O funcionário sabe-tudo

Ao nos fecharmos para aprender, nos fechamos para crescer. Pessoas que ouvem pouco, aprendem pouco

Redação
Publicado em 03/08/2009, às 09h02

* Profº. Edison Andrades


Muitas pessoas têm uma péssima mania de se fechar para ouvir. Saiba que se Deus nos deu dois ouvidos e apenas uma boca, talvez seja uma dica de que devemos ouvir mais e falar menos, e juntamente com o “ouvir” se encontra outro verbo: “aprender”. Cada vez que nos fechamos para aprender, significa que nos fechamos para crescer. Pessoas que ouvem pouco, aprendem pouco.


Não existe coisa pior para quem deseja ensinar ou apenas trazer uma nova informação do que se deparar com alguém que julga já saber tudo: isto distancia qualquer um que deseja passar algo de novo.


Mas já sei, você não se julga assim, não é? Então faremos um teste, para verificar se você é ou não um bom ouvinte, ok?


Teste:


- Você se encontra em uma roda de amigos e surge uma bateria de piadas. Cada um conta a melhor piada que encontrar em seu repertório, mas eis que um colega inicia uma piada que você, além de conhecer, conta muito bem. Qual é a sua reação?             


1. Ouve a piada até o final, presta atenção e ri juntamente com todos.


2. Logo no início você grita: “Esta eu já conheço” e sai para buscar um refrigerante, provocando uma dispersão no grupo, enquanto o colega que foi desrespeitado com sua atitude de sair esforça-se para acabar de contar.


3. Ouve até o final, não ri muito e relata a mesma piada só que agora na sua versão, dizendo a seguinte frase: “Eu conheço esta, de outra maneira...” (ainda que sejam iguais).


Em qual das opções você se enquadra? Sinto muito em lhe dizer, mas se você se enquadra na segunda ou terceira questão, você é um forte candidato a “Sabe-tudo”.


Vejamos a profundidade da simples questão acima: se você já conhece um assunto, qual é o problema de ouvir novamente? E melhor: com outra interpretação, pois às vezes o emissor daquela informação possui uma didática diferente para explicar, e trilha por um outro caminho.


O problema é que nosso egoísmo e soberba nos sufocam em muitos casos, nos bloqueando a aprender uma mesma coisa duas vezes. As melhores palestras que assisti em minha vida geralmente foram de assuntos que eu já conhecia, mas a forma com que foram passadas, me fizeram refletir como nunca.


Cuidado, você pode andar desperdiçando oportunidades de quebrar paradigmas* que até hoje lhe fizeram estagnar.


Mas o que é um paradigma?


O termo paradigma vem do grego paradeigma, que se traduz como modelo, padrão ou exemplo. Introduzido pelo filósofo e historiador da ciência Thomas Kuhn (1970), o termo paradigma é hoje usado para designar um modelo amplo, um referencial, um modo de pensar, ou um esquema para entender a realidade. Nas palavras de Joel Barker (1992), um paradigma simplesmente estabelece as regras (escritas ou não), define limites e diz como alguém deve se comportar dentro desses limites para ter sucesso.


Muitos funcionários ficam anos dentro de uma organização e não crescem, daí vem aquele velho questionamento: “Como esta organização é injusta, pois não reconhece seus colaboradores”. Será que não seria inverso? Ou seja, ela reconhece sim que o colaborador estagnou em seus conhecimentos, não busca novas formas de desempenhar a mesma função e principalmente não se preocupa em aprimorar-se, pois julga que apenas sua experiência é suficiente para levar à empresa ao sucesso e competitividade perante os concorrentes.


Hoje as empresas não competem mais com seu vizinho (empresa do lado), mas com o mundo, aliás, tenho uma pequena notícia: VOCÊ TAMBÉM disputa com profissionais do mundo inteiro. Neste momento existe alguém do outro lado do mundo se preparando para ocupar o seu lugar, sabia? E aí, vai ouvir a piada até o final, ou não?


Ah! E nunca esqueça de incluir Deus em todos os seus planos.


Envie sua mensagem para nosso blog: blog.jcconcursos.uol.com.br/professoredison,

ou para o e-mail: edison.andrades@terra.com.br. Terei imenso prazer em recebê-la.

Grande abraço.

* Profº Edison Andrades é Psicólogo - Especialista em desenvolvimento profissional e aconselhamento de carreira (Counseling); MBA; Escritor (autor do livro: Como Perder o Emprego (com competência)- Giz editorial); ex-Diretor de RH. É professor universitário atuando nas áreas de Administração e Marketing. Como consultor e palestrante atua em algumas das principais empresas nacionais e multinacionais do país. É palestrante e instrutor organizacional há mais de dez anos, onde destaca-se devido sua performance teatral, motivacional e irreverente ao transmitir conhecimentos. Marque uma consulta e conheça sua metodologia. contatos:  e-mail: edison.andrades@terra.com.br;  site: www.edisonandrades.com.br.

Comentários

Mais Lidas