Foliões do trabalho

Chegou o Carnaval. A data tão esperada por aqueles que adoram um “feriadinho”.

Redação
Publicado em 17/02/2010, às 10h17

* Profº. Edison Andrades

Chegou o Carnaval. A data tão esperada por aqueles que adoram um “feriadinho”. Independente do ano ou mês este “presente” sempre cai na terça e com isso sugere, quase que ingenuamente a morte da segunda, afinal, que sentido teria irmos trabalhar na segunda sendo que já na terça nos ausentaremos novamente?

Ironias à parte, devo salientar os estragos que o Carnaval pode trazer aos negócios e carreiras.

Respeito as escolhas das pessoas, pois quem gosta de se divertir muitas vezes encontra no Carnaval sua oportunidade, só não esqueça que isso não deve substituir sua integridade profissional, ok?

Esta festa colorida e cheia de ornamentos ocorre uma semana por ano (exceto em alguns estados, onde o Carnaval estende-se pelo mês de fevereiro), mas seu trabalho ocorre nas outras 47 semanas que restam.

Existem pessoas que jogam tudo para o ar em busca da felicidade semanal. Eu sou um defensor assíduo pela busca da felicidade, inclusive sou um dos poucos que acredita que podemos ser felizes também no trabalho.

Vejo, por exemplo, felicidade quando meus filhos podem tomar um sorvete, quando posso proporcionar um rodada de pizza para meus amigos e família, quando compro uma roupa nova, quando viajo e quando tenho saúde. Querendo admitir ou não devemos estes prazeres ao subsídio proporcionado pelo trabalho que exercemos, ou seja, sem dinheiro no bolso fica complicado usufruirmos dos manjares desta terra, ao passo que para isso devemos possuir a sabedoria na administração em nossa carreira. Quando falo em administração, refiro-me em buscarmos o equilíbrio das coisas, pois trabalhar demais tornando-se um doente pelo trabalho (workholic) não é, e nunca será ingrediente para a tal felicidade, mas trabalhar de menos substituindo-o por folias o ano todo também poderá ter um efeito bastante indesejável.


A palavra “folião” significa: “o que dança folias; Bobo; farsante; brincalhão. (dicionário Priberam)”.

No entanto, muitos colaboradores são verdadeiros foliões dentro da empresa, ou seja, usam seu ambiente de trabalho como palco para brincadeiras e atitudes nocivas. Não me refiro aos bem-humorados dentro do ambiente de trabalho, pois estes são indispensáveis aos resultados, são pessoas que transformam o ambiente para melhor, dando nos prazer em ir ao trabalho. Mas aos foliões que levam tudo na farsa, perdem clientes num ritmo de samba, apresentam-se ao trabalho como se estivessem na avenida, jogam confetes nos problemas e estão sempre de olho no próximo carro alegórico (instáveis). Cuidado. As coisas podem acabar em cinzas e você se enrolar na serpentina da vida profissional e podem ser “mais de mil palhaços” na estatística do desemprego.

Ah! E nunca se esqueça de incluir Deus em todos os seus planos.

Nosso espaço.

Assista ao palestrante Prof. Edison Andrades todas as quintas-feiras, às 17h, em www.tvmundi.com.br (programa Negócios).

Fale conosco: www.edisonandrades.com.br – Twitter: profatendimento.

* Profº Edison Andrades é Psicólogo - Especialista em desenvolvimento profissional e aconselhamento de carreira (Counseling); MBA; Escritor (autor do livro: Como Perder o Emprego (com competência)- Giz editorial); ex-Diretor de RH. É professor universitário atuando nas áreas de Administração e Marketing. Como consultor e palestrante atua em algumas das principais empresas nacionais e multinacionais do país. É palestrante e instrutor organizacional há mais de dez anos, onde destaca-se devido sua performance teatral, motivacional e irreverente ao transmitir conhecimentos. Marque uma consulta e conheça sua metodologia.

Comentários

Mais Lidas