O perigo em dizer: SIM

Hoje desejo te auxiliar a usar o “freio de mão” para certas ocasiões. Vamos lá?

Redação
Publicado em 05/10/2009, às 11h26

* Profº. Edison Andrades

Tenho escrito aqui, nesta coluna, diversos pensamentos sobre o aproveitamento das oportunidades, bem como a busca por novos desafios. Mas hoje desejo te auxiliar a usar o “freio de mão” para certas ocasiões. Vamos lá?

Vou continuar afirmando que para sermos bem sucedidos no mercado de trabalho, precisaremos de atitudes diferenciadas quando comparadas à maioria, ou seja, não adianta plantar a mesma semente usada pela média, achando que colherá frutos melhores e maiores. “Alguns comem as sementes ao invés de plantá-las, pois pegam as oportunidades que lhes são ofertadas todos os dias e as desperdiçam.”

Os trabalhadores do conhecimento, os que usam mais a ferramenta “cerebral” e menos a “braçal”, costumam ter hábitos extremamente nocivos à sua própria vida, e pior, prejudicam também a vida de quem mais amam (famílias são as grandes vítimas), no que se refere a acúmulo de trabalho. Isso se dá por uma razão muito simples: um cérebro comporta muito mais coisas quando comparado com um par de braços, pois se alguém encomenda algo impossível de carregar, logo dirá: “isso é muito pesado para mim”, mas quando a tarefa solicitada se encontra no campo da solução intelectual, para nós soa como um desafio e então dizemos: SIM. Cuidado, amigo, poderá cair numa cilada na qual o preço poderá ser caro demais!

O efeito Workaholic (doentes por trabalho):

Poderá adquirir uma doença moderna chamada estafa (cansaço; fadiga) e quando o cansaço é físico, resolvemos com um belo descanso também físico, mas para o cansaço mental a cura não é tão simples assim. Você consegue tranquilamente parar de pensar? Difícil, né?

Haverá um acúmulo de pendências e isso o tornará desorientado até mesmo para a realização de atividades básicas. Conheço pessoas que não conseguem ir ao banheiro enquanto não resolvem o problema em questão.

Saliento que nos dias de hoje não devemos recusar tarefas, até porque tem muita gente que as aceitarão, mas ainda assim é preferível apelar para alguns “não’s” de vez em quando, a receber o rótulo de “irresponsável” ou “estressadinho”.

O que escrevo hoje, para você, é muito mais uma experiência de vida, do que um artigo baseado em crônicas e relatos alheios. Vivi uma época em que parecia que todos desejavam meus serviços, e para mim, soava como um privilégio (ou vaidade, talvez). Então abracei tudo e mais um pouco. Quase não dei conta. Minha sorte foi que consegui negociar prazos, mas ainda assim foi muito frustrante me ver naquele estado. Tive momentos em que trabalhava numa empresa com um cargo de extrema responsabilidade (diretor de RH), lecionava em universidade e dava conta de palestras e consultoria externa. Daí ao deixar meus alunos, por volta das 23h, retornava à empresa para aprontar relatórios que usaria no dia seguinte às 7h.

Um dia percebi em minha casa, um filho de 12 anos (ué, de onde surgiu este garoto?), era o mesmo que tinha deixado no berço havia pouco tempo! Não sei até hoje, onde está aquele período valioso que perdi.

Saia desta, caro leitor. Não valerá a pena!

Não significa com isso que deverá se acomodar e recusar grandes oportunidades. Tenha bom senso, ok?

Se você tiver dificuldades em saber quando dizer não, faça o seguinte:  inclua Deus em todos  os seus planos, pois assim como fez comigo, Ele irá te orientar. Eu garanto!

Envie sua mensagem para nosso blog:  blog.jcconcursos.uol.com.br/professoredison,

ou para o e-mail:  edison.andrades@terra.com.br. Terei imenso prazer em recebê-la.

Grande abraço.

* Profº Edison Andrades é Psicólogo - Especialista em desenvolvimento profissional e aconselhamento de carreira (Counseling); MBA; Escritor (autor do livro: Como Perder o Emprego (com competência)- Giz editorial); ex-Diretor de RH. É professor universitário atuando nas áreas de Administração e Marketing. Como consultor e palestrante atua em algumas das principais empresas nacionais e multinacionais do país. É palestrante e instrutor organizacional há mais de dez anos, onde destaca-se devido sua performance teatral, motivacional e irreverente ao transmitir conhecimentos. Marque uma consulta e conheça sua metodologia. contatos:  e-mail: edison.andrades@terra.com.br;  site: www.edisonandrades.com.br.

Veja Também:

Artigo: Inimigo íntimo: fabricação própria

Comentários

Mais Lidas