Visite nosso banheiro!

Hoje vamos falar sobre “vandalismo organizacional”. Parece até uma piada, mas existe e deve ser tratado

Redação
Publicado em 15/06/2009, às 09h31

* Profº. Edison Andrades


Hoje vamos falar sobre “vandalismo organizacional”. Parece até uma piada, mas existe e deve ser tratado. Tenho uma teoria que é a seguinte: “Quer conhecer os colaboradores de uma empresa? Visite o banheiro!


Em minhas palestras e consultorias pelo país afora, tenho presenciado muitas situações que envolvem o vandalismo interno. Obviamente que assim como a “rádio-peão”, o vandalismo também se apresenta de forma sutil e quase imperceptível. O fato é que as empresas acabam não dando muita importância para isso e quando desejam fazer algo, quase sempre é tarde.

Existem organizações preocupadas demais com programas de desenvolvimento tecnológico e outros programas bacanas existentes neste mundo corporativo, mas chamo a atenção para o vandalismo. Não percebemos, mas quando temos um problema “monstruoso”, geralmente iniciou com pequenos detalhes. Assim é em nossa vida financeira, afetiva e não poderia ser diferente na carreira profissional. Entre o discurso das pessoas e suas atitudes existe um grande espaço! (pais, por exemplo, que ensinam seus filhos a não mentirem, são os mesmos que mandam dizer que não estão, quando não querem atender alguém...)


Quando, numa empresa, há portas e paredes de banheiros, repletos de insultos e pornografias, significa que temos, associada aos colaboradores internos, índoles contaminadas. Por melhor que, tecnicamente, seja um profissional, de nada adianta se este pertencer à classe dos delinqüentes.

Acompanho organizações investindo em seus colaboradores no que tange aprimoramento técnico, lingüístico e até comportamental. Dizem que se conhece verdadeiramente uma pessoa, quando esta se encontra sozinha. Quem “picha” banheiros, está sozinho!

Ao compartilhar este assunto com especialistas, obtive várias opiniões, dentre elas a de conscientizar seus colaboradores que a empresa representa “quase” sua segunda casa (para alguns, representa a primeira...); outros acham que o problema está na seleção de pessoal; etc. etc. e etc.. Deixo com vocês a minha opinião: MANDE EMBORA! Puxa... que opinião radical !! Também acho, mas ratifico que o vandalismo está dentro de alguns “seres humanos”. Não será na empresa que isso será curado, pois não é esse o papel das organizações, já que existem entidades especializadas neste assunto.


A empresa deve sempre preservar a integridade da maioria, ou seja, pessoas decentes não precisam presenciar “bandalheiras” alheias (o mesmo vale para palavras de baixo calão como os palavrões, pronunciadas abertamente no ambiente de trabalho). Deve haver punições, advertências e até dispensas.


Aconselho os empregadores unirem-se a recursos tecnológicos, além de abrir um disk-denúncia anônimo, para caçar os “ratos”. Também estimulo os empregados a contribuírem com este processo. “Uma empresa é feita por pessoas, portanto trabalhamos e habitamos sobre aquilo que construímos”. Somos responsáveis pelos fatores físicos (higiene e segurança) e psicológicos (relacionamentos) de qualquer ambiente. Lembre-se: a humanidade começou com apenas um homem; uma cidade com apenas uma idéia e um caráter começa com apenas um comportamento. Você pode fazer toda a diferença!


Ah! E nunca esqueça de incluir Deus em todos os seus planos.


Envie sua mensagem para nosso blog: blog.jcconcursos.uol.com.br/professoredison, ou para o e-mail edison.andrades@terra.com.br. Terei imenso prazer em recebê-la.
Grande abraço.


* Profº Edison Andrades é Psicólogo - Especialista em desenvolvimento profissional e aconselhamento de carreira (Counseling); MBA; Escritor (autor do livro: Como Perder o Emprego (com competência)- Giz editorial); ex-Diretor de RH. É professor universitário atuando nas áreas de Administração e Marketing. Como consultor e palestrante atua em algumas das principais empresas nacionais e multinacionais do país. É palestrante e instrutor organizacional há mais de dez anos, onde destaca-se devido sua performance teatral, motivacional e irreverente ao transmitir conhecimentos. Marque uma consulta e conheça sua metodologia. contatos:  e-mail: edison.andrades@terra.com.br;  site: www.edisonandrades.com.br.

Comentários

Mais Lidas