Passado, presente e futuro

Em qual deles você vive?

Redação
Publicado em 07/12/2009, às 10h02

* Profº. Edison Andrades


Ouvi algo por estes dias que me chamou muito a atenção e desejo compartilhar com você: “em um automóvel temos o espelho retrovisor muito menor que o para-brisas.” E a explicação é simples:
“devemos usar nosso passado apenas como guia de referência para nosso futuro, pois o que temos pela frente é que deve realmente ser amplo em nossa vida.”

Vejo nas organizações pessoas muito mais preocupadas com o que já passou, do que com os objetivos e metas que se seguem. O mais importante passa a ser encontrar um culpado para uma situação, ao invés de planejar e estruturar as estratégias para os próximos desafios.

Não descarto a importância de localizarmos os reais responsáveis pelas ocorrências anteriores, mas enxergo uma dedicação muito grande em localizar os agentes nocivos e pouco investimento em identificar os talentos que alavancam os resultados. Mas isso faz parte de nossa espécie! Podemos usar como exemplo um acidente de trânsito, onde ao invés de socorrerem a vítima, muitos preferem linchar os culpados, enquanto o acidentado morre por falta de socorro.

Nas empresas funciona de forma semelhante, pois preferimos olhar para o passado com mais veemência a preocuparmo-nos com o presente para chegar de forma saudável num futuro vindouro. Agora complicou!! Quero mostrar que qualquer trabalhador participa desses três fatores (passado, presente e futuro), e que a única coisa que realmente temos contato é com o presente. Um presente que deixa de ser a cada instante tornando-se passado.

Quando nosso “retrovisor” é maior que nosso para-brisa podemos virar saudosistas estagnados, ou seja, viver e se alimentar daquilo que não existe mais, daí nos deparamos com profissionais ultrapassados e sem utilidade para o mercado, que usam apenas suas experiências anteriores como carro-chefe em suas atribuições. Pior os que usam suas frustrações.

Tenho muitos clientes e amigos que se consideram estabilizados por dominarem uma habilidade e conhecimento em determinado segmento, mas não percebem que isso isoladamente não basta, pois o mundo inteiro está investindo em coisas novas (inovações), e sempre encontraremos uma forma melhor de desempenhar determinada função. Estamos na era da vantagem compartilhada, isso significa empresas se unindo a concorrentes para conquistarem novos mercados; pessoas voltando para a escola, com o objetivo da conquista por uma melhor fatia no mercado de trabalho; jovens precocemente se profissionalizando em áreas que ainda nem existem (profissões do futuro). Enfim, o mundo está se reciclando.

Voltando ao exemplo do automóvel

Quando enxergamos através do para-brisa (futuro) constatamos que nossa visão não possui alcance suficiente para contemplá-lo, mas em breve tomaremos contato com novos obstáculos e novas opções de caminho. Ao avistarmos o espelho retrovisor (passado), embora numa moldura menor, também contemplamos um universo de fatos passados aparentemente infinitos, não teremos mais contato, pois acabam de passar. Ao compararmos estes dois anteriores, constatamos que o presente significa o interior do veículo, ou seja, algo pequeno e finito, mas é ali, no presente, o lugar de decidir o quê deve ser deixado para trás, e, principalmente, para onde avançar. Temos também um painel onde medimos nossa velocidade (ansiedade) e o nível de combustível (energia motivacional), alguns pedais que nos ajudam a acelerar em alguns momentos, parar em outros. É no presente que seguramos o volante.

Costumo dizer que o automóvel é presente de Deus, mas o controle e a direção estão sob nossa alçada.

Para onde você está se dirigindo? Para o passado ou para o futuro?

Ah! E nunca se esqueça de incluir Deus em todos os seus planos.

Nosso espaço:

Envie sua mensagem para nosso blog: blog.jcconcursos.uol.com.br/professoredison,

ou para o e-mail:  edison.andrades@terra.com.br. Terei imenso prazer em recebê-la.

Grande abraço.

* Profº Edison Andrades é Psicólogo - Especialista em desenvolvimento profissional e aconselhamento de carreira (Counseling); MBA; Escritor (autor do livro: Como Perder o Emprego (com competência)- Giz editorial); ex-Diretor de RH. É professor universitário atuando nas áreas de Administração e Marketing. Como consultor e palestrante atua em algumas das principais empresas nacionais e multinacionais do país. É palestrante e instrutor organizacional há mais de dez anos, onde destaca-se devido sua performance teatral, motivacional e irreverente ao transmitir conhecimentos. Marque uma consulta e conheça sua metodologia. contatos:  e-mail: edison.andrades@terra.com.br;  site: www.edisonandrades.com.br.

Comentários

Mais Lidas