A experiência que começa aos 50

"Mesmo com 50 anos, prestei meu primeiro concurso e fui aprovada, graças a minha dedicação”, conta Maroa Gomes.

Redação
Publicado em 20/01/2012, às 16h00

Quem nunca sonhou em chegar aos 50 anos com uma bela carreira profissional, filhos, amigos e muitas histórias para contar? Pois essa era a vida de Maroa Santiago Gomes quando decidiu escrever mais um capítulo em sua trajetória e conquistar uma vaga de enfermeira em concurso público.

Natural de uma reserva indígena em São Gabriel da Cachoeira, Estado do Amazonas, Maroa formou-se em enfermagem na Faculdade LS de Brasília, onde vive atualmente. Viu no concurso do Hospital das Forças Armadas (HFA) a oportunidade para conquistar seu objetivo, em 2009.

Confiante, a enfermeira estudou cerca de quatro horas por dia para prestar seu primeiro concurso. O esforço foi recompensado: passou em primeiro lugar. “Foi gratificante, pois me esforcei muito para passar. Mesmo com 50 anos, prestei meu primeiro concurso e fui aprovada, graças a minha dedicação”, conta Gomes. A conquista logo no primeiro teste não foi uma surpresa para ela, mas sim, consequência de sua força de vontade. “Estava empenhada e preparada para o concurso. Estudei bastante”, explica.

Com a rotina de estudos puxada, o apoio de pessoas próximas foi fundamental para alcançar seu objetivo. “Era complicado, porque eu trabalhava e fazia faculdade, então o meu tempo de estudos era no intervalo e no trabalho. Meus professores na faculdade sabiam da minha necessidade financeira e, por isso, graças a eles estou concursada. Sempre me ajudaram muito, entenderam que eu precisava passar. Fui uma boa universitária, os professores davam dicas para concursos e até tempo para estudar”, comenta.

Maroa, mãe de três filhos, prefere os métodos tradicionais de estudo. Foi com livros especializados que encontrou segurança para adquirir conhecimento. Esta, por sinal, nunca foi sua dificuldade. “Eu era fascinada por enfermagem, meu bem maior era estudar, sinto um grande prazer e hoje estou na quinta pós-graduação e tenho mestrado”, conta a enfermeira, sobre a dedicação de estudar mesmo nos momentos de lazer. Assim como para boa parte dos concurseiros, o apoio da família é essencial. “Foi muito importante, tive apoio incondicional, me ajudou bastante”, lembra.

Hoje, aos 52 anos, Maroa ocupa o cargo comissionado de diretora geral de saúde das cidades de Guará e Vila Estrutural, no Distrito Federal. Ficou surpresa ao receber o convite, mas encarou o desafio. “Eu consigo atuar bem em saúde pública, entendo sobre epidemiologia e com esse conhecimento posso ajudar a comunidade local. E com isso, decidi aceitar o convite para o cargo de diretora”, conta.

Aos concursandos de primeira viagem, a enfermeira deixa uma dica valiosa. Não importa a idade, mas sim a força de vontade do candidato. “Tem que ter dedicação, essa é a palavra chave, não adianta estudar apenas pela avaliação, mas eu consegui bastante conhecimento. Coloquei na minha cabeça que gostaria de um cargo público e consegui, mesmo aos 50 anos”, diz.

Quando perguntada sobre a carreira ao longo dos anos, uma curiosidade sobre sua personalidade lhe veio à mente. “Como sou diretora, recebo estagiários de enfermagem e sou bastante ‘dura’ com eles, sempre trato a importância de estudar, de ter dedicação com o que deseja. E que o conhecimento ninguém tira”.

Maroa demonstra preocupação e sabe que seu conhecimento pode ser muito útil aos jovens. “Os estagiários de enfermagem passam por um treinamento aqui. Percebo que muitos deles estão empenhados a obter mais conhecimento, querem aprender mais. Gosto de explicar a importância de estudar e trabalhar para a comunidade da região”, comenta.

Receber os estagiários no hospital faz parte de suas atribuições. Maroa fica feliz com o sucesso dos jovens na profissão. “Conheço vários alunos que foram efetivados, e todas as vezes que nos encontramos agradecem. Fico bastante contente com a vitória dos alunos, consegui ajudá-los a realizar um sonho profissional”, finaliza.

Comentários

Mais Lidas