Condenado pela competência

Por ser muito bom, não pode ser promovido!!! Parece estranho, mas acontece.

Redação
Publicado em 26/10/2009, às 10h00

* Profº. Edison Andrades

Por ser muito bom, não pode ser promovido!!! Parece estranho, mas acontece.

Muita gente fica a vida inteira se preparando para o mercado de trabalho, não somente em cursos técnicos, mas cresce academicamente, pois entende que para ocupar uma posição no tão competitivo mercado precisará de algo a mais, então decide ir à luta. Parabéns!  Você conseguiu se tornar competitivo e um ponto fora da média positivamente, e agora? Agora correrá o risco de conseguir uma boa posição. Ué? Mas conseguir uma boa posição é um risco? Sim, e explico por quê:

Ao conquistar o mercado de trabalho costumamos nos apropriar de tudo que tange nossa função e profissão. Com isso consequentemente você delega pouco, no entanto poderá chegar um momento em sua vida em que perderá de crescer por ser muito bom no que faz. Como assim?

Ao nos tornarmos uma referência, tendemos nos distanciar das oportunidades, ou seja, ficamos tão envolvidos e competentes com o que executamos, que a empresa possui dificuldade em encontrar alguém para ocupar nosso lugar, caso isso se faça necessário. Este panorama deveria ser bom, não é? Mas se mal administrado poderá ser nocivo. Costumo dizer que “canibalizamo-nos”.

Muitas pessoas estão condenadas a permanecer onde estão, ainda que seja uma boa posição, por não terem preparado alguém para o seu lugar.

Muitas pessoas pensam que quando a posição é boa ninguém quer deixá-la. Ledo engano, pois o ser humano é movido a desafios (pelo menos os vencedores são assim), daí, em algum momento se sentirá prisioneiro do cargo, função, profissão e até do segmento que se encontra e é exatamente neste momento que deverá estar pronto para o “pulo”, ou seja, aquela alavancada profissional que não faz mal a ninguém, ok?

Para que isso aconteça você deve estar preparado. Muitas vezes não será apenas uma preparação no currículo, mas na equipe. Pois, lembre-se que grandes mestres, que se tem conhecimento, conseguiram ótimos ocupantes para perpetuarem sua tarefa. Citarei dois exemplos como ilustrações:

_ Francisco Matarazzo.......infelizmente não conseguiu preparar ninguém para o seu lugar, e hoje existe apenas um sobrenome estampado nas ruas e prédios de cidades brasileiras.

- Jesus Cristo, ainda que entre seus discípulos tivesse um traidor, conseguiu influenciar e conquistar pregadores da palavra de Deus. Paulo de Tarso, por exemplo, visitou mais pessoas que Jesus, pois Paulo foi o maior pregador do cristianismo que já se conheceu. E Jesus? Subiu, ou seja, está no céu em posição soberana. 

Estes dois casos, embora muito diferentes, nos levam a crer que o segredo para um crescimento nunca será retendo informações ou monopolizando o saber, ao contrário, prolifere-os, compartilhe novidades e fique sempre de olho em quem poderá te substituir, pois, devemos sempre sermos indispensáveis, mas não insubstituíveis. A recompensa disso é que exatamente neste momento existe alguém querendo crescer e você poderá ser o seu substituto. Faça a diferença.

 Ah! E nunca se esqueça de incluir Deus em todos os seus planos.

* Profº Edison Andrades é Psicólogo - Especialista em desenvolvimento profissional e aconselhamento de carreira (Counseling); MBA; Escritor (autor do livro: Como Perder o Emprego (com competência)- Giz editorial); ex-Diretor de RH. É professor universitário atuando nas áreas de Administração e Marketing. Como consultor e palestrante atua em algumas das principais empresas nacionais e multinacionais do país. É palestrante e instrutor organizacional há mais de dez anos, onde destaca-se devido sua performance teatral, motivacional e irreverente ao transmitir conhecimentos. Marque uma consulta e conheça sua metodologia. contatos:  e-mail: edison.andrades@terra.com.br;  site: www.edisonandrades.com.br.

Comentários

Mais Lidas