Quando o “não” quer dizer “sim”

Desde pequenos recebemos a palavra “não” como uma espécie de alimento em nosso dia a dia, inclusive, quanto menor a criança, maior é a intensidade da negação sobre ela.

Redação
Publicado em 22/03/2010, às 11h14

* Profº. Edison Andrades

Desde pequenos recebemos a palavra “não” como uma espécie de alimento em nosso dia a dia, inclusive, quanto menor a criança, maior é a intensidade da negação sobre ela. Para alguns pais nada pode, tudo é perigoso e pior, tudo é proibido. Para outros, a permissividade é exacerbada, o que os leva a perder o controle sobre seus filhos a ponto destes ditarem as regras da casa. Em psicologia, chamamos “os nãos” de castrações, ou seja, são interrupções da vontade, impedimentos na execução de desejos.

Independente do número de castrações adquiridas por um ser humano durante sua vida, o fato é que quase ninguém se sente confortável

com “um não”. No mercado de trabalho, a frequência dessa palavra é bastante grande, enxergamos muitas injustiças organizacionais

devido à falta de “visão super” por parte da supervisão. Daí, bons colaboradores são mal aproveitados, enquanto outros, sem

merecimento, ganham posições privilegiadas.

Contudo o mais importante nessa história não é “o não”, mas a forma como os trabalhadores conseguem lidar com ele. Muitos agem sem

sabedoria, partem rapidamente para o campo da revolta, consequentemente, juntam-se a outros ‘militantes’ quando se deparam com

algum tipo de impedimento à sua vontade e, com essa atitude, acabam piorando tudo. Basta a empresa não o promover em dia, mês e

ano planejados, que o sujeito chuta tudo para o alto. Inconsequência! Saiba que a paciência também é uma virtude, inclusive uma das

mais nobres dentre todas.

Outros não se revoltam em função, mas cometem um crime ainda pior: acomodam-se. De forma passiva, ajeitam-se em seus ninhos

seguros e ali permanecem para sempre. Quando alguém os questiona sobre sua carreira, lamentam-se, rebaixam sua autoestima e

murmuram: “deixa a vida me levar....”

“Nem tanto ao mar nem tanto a terra”. Que possamos buscar o equilíbrio desta equação, aguardando com sabedoria o momento do “sim”

sem colocar tudo a perder quando a resposta for inversa. Por vezes, você seria o próximo à ascensão, mas é descartado devido a sua

atitude imediatista e sua falta de sabedoria em esperar pelo crescimento enquanto se lapida para merecê-lo. “Frutas verdes ‘amarram’ a

boca. Profissionais verdes ‘amarram’ os negócios”.

O que desejo salientar é que precisamos aprender a discernir os diferentes impedimentos vividos por todos nós. Há aqueles que

aparecem apenas como obstáculos a serem vencidos. Muita gente confunde um simples obstáculo com um sinal de desistência,

estagnação de seus sonhos e, isso, também é insalubre. Quanto mais nos firmamos em nossos objetivos e metas maior será nossa

capacidade de diferenciar os dois lados do “não”. Vale lembrar que nem sempre uma resposta negativa é “um não” puro e simples,

muitos “nãos” querem dizer sim. A negativa de hoje pode ser um simples prenúncio do “sim” que virá amanhã.

Ah! E não se esqueça de incluir Deus em todos os seus planos.

Nosso espaço:

Assista ao palestrante Prof. Edison Andrades todas as quintas-feiras, às 17h, na TV Mundi, Programa Negócios (www.tvmundi.com.br).

Visite-nos e fale conosco em www.edisonandrades.com.br e siga-nos no Twitter: profatendimento .

* Profº Edison Andrades é Psicólogo - Especialista em desenvolvimento profissional e aconselhamento de carreira (Counseling); MBA; Escritor (autor do livro: Como Perder o Emprego (com competência)- Giz editorial); ex-Diretor de RH. É professor universitário atuando nas áreas de Administração e Marketing. Como consultor e palestrante atua em algumas das principais empresas nacionais e multinacionais do país. É palestrante e instrutor organizacional há mais de dez anos, onde destaca-se devido sua performance teatral, motivacional e irreverente ao transmitir conhecimentos. Marque uma consulta e conheça sua metodologia.

Comentários

Mais Lidas