucesso

Redação
Publicado em 23/03/2012, às 16h02

Essa é a frase que Eden Ribeiro, auditor fiscal da Receita Federal desde julho de 1999, utiliza quando fala sobre a necessidade do candidato estar preparado para a realização das provas nos concursos públicos. “Confie em você! Esteja emocionalmente preparado”, diz.
Natural de Brasília, Eden afirma que respirava concurso por toda a parte. “Tem sempre bons concursos em pauta. Há muitos cursinhos e sempre tem algum amigo ou conhecido estudando ou que já foi aprovado. Eu não pensava em ser servidor público até que comecei a conhecer amigos que entraram e que me falavam dos benefícios. Na época, o salário me atraiu muito, mas foi a demissão repentina que me fez prestar concurso com seriedade”.
A empresa em que trabalhava rescindiu o contrato com os Correios e os funcionários foram demitidos. Foi nesse momento em que resolveu se dedicar aos concursos e colocou na cabeça que iria estudar até passar, independentemente do tempo que levasse. Desde que tomou essa decisão, não demorou nem um ano para ser aprovado como auditor fiscal.
O concurso para fiscal, no entanto, não foi o primeiro que prestou. “Fiz AFTN (auditor fiscal do Tesouro Nacional, atual auditor fiscal da Receita Federal) em 1996, auditor fiscal da Previdência Social, analista do Banco Central, dentre outros.”
A primeira aprovação foi para agente da Polícia Civil do Distrito Federal, que exigia nível médio, aos 26 anos. “Eram 741 vagas, passei em 736º. O interessante é que este cargo de nível médio na época pagava mais do que eu recebia como engenheiro na iniciativa privada. Passei no final da fila, mas estava dentro. Foi emocionante ser aprovado e classificado no primeiro concurso. Esta aprovação me deu ânimo para estudar e me dedicar a um cargo de nível superior”.
A rotina envolvia, basicamente, um cursinho à noite, das 19h às 22h30. Mais perto da prova, Eden acordava às 9h, tomava um café da manhã reforçado, ia para a biblioteca da Legião da Boa Vontade (LBV) em Brasília e só saía quando os guardas avisavam que iam apagar as luzes e fechar. “Em provas de nível superior não tem como fugir de uma realidade: é muita matéria e é preciso muita leitura. O primeiro passo na direção de ser reprovado é achar que estudando perto da prova você terá chance. Esquece. Tem que se preparar com calma e com tempo. Resultado é produto de três fatores: objetivo, foco e tempo de preparação. Para alguém com objetivo claro, bem focado e com bom tempo de preparação, a aprovação é quase certa!”.
Eden investiu o FGTS na compra de kits de apostilas da carreira fiscal, ingressou em um curso preparatório para auditor e quando o edital do tão esperado concurso da Receita Federal foi autorizado, se matriculou em um curso só de exercícios. “A rotina estava pesada e senti que precisava de uma força, além das vitaminas que tomava para continuar. Escrevi um pequeno texto e o coloquei na capa de todas as apostilas, carteira e objetos de uso pessoal. Era uma oração que me lembrava, em poucas palavras, o quão importante era manter o foco nos estudos e os benefícios da aprovação.”
Quando da publicação do edital, veio uma surpresa: apenas 10 vagas de auditor para a região que pretendia concorrer. Estimulado por um professor do curso que fez, encarou o desafio. “E acordei aos gritos do meu irmão dizendo ‘Você passou, você passou!’. É impossível descrever o que senti”.
Além da autoconfiança, Eden tem mais dicas para quem quer obter o sucesso. “Prepare-se com seriedade e objetividade. Monte um plano de estudos com todo o conteúdo do concurso. Mire-se no último edital, pois ele diz muito sobre como será a próxima seleção. Treine muito para fazer a prova. Faça exercícios de forma sistemática e reiterada. Depois que você passar, começar a trabalhar na área e se especializar, verá que a prova é fácil e provavelmente responderá toda ela se tiver um final de semana inteiro para fazê-la. O problema é que concurso tem tempo limite, normalmente de quatro minutos por questão. Por isso é essencial fazer exercícios. Assim como um bom jogador treina intensamente, assim como um bom ator ensaia incansavelmente, um bom candidato faz exercício, muito exercício.”
Renan Abbade/SP

Comentários

Mais Lidas